Topo

Topo

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Seminário debate mudanças na Lei Geral

Fonte: FENACON

Como estratégia para levar à votação o Projeto de Lei Complementar nº 591/10, que altera a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, deputados, senadores e representantes de entidades realizaram na tarde de ontem, 29, oSeminário Nacional de Mobilização pela aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 591/2010. A Fenacon foi representada pelo seu presidente, Valdir Pietrobon, pelo vice-presidente Institucional, Irineu Thomé, e pela diretora de Assuntos Institucionais, Simone da Costa Fernandes.

Promovido pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados e pelas Frentes Parlamentares Mista da Micro e Pequena Empresa e em Defesa das Micro e Pequenas Empresas o evento teve por objetivo discutir a possibilidade de votar a matéria antes do recesso parlamentar, que começará no dia 17 de julho.

Entre os pontos discutidos está o reajuste em 50% das faixas e os limites de enquadramento no Simples Nacional. Para a microempresa, o faturamento limite passa de R$ 240 mil para R$ 360 mil por ano; para a empresa de pequeno porte, de R$2,4 milhões para R$ 3,6 milhões por ano.

Para o presidente da Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas, deputado Pepe Vargas (PT-RS), a aprovação do projeto será um grande avanço mesmo que não sejam englobados todos os pontos do texto original. “A expectativa é que esse projeto seja aprovado antes do recesso parlamentar, pois essa é uma luta justa, onde todos ganham”, disse.

Também presente ao evento, o secretário-executivo de Relações Institucionais da Presidência da República, Cláudio Vignatti afirmou que o governo apóia que a proposta seja aprovada o mais rápido possível. Ele afirmou ainda que a presidente Dilma Rousseff está disposta a se reunir, nos próximos dias, com a Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas para fazer os últimos ajustes no texto.

O vice-presidente da frente, senador José Pimentel (PT-CE), lamentou a posição de quatro estados – sem citar nomes – que insistem em praticar guerra fiscal, abusando do regime de substituição tributária, o que neutralizaria os efeitos da lei doSimples Nacional. Para Pimentel, é preciso enfrentar o problema da guerra fiscal sem contar com uma posição unitária do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), constituído pelos secretários de Fazenda, Finanças ou Tributação de cada estado e do Distrito Federal, e pelo ministro da Fazenda.

Ao falar durante o evento, Valdir Pietrobon, lembrou a grande perda da não aprovação do projeto no final do último ano. “Nós vivemos o dia a dia das micro e pequenas empresas brasileiras e vejo que todos perderam. Faço um apelo pela votação da proposta, pois a Lei Geral é para criação de empregos, crecimento do País. É uma lei social”, disse.

Seguem os principais pontos do substitutivo, de acordo com a Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa:

1 – Reajuste dos limites de enquadramento: propomos um reajuste de 50% nos referidos limites, o que recompõe a inflação acumulada desde 2006 e incorpora a expectativa inflacionária até 2014. Assim, os limites das faixas atuais passariam de R$ 120 mil para R$ 180 mil e os limites máximos do Empreendedor Individual de R$ 36 para 48 mil, da Microempresa de R$ 240 para 360 mil e da Empresa de Pequeno Porte de R$ 2,4 milhões para 3,6 milhões;

2 – Parcelamento de dívidas com o Simples: a lei veda o parcelamento de dívidas tributárias para as empresas optantes do Simples, embora diversas leis tenham permitido o refinanciamento de dívidas das empresas de maior porte. Propomos a retirada da vedação e remetemos a regulamentação da forma como será este parcelamento para o Comitê Gestor do Simples. Cerca de 560 mil empresas estão inadimplentes com o Simples, principalmente devido à crise financeira de 2008/2009. Com o parcelamento elas poderão solicitar reenquadramento no Simples e reduzir sua carga tributária;

3 – Inclusão de novos segmentos: a proposta prevê que diversas atividades de prestação de serviços (de medicina, de advocacia, fisioterapia, engenharia, representação comercial, corretagem de seguros, tradução e interpretação de línguas, etc.) hoje impossibilitadas de optarem pelo Simples possam fazê-lo, com inclusão no anexo V da Lei Complementar 123/2006;

4 – Substituição Tributária: os estados passaram a utilizar largamente regimes de tributação via substituição tributária, no qual a cobrança do ICMS é realizada de forma concentrada em um dos contribuintes, que recolhe o tributo sobre a margem de valor agregado de toda a cadeia produtiva. É um sistema que facilita a fiscalização e combate a sonegação, o que é positivo para o conjunto da sociedade. Porém, onera micro e pequenas empresas, anulando parte significativa dos benefícios do Simples Nacional. Para evitar isto a Lei passará a definir os critérios de elegibilidade para que um produto possa ser submetido a regime de substituição tributária. Caberá ao Conselho Fazendário Nacional regulamentar a pauta dos produtos elegíveis com base nestes critérios, bem como a margem do valor agregado. Caso o Confaz não regulamente a matéria até o final de 2011 a Lei preverá que apenas produtos passíveis de substituição tributária no âmbito do Imposto sobre Produtos Industrializados, como combustíveis, energia, automóveis, cigarros, bebidas, entre outros, poderão ter recolhimento do ICMS via substituição tributária;

5 – Incentivo à Exportação: as empresas optantes do Simples poderão faturar na exportação até o dobro do montante do seu limite de enquadramento
.

Curtas CDL


Revitalização a vista
A revitalização do Centro Comercial de Santa Cruz do Capibaribe, reivindicação da CDL local, parece que vai sair do papel. A Prefeitura isolou algumas praças do centro e promete iniciar os trabalhos. Com a revitalização, o Centro comercial ficará mais atraente, e assim, certamente o comércio sairá ganhando.




Semana da Moda
Em outubro, Santa Cruz do Capibaribe vai ter uma semana dedicada a moda. A parceria é da CDL local, Moda Center e Associação Empresarial (ASCAP). O intuito do evento é colocar a cidade na rota dos grandes eventos de moda do Brasil, além de propiciar um ambiente de negócios entre os participantes.




Projeto Uniagreste
As inscrições nos cursos do Projeto Uniagreste surpreendem pela procura. São 22 cursos oferecidos, através de uma parceria do SENAI com a CDL local, a Associação Empresarial (ASCAP), Associação dos Contabilistas (Ascont), SEBRAE, Centro de Ensino Superior (CESAC), empresa Tintas Quimilson, Moda Center, além do apoio do Banco do Brasil.








Movimento Lojista
A CDL Santa Cruz do Capibaribe está preparada para mais um encontro com os lojistas de todo estado de Pernambuco, na 23ª Convenção Estadual do Comércio Lojista que vai acontecer, no início de agosto, no Cabo de Santo Agostinho. Procure a CDL e participe!

Artigo

PONTOS NEGATIVOS QUE FAZEM SUA EMPRESA PERDER CLIENTES

Eugênio Sales Queiroz
http://www.eugeniosales.com.br/

“Nem sempre, certas verdades são fáceis de ouvir”
Roberto Carlos

Quando começo a fazer uma consultoria em uma empresa, costumo perguntar se o meu contratante está preparado para ouvir certos comentários que irei fazer.
Graças a Deus todos que eu perguntei me responderam que sim.
Faço esse questionamento logo no início dos meus trabalhos, porque sei que muitas vezes detecto onde a empresa está errando e por isso está perdendo vendas.
Os principais pontos negativos que encontro são:

Ambiente de trabalho com clima tenso.
(Solução imediata: promover encontros motivacionais para mudar o ânimo dos colaboradores internos).

Empresa com ambiente escuro e sombrio.
(Solução imediata: melhorar a iluminação, bem como investir em mudanças na estrutura da própria empresa para dar um novo visual à mesma.

Entrada e saída constante de funcionários.
(Solução imediata: não ter pressa na hora da contratação e ao contratar, treinar, treinar e treinar. Essa é uma solução simples e eficaz.

Disputa interna de poderes.
(Solução imediata: reuniões com todo grupo e depois com pessoas em cargo de liderança, a fim de eliminar os “egos” exaltados.

Perda de vendas por falta de vendedores preparados.
(Solução imediata: sequência de treinamentos de vendas com profissionais qualificados)

Investimento errado em propaganda.
(Solução Imediata: rever em detalhes todo o programa de mídia que está se usando e tomar as devidas providências)

Muitos outros pontos negativos encontro em minhas consultorias, mas, compreendo que tudo tem solução quando a nossa mente se abre ao novo e tomamos a consciência que precisamos melhorar a nossa performance empresarial.
Pense nisso e assuma um compromisso com você, sua equipe, sua empresa e seus clientes. Agindo assim, todos saíram ganhando.



Já está à venda o novo livro do consultor Eugênio Sales Queiroz “As 60 Ações Inteligentes Para o Sucesso”. Qualitymark Editora – Rio de Janeiro/2011Pedidos: www.eugeniosales.com.br – Fone: 81.3723.8256

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Palestra Motivacional



A CDL Caruaru e o SEBRAE traz, no dia 07 de julho, para a Capital do Forró, o palestrante Motivacional Augusto Gomes, que realizará palestra no Teatro Difusora às 19:30. Gomes tem vivência corporativa e formação em teatro pela USP, trabalhou em vendas, atendimento e setores administrativos de grandes empresas em todo Brasil.

Juros altos podem gerar descompasso entre oferta e demanda

Fonte: CNDL

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) lamenta a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevar, pela quarta vez consecutiva, a taxa básica de juros (Selic), e entende que o excesso de cautela poderá causar um descompasso ainda maior entre a oferta e a demanda interna, hoje a principal razão pela qual a inflação já ultrapassa o teto da meta, de 6,5%.

“A nossa posição é que se poderia ter mantido a Selic como estava, em 12%, uma vez que os efeitos dos juros altos já se mostraram eficientes sobre a desaceleração da demanda”, avalia o economista e presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior.

Segundo explicou, a elevação da Selic, ainda que se mostre eficiente na redução da expansão do crédito e consumo de produtos de maior valor agregado, é ineficiente no combate às pressões causadas pelas altas nos preços das commodities e dos serviços, que são hoje o grande vilão da inflação.

“O efeito imediato dos juros maiores se dá na tomada de crédito, o que atinge imediatamente a indústria e os investimentos, e isso vai na contramão do que o País necessita no momento”, critica o presidente da CNDL, para quem os efeitos dos juros altos serão duramente sentidos sobretudo no mercado de trabalho, afetando um dos principais motores do crescimento econômico recente.

Pellizzaro cita como exemplo os dados divulgados há duas semanas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostraram uma redução abrupta da produção industrial, de 2,1%, o pior resultado desde a crise de 2008, o que, para ele, já indica a efetividade das medidas macroprudenciais que atuaram sobretudo sobre a oferta de crédito para automóveis e motocicletas.

“O próximo passo para as indústrias que deixaram de vender e agora reduzem turnos de produção é demitir parte da força de trabalho, e isso é algo que a sociedade precisa avaliar se é o mais sensato a se fazer neste momento”, diz.

Volume de cheques devolvidos sobe 11,4% em maio

Fonte: InfoMoney

A quantidade de cheques devolvidos por falta de fundos em maio apresentou aumento, tanto na comparação mensal quanto na comparação anual, mostra levantamento da Boa Vista Serviços divulgado nesta terça-feira (28).

No mês passado, frente a abril, o número de folhas que retornaram cresceu 11,40%, somando um total de 1.793.928. Já na comparação anual, o crescimento foi de 1,84%.

De acordo com a pesquisa, o aumento do volume de cheques sem fundo em maio em relação ao mês de abril já era esperado, devido aos efeitos sazonais que influenciam a redução da inadimplência no mês de abril e devido ao menor número de dias do respectivo mês.

Para os próximos meses, a tendência é que a inadimplência continue em alta, sendo influenciada pela expectativa de diminuição da atividade econômica no País. Além disso, a continuidade do aperto monetário do Banco Central, com novos aumentos na taxa básica de juro, a Selic, e com a inflação chegando ao teto da meta podem ser fatores que também contribuam para o aumento.

Títulos protestados

O levantamento mostra ainda que, no mês passado, foram protestados 803.060 títulos, um aumento de 24,15%, frente a abril, quando foram registrados 646.854 protestos. Na comparação com maio do ano passado, o aumento foi de 13,4%, já que naquele mês houve o protesto de 710.394 títulos.

As pessoas físicas apresentaram aumento de 19,8% nos protestos em relação ao mês de abril. Se comparado ao mês de maio de 2010, o crescimento foi de 1% no volume de títulos protestados. Além disso, o valor médio dos títulos protestados das pessoas físicas gira em torno de R$ 1.708 no mês de maio.

Quanto às pessoas jurídicas, o número de títulos protestados em maio avançou 26,9% ante abril e 22% na comparação com igual mês do ano passado. O valor médio dos títulos atingiu R$ 2.249.

Sobre a pesquisa

A análise de inadimplência da Equifax é baseada em informações públicas fornecidas pelo Banco Central, por meio de cartórios, juntas comerciais, fóruns e a partir das transações comerciais realizadas por 28 mil clientes em todo o País.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Banco Central alerta para nova tentativa de golpe na internet

Fonte: Agência Brasil

O Banco Central (BC) divulgou nesta terça-feira (28) nota para alertar sobre nova tentativa de golpe pela internet. Mensagem enviada para e-mails com a logomarca do BC convida os clientes de várias instituições financeiras a se cadastrarem no fictício programa Mais Segurança do Banco Central.

“Diante de mais essa tentativa de fraude, o BC orienta os usuários da internet para, em hipótese alguma, preencherem cadastro, copiarem arquivos ou executarem tarefas sugeridas por mensagens dessa natureza”.

No comunicado, o banco reitera que não envia e-mails diretamente a correntistas e outros usuários do sistema financeiro, “exceto quando responde a demandas específicas solicitadas por clientes de instituições financeiras”.

Para tirar dúvidas, o BC tem disponível a central de atendimento pelo telefone 0800 979 2345 ou pelo site www.bcb.gov.br, seção de atendimento ao cidadão (Fale Conosco).

Sebrae promove 3ª Semana Nacional do Empreendedor Individual

Desde ontem (27), o Sebrae está realizando em todo o país, a 3ª Semana do Empreendedor Individual, que vai até o próximo sábado (2 de julho). A ação tem como proposta atrair novos empreendedores que desenvolvam atividades por conta própria nos setores de comércio, indústria ou serviços. Tem ainda o objetivo de capacitar os empreendedores já formalizados, de modo que eles possam obter melhores resultados em seus empreendimentos. “O desafio é fazer com que o programa cresça em formalização e também com o desenvolvimento empresarial”, afirma o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

A exemplo das edições anteriores, o Sebrae instalará tendas em locais de grande circulação. Em Pernambuco, que possui um universo de 42 mil empreendedores individuais já formalizados, serão atendidas as cidades de Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes e Camaragibe (o cronograma segue abaixo). O atendimento incluirá o cadastro, declaração anual e captura de número de inscrição estadual, além da impressão de DAS e de carnê de orientações e o esclarecimento de dúvidas específicas.

O Sebrae em Pernambuco irá realizar ainda, nesse período, no seu Centro de Educação Empresarial (CEE), as oficinas “Seu caixa na ponta do lápis” e “Boas vendas, bons resultados”, com vagas limitadas. Cada curso terá a duração de três horas.

A mobilização envolverá também o envio de mensagens informativas via celular para os empreendedores abordando temas que vão da gestão de negócio à orientação tributária. A ação será realizada pela primeira vez pelo Sebrae Nacional e envolverá cinco estados pilotos. A meta para Pernambuco é realizar 2,75 mil atendimentos e 2,2 mil registros – a edição anterior da Semana do Empreendedor Individual registrou o atendimento de 1,5 mil empreendedores. Para todo o país, a meta é realizar 50 mil atendimentos e 40 mil formalizações.

Pode se enquadrar como Empreendedor Individual (EI) o empresário que tenha obtido receita bruta anual de até R$ 36 mil. Ele também não deve possuir mais de um estabelecimento e nem participar de outra empresa como titular, sócio ou administrador. São cerca de 450 as atividades que podem ser enquadradas como EI, a exemplo do comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios, cabeleireiro e lanchonete. A formalização é gratuita, demanda em torno de 15 minutos e garante ao empreendedor a possibilidade de emitir nota fiscal e ter direito a cobertura previdenciária, entre outros benefícios.

As inscrições na 3ª Semana do Empreendedor Individual são gratuitas e serão feitas por ordem de chegada nos locais de realização do evento, sem vaga limitada. Realizada pelo Sebrae, a iniciativa tem a parceria da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, BNB, INSS, que estarão fazendo, juntamente com o Sebrae, esclarecimento quanto a financiamento e benefícios previdenciários. Mais informações: 0800.570.0800.

III Semana Nacional do Empreendedor Individual

Programação Geral

CAMARAGIBE - 28 a 30/06/2011

SEDEC / Centro de Formação Profissional

2ª Travessa Padre Oséias Cavalcanti, 800

Novo Carmelo – Camaragibe/PE

Informações: 0800.570.0800 / 3484.2333 / 3484.1843

PALESTRAS
Dias: 28 a 30/06/2011
HORÁRIOS: 14h00 ÀS 16h00, 16h30 ÀS 18h30 E 19h00 ÀS 2100

ATENDIMENTO
Dias: 28 a 30/06/2011 - Horário: 14h às 22h

JABOATÃO DOS GUARARAPES-27/06 A 02/07/2011

PRAÇA SEVERINA RITA COELHO, nº 20

Cavaleiro – Jaboatão dos Guararapes/PE

Informações - 0800.570.0800

PALESTRAS
Dias: 27 a 30/06 e 01/07/2011
HORÁRIOS: 09:00 ÀS 11:00, 11:30 ÀS 13:30 E 14:00 ÀS 16:00
Dia 02/07/2011
HORÁRIO: 09:00 ÀS 11:00

ATENDIMENTO
Dias: 27 a 30/06 e 01/07/2011 - Horário: 08:30 às 17:00
Dia 02/07/2011 - Horário: 08:30 às 13:00

OLINDA - 27 A 30/06/2011

MERCADO EUFRAZIO BARBOZA

Varadouro – Olinda/PE

Informações: 0800.570.0800 / 3439.1988 / 3305.1149

PALESTRAS
Dias: 27 a 30/06
HORÁRIOS: 14:00 ÀS 16:00, 16:30 ÀS 18:30 E 19:00 ÀS 21:00

ATENDIMENTO
Dias: 27 a 30/06 - Horário: 14:00 às 22:00

RECIFE – PRAÇA DO DIÁRIO - 27/06 A 29/07/2011

PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA (Praça do Diário)

em frente a Igreja de Santo Antônio

Avenida Dantas Barreto, s/n – Santo Antônio – Recife /PE

PALESTRAS
Dias: 27 a 30/06, 01/07, 04 a 08/07, 11 a 15/07, 18 a 22/07 e de 25 a 29/07/2011
HORÁRIOS: 09:00 ÀS 11:00 , 11:30 ÀS 13:30 E 14:00 ÀS 16:00
Dia 02/07/2011
HORÁRIO: 09:00 ÀS 11:00

ATENDIMENTO
Dias: 27 a 30/06, 01/07, 04 a 08/07, 11 a 15/07, 18 a 22/07 e de 25 a 29/07/2011 - Horário: 08:30 às 17:00

Dia 02/07/2011 - Horário: 08:30 às 13:00

SEBRAE – SEDE TABAIARES

Ilha do Retiro



OFICINAS
SEU CAIXA NA PONTA DO LAPIS! - FINANÇAS

Dias: 27, 28 E 29/06 E 01/07/2011
HORÁRIO: 14:00 ÀS 17:00
Dias: 30/06 E 02/07/2011
HORÁRIO: 09:00 ÀS 12:00
BOAS VENDAS! BONS RESULTADOS! - MERCADO

Dias: 28 E 29/06/2011
HORÁRIO: 14:00 ÀS 17:00
Dia 02/07/2011
HORÁRIO: 09:00 ÀS 12:00




PALESTRAS
Dias: 27, 29 E 30/06 E 04, 05, 06, 11, 13, 18, 20, 25 E 27/07/2011
HORÁRIO: 14:00 ÀS 16:00
Dias: 27 E 29/06 E 04, 05, 06, 11, 13, 18, 20, 25 E 27/07/2011
HORÁRIO: 19:00 ÀS 21:00
Dia 28 E 30/06 E 01, 07, 08, 12, 14, 15, 19, 21, 22, 26, 28 E 29/07/2011
HORÁRIO: 09:00 ÀS 11:00


ATENDIMENTO
Dias: 27 a 30/06 E 01/07, 04 a 08/07, 11 a 15/07, 18 a 22/07 e de 25 a 29/07/2011 - Horário: 08:30 às 17:00

Dia 02/07/2011 - Horário: 08:30 às 13:00

Dias: 27 E 29/06 E 04, 05, 06, 11, 13, 18, 20, 25 E 27/07/2011 - HORÁRIO: 19:00 ÀS 22:00

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Santa Cruz do Capibaribe terá evento voltado para a moda

A moda produzida em Santa Cruz do Capibaribe vai ganhar um evento todo especial. Intitulado de Moda Santa Cruz, o projeto é uma parceria da CDL local, Associação Empresarial da cidade (Ascap) e Moda Center Santa Cruz, que visa agregar valor ao aniversário do Parque de Confecções e ter uma semana dedicada à moda. O lançamento do projeto será no próximo dia 30 de junho, às 19 horas, no Recepcione em Santa Cruz do Capibaribe.

Toda estrutura do evento vem sendo planejada desde o início deste ano e o principal objetivo do Moda Santa Cruz é colocar o estado na rota dos grandes eventos de moda, além de promover

A principal proposta do Moda Santa Cruz é promover um ambiente de negócios onde todos os agentes da cadeia têxtil e vestuário de todo o estado de Pernambuco possam mostrar seus produtos e serviços com criatividade e profissionalismo, através de exposições, showroom, desfiles, cursos, palestras e eventos.

O Moda Santa Cruz acontecerá em paralelo ao lançamento do Guia de Compras da Moda Pernambucana, produzido pela ASCAP.

Matheus Henning é destaque na 1ª Etapa Nordeste/Brasil de Bicicross em Aracaju

O Atleta santacruzense Matheus Henning participou de mais um Campeonato de Bicicross e, como sempre, foi destaque mais uma vez. O garoto disputou com mais 180 atletas de todo Nordeste e ficou em 3º lugar na 1ª Etapa Nordeste/Brasil de Bicicross em Aracaju-SE, que aconteceu no último domingo (26).


Mattheus Henning participou apenas em uma categoria, Boys 13/14 anos nas classificatórias. O piloto ficou em 1°primeiro lugar, mas na final acabou conseguindo um bom resultado para Pernambuco, ficando em 3° terceiro lugar. Na categoria Boys 13/14 anos, o piloto ficou em 3° terceiro lugar, pois o nível dos atletas está forte, mas o piloto afirma “isso faz parte”.


De acordo com o pai do atleta, Moisés Chaves, a próxima participação de Matheus é o Mundial que vai acontecer em Compenhague, na Dinamarca. “Agora o atleta terá que treinar muito para o Mundial nos dias 27 a 31 de Julho. Mattheus Henning não pára, são competições uma atrás da outra e assim sempre representando o estado de Pernambuco e o nome de Santa Cruz do Capibaribe em todas as competições por onde passa”, ressaltou Moisés.


O atleta é patrocinado pela CDL Santa Cruz do Capibaribe, além de outras empresas da cidade.

Empreendedores individuais se expandem no mercado

Matéria de Mariana Flores
da Agência SEBRAE de Notícias

Inicialmente formalizado como Empreendedor Individual (EI), o brasiliense Gustavo de Castro Dudu, de 19 anos, migrou recentemente para a categoria Microempresa. A demanda pelos pães integrais da Nutry Pan cresceu tanto que ele sentiu necessidade de expandir o negócio. O faturamento extrapolou o limite estipulado para EI, de R$ 36 mil por ano, e Gustavo passou a ser enquadrado na faixa que considera o valor de até R$ 240 mil anual.

Sebrae realiza 3ª Semana do Empreendedor Individual

Para ajudar 1,2 milhão de empreendedores individuais a expandir seus negócios, assim como ocorreu com Gustavo, o Sebrae vai promover ao longo desta semana a 3ª Semana do Empreendedor Individual. O evento será realizado em cidades de todas as unidades da federação desta segunda (27) até o próximo sábado (2). O foco na 3ª edição é capacitar os formalizados como EI para que alcancem sustentabilidade em seus negócios. A instituição vai montar tendas em espaços públicos com grande circulação de pessoas, onde serão ministrados cursos e palestras gratuitos, além de atendimentos individuais do Sebrae e de instituições parceiras, como bancos públicos, Receita Federal e governos estaduais e municipais.

A figura jurídica do EI foi regulamentada há dois anos com objetivo de formalizar os trabalhadores por conta própria que contam com, no máximo, um funcionário. Com a migração para microempresa, Gustavo passou a ter o direito de contratar mais de um funcionário. Hoje já são cinco empregados na empresa, além de cinco revendedores.

Procura

“Está aumentando muito a procura. Temos 36 clientes fixos, entre restaurantes, supermercados e lanchonetes de todo o Distrito Federal. Ultrapassei o limite e fui obrigado a migrar. Se continuasse como Empreendedor Individual, estaria me prendendo, me impedindo de crescer”, conta. Gustavo conta que a expansão vai ajudá-lo a tomar empréstimos em valores mais elevados. O dinheiro será utilizado para reformar a fábrica de pães e para aquisição de novas máquinas.

A abertura do negócio, há três anos, foi uma iniciativa arriscada, já que Gustavo, que trabalhava como administrador de redes, nunca havia feito um pão na vida. A ideia surgiu quando conheceu sua mulher, Queila de Castilho, de 23 anos, que tinha aprendido a fazer pães. Mesmo sem experiência, ele decidiu pedir demissão da empresa em que trabalhava e investir no negócio. Foram necessários empréstimos para comprar máquinas e equipamentos. “Aprendi na marra a fazer pão. Nos primeiros meses, perdia quase a metade da produção porque sempre errava muito”, conta, rindo. A produção diária saltou de 300 pães para mais de mil. Aos domingos, Gustavo e Queila chegam a fazer 1,5 mil pães.

Assinatura de flores

O ingresso no mundo dos negócios também se deu por meio da figura do Empreendedor Individual no caso de Alessandra Alves. Funcionária de lojas do varejo há 20 anos, ela resolveu abrir o próprio negócio em fevereiro deste ano e se formalizou como empreendedora individual. A ideia inicial era montar um site de assinatura de flores. “Assim como as pessoas fazem com as revistas, poderão assinar flores. Semanalmente, receberão arranjos personalizados em suas casas”, explica.

Mas a expectativa otimista em relação ao site, que deverá ser lançado até o início de julho, é tão grande que Alessandra decidiu abrir paralelamente uma loja física para sua empresa, a Boutique de flores Elegance. Com esta decisão, teve que migrar para uma faixa de faturamento acima, a de microempresa. Segundo ela, a mudança foi necessária para que pudesse ter acesso a valores mais elevados de crédito. “Se continuasse como EI, não iria conseguir um valor alto de empréstimo e talvez não montasse a loja, o que me limitaria muito”, conta a empresária, que dentro de três meses deve inaugurar a loja.

Entrevista CDL

A CDL Santa Cruz do Capibaribe tem se tornado em um grande Centro do Empreendedor. Através de parcerias firmadas na Gestão do presidente Fábio Lopes, a entidade hoje possui outros órgãos que funcionam dentro de sua sede; como a Junta Comercial de Pernambuco (JUCEPE), Unicred Empresarial, Sindicado dos Comerciantes (SINDCOM) e, recentemente, em mais uma parceria com os profissionais Corretores de Imóveis, foi criada a Câmara Setorial Imobiliária. Fruto de um trabalho sério que ao longo do tempo vem ganhando destaque. Sobre essas parcerias e o novo momento que a CDL Santa Cruz do Capibaribe está vivenciando, você confere uma entrevista com o presidente Fábio Lopes.


Para começar, eu gostaria que você falasse um pouco desse momento vivenciado pela CDL.
Fábio Lopes -
A CDL hoje vive um grande momento, reflexo das administrações passadas e estamos colhendo bons frutos. A CDL é considerada um Centro do Empreendedor atualmente. Estamos com a Junta Comercial de Pernambuco que foi uma parceria com o Governo do estado e com a Prefeitura Municipal. Temos a Unicred que é a cooperativa de crédito para ofertar crédito bom e barato ao micro e pequeno empresário. Temos o Sindicom, e recentemente estamos firmando parcerias para criarmos Câmaras Setoriais que são braços da CDL, como foi o caso recente da Câmara Setorial Imobiliária. Vamos passar por um processo, mas será muito bom para a cidade, sobretudo, a regularização de imóveis e a profissionalização dos corretores. Não podemos deixar de citar o nosso carro chefe, que é o SPC que a CDL oferece ao associado com um banco de dados da América Latina.


Qual o impacto disso tudo para o comércio lojista de Santa Cruz do Capibaribe?
Fábio Lopes -
Isso é muito bom porque nós vamos organizando e cumprindo o nosso papel, enquanto estatuto da CDL, que é justamente apoiar, dar suporte e fomentar parcerias para o empreendedor em nossa cidade. Nós precisamos trazer novas ferramentas, a fim de organizar nossa comunidade empresarial enquanto sociedade civil organizada para que a cada dia que passe seja mais forte e melhor representada.


Como tem sido o feedback do empreendedor em relação às ferramentas oferecidas pela CDL?
Fábio Lopes -
Tem sido muito bom, porque você ver uma CDL movimentada, uma CDL com 500 empresas associadas. Nós temos um exemplo muito bom que é o Empretec que estamos para entrar na nossa quinta/sexta turma de empretecos aqui em Santa Cruz do Capibaribe. Isso realmente traz uma nova postura para o comércio na cidade. Nós já estamos sentindo o reflexo disso tudo com os lojistas que participaram do seminário e isso é tudo pensado estrategicamente, dentro do nosso Planejamento estratégico e vamos executando através das nossas ações.


Você é muito elogiado pelos lojistas locais como um grande motivador do desenvolvimento de Santa Cruz do Capibaribe. Como você ver essa questão?
Fábio Lopes -
Isso é muito bom, eu agradeço pelo reconhecimento, mas quero dizer que não é só o Fábio. Nós temos uma diretoria e como falei no início, isso é o reflexo de 15 anos de CDL que passaram outros presidentes. Eu não sou presidente, eu estou presidente e isso é o reflexo da união de um grupo de lojistas e de todos os colaboradores da CDL. Quem tem a ganhar com isso á cidade e o segmento que nós representamos. Nós estamos trabalhando em cima de uma infra-estrutura que a cidade precisa, nós já passamos para o Poder Público sobre a revitalização do Centro Comercial, além da segurança, com a instalação de Câmeras de segurança, pois isso vai ser essencial para melhoria do comércio em nossa cidade.


O movimento lojista em Pernambuco tem tido grandes conquistas, e você representa Santa Cruz do Capibaribe na FCDL-PE. Como tem sido este trabalho?
Fábio Lopes -
Tem sido muito gratificante. Eu recebi com surpresa o convite do nosso atual presidente, Adjar Soares, ex-presidente da CDL Caruaru, que é também um lojista e uma pessoa muito íntegra. Na FCDL-PE nós estamos levando ideias para que não só o movimento de Santa Cruz do Capibaribe ou só o Polo ganhe, mas hoje nós pensamos em todo movimento de Pernambuco. Lá, Adjar se encarrega de levar essas ideias para a CNDL, através do Roque Pelizzaro que é o nosso presidente a nível nacional, para que possamos tratar as estratégias que vem da CNDL para a FCDL e assim chegar a todas as CDLs da federação.


Falando ainda de micro e pequenas empresas, Santa Cruz do Capibaribe é um berço. Como a CDL local tem um trabalho com o empresariado da cidade?
Fábio Lopes -
Nesse aspecto nós temos nos preocupado bastante com a gestão das empresas. Nós temos buscado focar em parcerias com institutos de educação empresarial, com o SEBRAE, SENAI, SENAC, que são grandes parceiros. Queremos trazer conhecimento, informação para o micro e pequeno empreendedor. Esse é o grande lance, o grande foco da CDL, que é ofertar ferramentas a esses empresários para que eles possam colocar na gestão de suas empresas. Principalmente na questão de números, quem tem os dados da sua empresa na mão tem possibilidade de partir sempre na frente e nós da CDL temos focado nisso.

Uniagreste recebe inscrições



Você que ainda não fez a sua inscrição nos cursos do Projeto Uniagreste, procure a ASCAP, CDL, Moda Center ou SENAI e efetue a sua inscrição. Não deixe de participar. São cursos voltados especialmente para você, a um preço bastante acessível. As turmas já estão sendo montadas e as vagas são limitadas.

Escolha um dos cursos abaixo e participe:

Área de Gestão
Organização de Estoques
Técnicas de vendas
Telemarketing
Contabilidade na prática
Desenvolvimento de Líderes
Gestão e Representação Comercial
Relações Humanas nas Organizações
Qualidade no atendimento público
Qualidade no atendimento em hotéis
Rapport – criando uma relação de confiança entre clientes e vendedores
Técnicas para encarregados de produção

Área de Vestuário

Técnicas de vitrines temáticas
Comportamento do Consumidor
Gestão estratégica de Design na empresa
Trend Hunter – Caçadores de Tendências na moda
Adaptação de modelagem de peças íntimas
Noções de manutenção de máquinas para costura
Noções de estamparia no Corel Draw

Área diversa
Boas práticas para serviço de alimentação
Serviços de garçom
Segurança do trabalho: formação e aperfeiçoamento de membros da CIPA
Eficiência energética: Dicas para redução do desperdício de energia na empresa

Inadimplência cresce pelo quarto mês consecutivo

Fonte: CNDL

A inadimplência do consumidor registrou alta de 8,21% em maio de 2011, na comparação com o quinto mês de 2010, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Foi a quarta elevação seguida da taxa em 2011 frente os resultados do ano anterior, o que causa preocupação do comércio e reforça a cautela do varejo para os próximos movimentos da inadimplência, conforme avaliação do economista e presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior.

“O sinal que já estava amarelo ficou ainda mais preocupante, e não só o governo que tem que agir, mas também os empresários do varejo, não concedendo crédito além da capacidade do consumidor em honrar seus compromissos. É bom para o lojista, para o consumidor e para o Brasil, porque evita a formação de bolhas”, explica.

Nos cinco primeiros meses do ano, a inadimplência já acumula alta de 3,61%, após iniciar o ano em baixa de 10,09%, em razão sobretudo do ciclo de aperto monetário, com o aumento pela quarta vez consecutiva da taxa de juros básico pelo Comitê de Política Monetária (Copom), e as medidas de contenção de crédito adotadas ainda no fim de 2010 pelo Banco Central.

A comparação com o mês de abril mostrou uma queda da inadimplência de 0,27%, segundo explicou Pellizzaro Junior, em face da proximidade do Dia dos Namorados, e a tendência do brasileiro em honrar compromissos para pode manter-se ativo no consumo. “Também influenciou positivamente o consumo do Dia das Mães, que é a segunda melhor data para o varejo no ano, e que pressiona o brasileiro a se manter adimplente para continuar ativo no comércio”, diz.

Em relação às consultas no SPC Brasil, que refletem em certa medida o nível de atividade no varejo, maio apresentou alta de 7,76% ante igual mês de 2010, a segunda elevação seguida na mesma base de comparação, reforçando a tendência de otimismo nas vendas para o restante do ano.

Em cinco meses, o resultado acumulado das vendas a prazo e no crediário, principais elementos da consulta do SPC Brasil, já registra elevação de 4,12%, ante crescimento acumulado de 2,77% registrado até abril, o que indica a tendência de forte elevação da atividade.

Contra abril, o indicador também apresentou forte alta, de 17,66%.

Os números de cancelamento de registros, que dão medida ao nível de recuperação de crédito no varejo, também foram positivos em maio, apresentando uma alta de 7,36% ante o mesmo mês de 2010.

O maior volume de cancelamentos também decorre do cenário aquecido de vendas, uma vez que o consumidor tem de estar adimplente para manter seu consumo nas compras a prazo.

Ante o mês de abril, igualmente houve alta nos cancelamentos de CPFs inscritos no cadastro de devedores do SPC Brasil, de 9,67%, dado que reforçou o bom resultado também no acumulado do ano, com elevação de 3,84%.

Os dados referentes ao sexo e faixa etária dos devedores, além de detalhes como número de parcelas em atraso e tempo de quitação das dívidas, serão divulgados posteriormente pelo SPC Brasil, em data ainda a ser confirmada.

Desemprego de maio é o menor desde 2002, diz IBGE

Fonte: Folha On line



A taxa de desemprego apurada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em seis regiões metropolitanas do país ficou em 6,4% em maio, leitura idêntica à de abril e inferior à marca registrada no quinto mês de 2010 (7,5%). O resultado foi o menor para maio desde o começo da série do organismo, em março de 2002.

Das regiões metropolitanas investigadas, a taxa de desocupação mais alta no mês passado foi observada em Salvador (10,5%). Na casa de 6%, apareceram Recife (6,8%) e São Paulo (6,7%). No Rio de Janeiro, o indicador se encontrou em 5,4%; em Porto Alegre, a leitura foi de 5,1%. O nível de desemprego em Belo Horizonte equivaleu a 4,7%.

O contingente de desempregados saiu de 1,537 milhão de pessoas em abril para 1,522 milhão um mês depois, variação essa tida como estabilidade pelo IBGE. Em maio de 2010, estava em 1,764 milhão. Por sua vez, a população ocupada correspondeu a 22,430 milhões de pessoas no mês passado, com leve expansão de 0,5% ante abril e de 2,5% perante o quinto mês de 2010.

O rendimento médio real dos ocupados de R$ 1.566,70 em maio foi o mais expressivo para o mês desde 2002, com elevação de 1,1% no confronto mensal e de 4% ante um ano antes.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Brasileiros já pagaram quase R$ 700 bilhões em impostos em 2011

Fonte: CNDL

Os contribuintes brasileiros já pagaram quase R$ 700 bilhões em impostos federais, estaduais e municipais, segundo cálculo do "impostômetro" da ACSP (Associação Comercial de São Paulo). Segundo a associação, o número deve ser atingido na próxima segunda-feira, por volta das 14h.

Segundo a associação, este ano, a marca foi atingida 25 dias antes do que no ano passado, o que ocorreu em 22 de julho de 2010. Tanto em 2008 quanto em 2009, este valor foi registrado pelo "impostômetro" no dia 3 de setembro.

A previsão é de que até o final deste ano seja arrecadado R$ 1,4 trilhão em tributos.

"Nunca antes neste país tivemos um crescimento tão grande da arrecadação, além de continuarmos em primeiro lugar nas taxas de juros mais altas do mundo", disse Rogério Amato, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo).

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Notícias FADIRE

FADIRE realiza exposição de vestidos de noiva

Os alunos do Curso Design de Moda da Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (Fadire) realizaram uma exposição de Vestidos de noivas. O trabalho interdisciplinar faz parte da disciplina de Planejamento e Projeto de Coleções II, e ficou exposta nos corredores da Instituição.


A Coordenadora do Curso, Rosimere Ortega, diz que a ideia partiu com o intuito de dar visibilidade ao trabalho autoral dos criadores de moda da Faculdade, além de uma oportunidade de fomentar o espaço profissional para o ateliê de moda. “A referida exposição teve o tema: Rosas do tempo, onde os vestidos de noivas desenvolvidos foram baseados na História da Arte de diferentes recortes temporais, onde cada aluno desenvolveu todo o cenário em escala reduzida”, explicou.




O projeto contou com o apoio da professora Poliana e parceria da Casa das Noivas de Caruaru.




Vejas as imagens da exposição:










Fenearte 2012: Fadire apresentará coleção baseada em cordel









A Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte) é um dos eventos mais importantes do segmento de arte, na América Latina e conta com mais de 4,5 mil expositores. A Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (Fadire), é uma das participantes, e através do Curso de Design de Moda, a Instituição expõe criações dos próprios estudantes no evento.




Para a edição deste ano, os alunos estão criando uma coleção baseada na obra do cordelista Valdeck de Garanhuns. Os estudantes trabalham de forma intensa para conseguirem preparar todas as peças.





Rosimere Ortega, Coordenadora de Design, falou que os trabalhos são intensos e de muito aprendizado para os estudantes. “Como tudo na moda é muito volátil, já estamos finalizando outra coleção que representará a Fadire e a cidade de Santa Cruz do Capibaribe na Fenearte, onde homenageará o Cordelista Valdeck de Garanhuns, com vestidos trabalhados em rendas manuais, inspiradas nas obras do referido artista”, explicou.

Raquel Alves é natural da cidade de Poção, e faz o Curso de Design de Moda. Ela utiliza a renda Renascença produzida por uma comunidade de sua cidade, para incrementar as peças. “Eu estou utilizando essa renda na criação das peças, tanto em função divulgar melhor o trabalho das artesãs, como também agregar valor a coleção. Eu resolvi trazer essa renda para o curso, porque é uma das áreas que eu pretendo trabalhar futuramente”, relatou a estudante.


Leidiana Souza, juntamente com seu grupo, já desenvolveu a sua peça piloto e está ansiosa para ver sua peça pronta e exposta na Fenearte. “Para nós alunos do Curso de Design é importante porque nos coloca em contato direto com a prática. Em relação a Fenearte, nós vamos participar homenageando o Valdeck de Garanhuns, onde nós fomos pesquisar a sua arte em xilogravura. Assim, nós pudemos escolher tecidos que vão estar no auge na próxima estação, com cores que tenham a ver com a xilogravura feita pelo artista”, explicou.

Seminário fará mobilização pela aprovação do PLP 591

Fonte: FENACOM

Na próxima quarta-feira, dia 29, será realizado na Câmara dos Deputados Seminário Nacional de Mobilização pela aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 591/2010. A proposta altera a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.

Promovido pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados e pelas Frentes Parlamentares Mista da Micro e Pequena Empresa e em Defesa das Micro e Pequenas Empresas o evento terá por objetivo discutir e fazer com que o projeto seja aprovado pelo Plenário na mesma data.

O presidente da Fenacon, Valdir Pietrobon, afirma que o principal ponto a ser discutido é a elevação do limite para R$ 3,6 milhões ao ano. Ele afirma ainda que é fundamental a participação de todos do Sistema Fenacon no seminário para que o projeto seja aprovado. “É preciso que todos façam parte dessa discussão, pois a Lei Geral vai contribuir de forma significativa para o crescimento do País. E se for aprovado na próxima semana terá seus efeitos já valendo para o segundo semestre desse ano”, afirmou.

Informações:
Seminário Nacional de Mobilização pela aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 591/2010
Data: 29/06/2010

Horário: 14h

Local: Plenário 1, do Anexo II da Câmara dos Deputados

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Empresários de Santa Cruz do Capibaribe participarão da 23ª convenção do Comércio Lojista de Pernambuco



A 23ª Convenção do Comércio Lojista de Pernambuco, vai acontecer de 04 a 07 de agosto, no Cabo de Santo Agostinho. No encontro, muitas palestras são apresentadas para deixar o lojista cada vez mais antenado com o mundo dos negócios. Serão quatro dias intensos, onde empresários de todo estado estarão juntos debatendo temas pertinentes ao Movimento Lojista.

Você não pode ficar de fora desse importante evento. Entre em contato com a CDL, pelo telefone (81) 3731-2850 e faça a sua inscrição. As vagas serão limitadas e muitos empresários de Santa Cruz do Capibaribe já garantiram presença.

Comunicado CDL

O dia 23 (quinta-feira), feriado religioso de Corpus Christi, é ponto facultativo, cabendo a empresa abrir ou não, na quinta feira. No dia 24 (sexta-feira), dia de São João, é um feriado decretado pela Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Capibaribe, através da ementa de lei Municipal Nº 1.892/2010, que aprova a instituição dos feriados Municipais. Neste dia todas as empresas deverão fechar, podendo funcionar apenas as que estão com o Acordo Coletivo de Trabalho em dia. Caso funcionem sem o acordo, estas empresas estão sujeitas a multas.

A CDL Santa Cruz do Capibaribe comunica ainda que em virtude do feriado das festas juninas, nos dias 24 (sexta-feira) e 25 (sábado), a entidade estará fechada. Caso os lojistas precisem fazer alguma consulta pode ligar para o atendimento eletrônico em Recife, através do telefone (81) 3418-1122 ou fazer sua consulta via internet no site da CDL Santa Cruz do Capibaribe.

A CDL deseja a todos um São João de muita paz.

Artigo

A sua abordagem de vendas é atual?



Por: Evaldo Costa

Qual é a sua abordagem de venda? Esta adotando métodos modernos ou age da mesma forma que há dez anos atrás? O seu telefone celular é atual ou aquele modelo enorme que foi lançado em 1995, que a bateria pesava quase meio quilo? Você usa a internet e o SMS do seu celular para se comunicar ou continua recorrendo as cartas, bilhetes e memorandos? Pois saiba que não foram apenas os produtos, tecnologia e recursos de comunicação que se modernizaram, a abordagem de vendas também evoluiu enormemente e muitos vendedores ainda não se deram conta disso como deveriam.

A maioria dos vendedores (este não é o seu caso, é claro) aborda o cliente com algum conhecimento do produto, algumas perguntas para serem feitas, algum benefício para oferecer e alguns argumentos para superar possíveis objeções. Daí, se a venda não é realizada, boa parte deles, quase sempre, alega que a culpa é do cliente “que não sabe o que quer”. Seria essa uma afirmação verdadeira?

O que muitos não percebem, é que não basta ser mais ou menos. Ter um pouco de conhecimento das técnicas de vendas já não basta mais, é preciso ser excelente em todas as fases da negociação, especialmente na abordagem, que é o primeiro degrau na escalada do sucesso do vendedor. É bom lembrar que só se chega ao último degrau, quando se vence os degraus de baixo.

Para ter sucesso nos dias atuais, é necessário ter uma abordagem baseada no valor, diferenciação, personalização e customização, capaz de encantar os clientes. O problema é que para que isso ocorra, é necessário trabalhar duro no preparo do material e em sua aplicabilidade o que, normalmente, requer muita dedicação.

A minha experiência de mais de três décadas em vendas, revela que a maioria dos vendedores não estão dispostos a trabalhar duro para se preparar e tornar a venda mais fácil, eles preferem fazer o trabalho fácil que torna a venda mais difícil e depois culpar os clientes que não compram dele.

Para construir uma boa reputação, novas competências, e ampliar a sua rede de relacionamento, é preciso trabalhar duro e se preparar melhor do que os seus competidores. Para isso, você deve, no mínimo, se perguntar frequentemente:

§ Estou fazendo, como deveria, a minha lição de casa sobre os pontos fortes da empresa em que trabalho?

§ Pesquisei o suficiente sobre o cliente que irei abordar?

§ Estou bem preparado para lidar com as possíveis objeções?

§ Encontro-me muito bem preparado para falar do meu produto?

§ Detenho domínio dos produtos concorrentes?

§ Estou relaxado e confiante para abordar o cliente?

§ A minha pasta de trabalho está abastecida com cartão de visita, material informativo, tabela de preços, promoções e condições especiais de pagamento?

O vendedor de sucesso precisa estar bem preparado para lidar com as novas técnicas de abordagem. Necessita estar bem posicionado na internet e nas mídias sociais, a fim de servir como referência aos clientes.

Aquele que vence na profissão de vendas sabe que é preciso desenvolver constantemente novas habilidades, além de pensar a longo e não a curto prazo. Deve se convencer de que a velha maneira de vender já não funciona há muito tempo. É como dizia Brian Tracy: "A habilidade de disciplinar a si mesmo para adiar a gratificação de curto prazo, a fim de desfrutar de recompensas maiores a longo prazo, é o pré-requisito indispensável para o sucesso."

Pense nisso, ótimo dia e que Deus nos abençoe.

Evaldo Costa

Diretor do Instituto das Concessionárias do Brasil Escritor, consultor, conferencista e professor

Site:
www.evaldocosta.com

Blog:
http://evaldocosta.blogspot.com

E-mail:
evaldocosta@evaldocosta.com

Lei do Super Simples vai passar por alterações



Fonte: Jornal do Comércio
do Rio Grande do Sul
Foto: Gilmar Luís/JC




O Super Simples (LC 123/06) pode sofrer alterações com o projeto de lei complementar 591/10, que modifica a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Entre as mudanças, está a elevação do teto para ingresso no programa. Para o gerente de Políticas Públicas do Sebrae/RS, Alessandro Machado, o PL 591/10 tem pontos positivos, mas ele acredita que ainda precisa evoluir. Se aprovadas, as alterações deverão entrar em vigor no mês subsequente, com exceção da correção dos valores das tabelas do Simples Nacional, que vigerá a partir de janeiro de 2012, com os novos limites.

JC Contabilidade - O que muda efetivamente para as micro e pequenas empresas com o projeto de lei complementar 591/10?

Alessandro Machado -
A Lei Geral é uma legislação ampla que trata de diversos benefícios para as micro e pequenas empresas, que vão além do tratamento tributário diferenciado. É uma lei abrangente que prevê tratamento favorecido para os pequenos negócios nas compras governamentais, na desburocratização, no acesso, acredito, à tecnologia, nos meios de resolução de conflitos, entre outros temas.

Contabilidade - Cite alguns dos principais pontos.

Machado -
Atualização automática, a partir de 2010, dos valores monetários citados na lei, que serão atualizados pelo INPC (variação de 2009 a 2010);
- Aumento da receita da microempresa de R$ 240 mil para R$ 360 mil;
- Aumento do intervalo de receita da empresa de pequeno porte, passando de maior de R$ 240 mil e menor de R$ 2,4 milhões para maior de R$ 360 mil e menor de R$ 3,6 milhões. O projeto também permite às cooperativas optarem pelo Simples Nacional.

Contabilidade - Quais as alterações previstas para quem se cadastrou no Empreendedor Individual?

Machado -
Correção do enquadramento com o aumento da receita, passando de R$ 36 mil para R$ 48 mil e também a facilidade na abertura, registro e baixa do Empreendedor Individual.

Contabilidade - O que está previsto em relação aos parcelamentos?

Machado
- Criação do parcelamento automático do Simples Nacional (CGSN):
a) Três meses consecutivos de inadimplência enseja o parcelamento automático.
b) Máximo de três parcelamentos cumulativos por empresa.
c) Abatimento dos gastos com a aquisição do emissor de cupom fiscal.
O optante pelo Simples Nacional poderá abater do valor apurado devido 100% do valor pago na compra de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF);
- Redução do depósito prévio para a interposição de recursos perante a Justiça do Trabalho: pPara o EI em 100%; b) para a ME em 75% e c) para a EPP em 50%.

Contabilidade - Quais os aspectos positivos e negativos da nova proposta aos micro e pequenos empresários?

Machado -
O PLC 591/10 aborda pontos que precisam evoluir, como a atualização automática dos valores do Simples. Há ainda outras questões que precisam ser tratadas, como a cobrança abusiva, através da substituição tributária, pois isso está tirando a competitividade do segmento que representa 98,2% das empresas brasileiras e gera a maioria dos empregos no País. Não vejo pontos negativos para as MPEs no projeto.

Contabilidade - Qual a avaliação do Sebrae em relação a benefícios como a isenção de impostos para pequenos empresários exportadores, bem como as taxas de alvará?

Machado -
Pela proposta, as pequenas empresas poderiam exportar até o dobro do limite de enquadramento no Simples sem precisar incluir esse valor no faturamento para fins de tributação. É uma grande medida para incentivar a exportação, sem implicar o desenquadramento dessas empresas no Simples Nacional e, por consequência, aumento da tributação. Quanto mais desonerarmos as pequenas empresas, mais recursos serão investidos na compra de matérias-primas, na produção, na comercialização e na geração de novos empregos. Ao contrário, quanto mais onerarmos a carga dos pequenos negócios, maior será o aumento da informalidade do País, que hoje já atinge 10 milhões de empreendimentos.

Contabilidade - O Super Simples foi uma boa saída para os empresários?

Machado -
Em maio de 2011, o Simples Nacional completou a significativa marca de 5 milhões de microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo regime. Quando entrou em vigor em julho de 2007, migraram do então Simples Federal 1.337 milhão de empresas. Não podemos afirmar que é um regime perfeito, mas podemos dizer que foi um grande avanço para as pequenas empresas do País e que, a cada ano, aumenta o número de optantes.

Sistema CNDL alerta para uma nova fraude na praça

O Movimento Lojista Nacional está alertando a toda sociedade sobre um novo golpe que está sendo dado. A Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), através das CDLs de todo Brasil está fazendo o alerta da fraude.

O golpe acontece da seguinte forma: Pessoa recebe uma correspondência, onde a mesma é convidada a realizar um novo cadastro na Receita Federal, inclusive colocando dados bancários. Na carta, é posto que nenhuma agência da Receita Federal está fazendo o cadastramento, sendo todo atendimento feito a partir de um endereço eletrônico.

Fique atento, e caso receba a carta desconsidere imediatamente sem acessar o site. A CDL está do seu lado para fortalecer você.

Orquestra Sanfônica dos 8 Baixos tem agenda lotada neste São João



O São João do Nordeste é pura alegria e oportunidade para muitos. É nesta época onde a cultura maior da região é vista por todos os ângulos. O autêntico forró pé de serra ganha as ruas e festejos nos mais distintos lugares. Uma tradição centenária, a sanfona de 8 baixos, tem ganhado espaço em todos os arraias da região. No Nordeste apenas um grupo consegue manter a tradição. É a Orquestra Sanfônica dos 8 Baixos, de Santa Cruz do Capibaribe, em pleno Agreste pernambucano.

O grupo é composto por 15 pessoas. São 10 sanfoneiros, quatro instrumentistas e o produtor, Gil Geraldo que volta a comandar a Orquestra depois de um tempo afastado. “Voltar a Orquestra é gratificante. Gosto de trabalhar com manifestações culturais, e a Orquestra Sanfônica tem levado o nome de Santa Cruz do Capibaribe de forma muito positiva. E viajar por este estado maravilhoso conhecendo, valorizando e mostrando sua cultura é o que sempre sonhei pra minha vida”, disse o produtor.

Neste São João, a Orquestra vem se apresentando em várias cidades do Estado. Uma agenda lotada que tem o apoio do Secretário de Cultura de Pernambuco, Fernando Duarte e do Diretor de Cultura de Santa Cruz do Capibaribe, Jota Oliveira. No próximo dia 23, a Orquestra vai se apresentar em São Lourenço da Mata, 25 em Santa Cruz da Baixa Verde, 28 sobe ao palco principal de Caruaru e no dia 29 em Carnaíba. Além de todas essas apresentações, alguns músicos se apresentam individualmente em outras cidades.

Frente e comissão querem ampliar limites do Supersimples

Fonte: Agência Câmara

A Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa e a Comissão de Finanças e Tributação devem ir ao Colégio de Líderes na próxima semana (quarta-feira, 29) para pedir a votação imediata em Plenário do projeto de lei complementar (PLP 591/10) que reajusta em 50% as faixas e os limites de enquadramento no Supersimples, sistema simplificado de pagamento de impostos para as pequenas empresas.

O coordenador da frente, deputado Pepe Vargas (PT-RS), informou que alguns estados já concordam com a modificação do atual sistema de pagamento do ICMS por substituição tributária, que concentra o pagamento do imposto em apenas um elo da cadeia produtiva. Apesar de inibir fraudes, o sistema onera as pequenas empresas.

Na avaliação de Pepe Vargas, devem ser incluídos na proposta em discussão os critérios definidores dos produtos que poderão ser submetidos à cobrança de substituição tributária, e ser remetidas para o Conselho Fazendário Nacional a regulamentação da pauta desses produtos e a margem de valor agregado sobre a qual se aplicam as alíquotas.

Energia e automóveis
Segundo o deputado, haveria um prazo para a regulamentação da medida. Se ela não fosse regulamentada, a substituição tributária passaria a valer automaticamente apenas para os setores concentrados e de comercialização pulverizada como energia elétrica e automóveis.

Pepe Vargas afirma que o reajuste dos limites - que elevaria de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões o teto de faturamento anual para uma empresa ser considerada de pequeno porte - é uma medida de longo prazo.

"A medida recuperaria a inflação de 2006 até agora e jogaria para frente uma inflação futura projetada até o ano de 2014”, diz o parlamentar. “Isso significa que a gente não voltaria mais a falar em reajustamento dos limites do Simples até 2015."

O projeto de lei complementar ainda permite o parcelamento de dívidas com o Simples e inclui profissionais liberais no sistema.

Reportagem - Sílvia Mugnatto/Rádio Câmara

FGV: 36% das indústrias investem para elevar produção

Fonte: Agência Estado

A expansão da capacidade produtiva é o principal motivo para a realização de investimentos produtivos em 2011, segundo 36% das empresas de transformação ouvidas na Sondagem de Investimentos da Indústria da Transformação. O levantamento, divulgado hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é um recorte especial da Sondagem Conjuntural da Indústria da Transformação, que consultou 812 empresas entre os meses de abril e maio.

De acordo com a FGV, nos anos em que há intenção de ampliar a capacidade produtiva, as taxas de investimento da indústria costumam ser relativamente maiores. Desde 1998, a expansão de capacidade foi o objetivo mais citado para os investimentos em apenas quatro edições: 2007, 2008, 2010 e 2011. Em 2010, a proporção de empresas prevendo investir prioritariamente na expansão de capacidade havia sido de 40%.

O segundo motivo mais citado para a realização de investimentos produtivos em 2011 foi o aumento da eficiência produtiva, apontado por 33% das empresas, ante os 28% registrados em 2010. Já a indicação de substituição de máquinas e/ou equipamentos foi citada por 15% das indústrias, ante 18% em 2010. A proporção de indústrias de transformação que declara estar sem programa de investimento foi de 16% em 2011, ante 14% em 2010.

O porcentual de empresas que apontaram alguma dificuldade para realizar investimentos em capital fixo manteve-se idêntico ao do ano passado, em 33% do montante total. O principal fator inibidor de investimentos foi a carga tributária elevada, apontada por 42% das empresas, um aumento de 16 pontos porcentuais em relação ao resultado de 2010.

A limitação de recursos próprios foi citada por 34% das empresas como a razão inibidora de investimentos, número inferior aos 42% registrados em 2010. Para 33% das indústrias entrevistadas, o custo de financiamento foi o principal fator para não investirem. Já a limitação de crédito foi indicada por 24% das empresas como inibidora de investimentos, uma diminuição de 2 pontos porcentuais em relação ao ano passado, enquanto o item incertezas acerca da demanda foi citado por 19% dos entrevistados.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Comércio pede novas regras para cartões



Fonte: Jornal do Commércio

A Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) quer que o Banco Central (BC) apoie uma nova rodada de regulação para estimular a competição no setor de cartões e baratear os custos atualmente cobrados do varejo. Segundo o presidente da entidade, Roque Pellizzaro Junior, as medidas adotadas no ano passado para fomentar a concorrência tiveram impacto reduzido nos preços cobrados pela indústria de cartões e, por isso, é preciso avançar mais.

Pellizzaro informou que levou ao BC propostas que poderão ser encaminhadas ao Congresso para alterar a legislação vigente e ampliar a concorrência nos cartões. Uma das ideias, que esbarra na resistência dos órgãos de defesa do consumidor, é permitir a cobrança diferenciada entre compras em dinheiro e no cartão. Se isso puder ocorrer, entende o lojista, os cartões reduziriam as taxas cobradas dos comerciantes.

A CNDL também defende alterações na legislação dos cheques. A entidade quer, por exemplo, que o pré-datado seja regulamentado. Atualmente, essa modalidade de pagamento vive em um limbo jurídico, pois formalmente ela não existe. Dessa forma, avalia, se daria mais segurança para o cidadão que usar esse recurso, já que os bancos poderiam recusar cheque antes da data apontada para depósito, e aumentaria a segurança jurídica em operações de crédito vinculadas a esse recebível. “O cheque pré-datado é um fator importante de concorrência com os cartões”, disse.

DATAS
Outra questão que os lojistas querem resolver refere-se às datas de emissão de cheques. Segundo Pellizzaro, todo início de ano os lojistas têm problemas por conta de preenchimento com data do ano anterior, que faz o cheque não ter valor. O dirigente da CNDL destaca que incentivar o uso de cheque e dinheiro nas compras é o melhor caminho para que as taxas cobradas pelas administradoras de cartão sejam efetivamente reduzidas. Outra ideia apresentada pela entidade ao BC é permitir o parcelamento de compras no cartão de débito, em um modelo bem parecido com o que funciona hoje com o pré-datado.

Números divulgados pelo BC mostram que ano após ano o uso de cheques pelos clientes bancários tem se reduzido, enquanto a utilização de cartões tem crescido e em velocidade significativa. Segundo a autoridade monetária, em 2010 houve queda de 7,1% no uso de cheques, em comparação com 2009. Enquanto isso, os pagamentos com cartões subiram 23% e o estoque de papel-moeda com a população (que indica maior uso de dinheiro em transações, especialmente de pequeno valor) cresceu 17%. No total, segundo o BC, a quantidade total de pagamentos envolvendo clientes bancários em 2010 cresceu 19% em relação ao ano anterior.

Fabricantes de roupas pedem fim do teto para o Simples

Fonte: Jornal do Comércio
do Rio Grande do Sul

As indústrias de confecção e vestuário vão pedir amanhã à presidente Dilma Rousseff o fim do teto de faturamento para a inclusão das empresas do setor no Simples Nacional pelo prazo de 25 a 30 anos. É a primeira vez que um pleito desse tipo é encaminhado no País. Caso seja aceita a proposta, entre 85% e 90% das indústrias do setor têxtil do País serão beneficiadas. A intenção é reforçar as condições de produção dos brasileiros, que sofrem com a concorrência de produtos importados (especialmente asiáticos), o custo-Brasil, a guerra fiscal entre os estados e a valorização cambial. A estratégia foi apresentada ontem durante o Salão Moda Brasil, em São Paulo. Em 2010, o setor têxtil movimentou US$ 52 bilhões no País.

De acordo com o conselheiro da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) e diretor-executivo do Programa TexBrasil, Rafael Cervone Netto, a medida pode reduzir também a disputa entre empresas enquadradas em regimes fiscais diferenciados. Os dados da entidade apontam que 85% das fábricas de confecção e vestuário já se encontram enquadradas no Simples e 15% poderiam se integrar ao sistema tributário simplificado. "Além disso, vamos reforçar à presidente Dilma a defesa da desoneração da folha de pagamentos, diminuindo assim o custo de produção no País", diz.

A indústria de confecções e vestuário está distribuída em praticamente todas as cidades brasileiras e se caracteriza por pequenas e médias unidades de produção. Segundo o presidente do Sindicato da Indústria do Vestuário de São Paulo (Sindivestuário), Ronald Masijah, o limite de faturamento do Simples impede que as fábricas tenham condições de atender às encomendas das grandes redes varejistas, que preferem concentrar seus pedidos em poucas empresas para facilitar a logística e o controle de qualidade. "Com isso, o varejo acaba precisando buscar outros países especialmente os asiáticos, para viabilizar seus volumes de produção", explica.

Masijah diz que a medida deve ter também um impacto alto em geração de empregos. O segmento é o segundo maior empregador entre os diversos setores industriais, perdendo apenas para alimentação e bebidas. Três quartos da mão de obra das fábricas são feminina. No entanto, o industrial reclama dos custos de contratação dos trabalhadores, cuja redução é prioridade já apontada também por Cervone. Estimativas mostram que R$ 10 milhões de alta no faturamento representam a criação de 1,4 mil vagas de trabalho. Por trás da mobilização do setor está a invasão de produtos importados a preços muito baixos. A triangulação e o subfaturamento são duas práticas ilegais correntes que impactam os negócios no Brasil. Recentemente, foi constatada a oferta do quilo de lingerie entregue em São Paulo a US$ 0,01, evidenciando claramente o subfaturamento. No entanto, nem sempre é fácil ter acesso a dados que revelam a prática.

O mesmo ocorre com a triangulação, quando o produto passa por outro país antes de chegar ao Brasil, buscando assim evitar nações com sanções ou gozar de benefícios especiais como os do Mercosul. Cervone diz que a falta de acesso a informações é o principal problema neste caso. Nem mesmo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) tem acesso aos registros da Receita Federal. Por isso, a Abit pede a abertura dos dados dos importadores para flagrar irregularidades. "A China aponta a venda de 70 mil toneladas de têxteis para o Brasil em 2010, mas, segundo a Receita, apenas metade chegou aqui. O restante se perdeu por descaminhos", constata. Isso ocorre, provavelmente, no momento do desembaraço alfandegário da mercadoria.

Por isso, a entidade defende que isso possa ocorrer somente em quatro portos. A variação do real é outro fator que dificulta os negócios da indústria têxtil. Masijah, do sindicato dos fabricantes paulistas, calcula que a diferença cambial eleva em 40% o preço do produto brasileiro em comparação ao importado. "Já praticamos um Imposto de Importação de 35%, o mais alto permitido pela OMC, e isso quase não faz diferença porque se perde em função do câmbio", afirma. Além disso, há ainda a guerra fiscal entre estados, que reduzem tanto o ICMS para a produção local quanto incentivam a importação por seus portos.

Sustentabilidade e respeito às normas favorecem o mercado brasileiro


Mesmo com as dificuldades enfrentadas pelo setor têxtil brasileiro, a terceira edição do Salão Moda Brasil, que começou no domingo e se encerra hoje em São Paulo, projeta elevar seu volume de negócios e fechar a edição com R$ 300 milhões em negócios, cerca de 8% acima do registrado em 2010. O resultado é possível, segundo Ana Flôres, diretora da New Stage, organizadora do evento, em função da qualidade e da inovação que marcam o produto brasileiro. "Muitos compradores estrangeiros já não se importam em pagar um pouco mais por um item diferenciado", diz.

Nesse cálculo, entram aspectos como a produção sustentável e o respeito às normas trabalhistas, que não são vinculados à produção asiática. "Além disso, o Brasil possui todo o know-how da cadeia, desde a produção das fibras até o produto acabado", completa o conselheiro da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) Rafael Cervone Netto. Além disso, o executivo identifica uma alteração logística mundial. "Os compradores estão revendo suas estratégias de compra, buscando pontos de produção mais próximos dos locais de consumo", diz. Nesse cenário, o mercado aquecido dos emergentes acaba favorecendo o Brasil.

Festas Juninas aquecem vendas do varejo e indústria

Fonte: CNDL

Nesta época do ano, vale a criatividade para o varejo conquistar consumidores que curtem os produtos feitos sob medida para as Festas Juninas. A rede Walmart, por exemplo, promove em suas lojas a marca própria Bom Preço estimulando a venda de produtos sazonais, como pipoca de micro-ondas, farofa, polenta, canjica, vinho e cachaça. Em relação ao ano passado, a expectativa da empresa é de que haja um crescimento de 25% nas vendas de alimentos e bebidas típicos do período.

Já a rede Assaí, do Grupo Pão de Açúcar, reforçou os estoques para garantir um sortimento completo para o momento. Para este mês, o Assaí espera alavancar em 40% as vendas dos itens sazonais. “Nossa proposta é ser o estoque da pequena empresa, no qual ela pode fazer a reposição diária de suas vendas sem a necessidade de comprar para longos períodos, bem como proporcionar significativa economia ao consumidor final”, destaca Belmiro Gomes, diretor de autosserviço do Grupo Pão de Açúcar.

A fabricante Yoki Alimentos também se preparou para as festividades e ensina crianças, jovens e adultos a montar uma Festa Junina. Para isso, a empresa levou seu tradicional arraial para o universo on-line, com pipoca, paçoca, pé de moleque, deliciosas receitas, simpatias lúdicas, jogos, correio elegante e muitas outras novidades no Facebook, Orkut, Twitter, YouTube e Flickr, além do novo site oficial, que traz novas seções. Por exemplo, no Facebook tem a Calculadora de Festa Junina, que ajuda a montar um arraial, seja na escola, igreja ou para receber os amigos em casa ou no apartamento.

São João do Nordeste: mercado da moda é aquecido com a chegada dos festejos juninos



Foto extraída do Blog do Paullo Marinho



Uma festa centenária que teve origem na Europa e foi trazida ao Brasil pelos colonizadores portugueses na época do império. A cultura dos festejos juninos é uma hibridização cultural de muitos países, mas, que no Brasil tudo foi adaptado a cultura local. São fogos, dança, comidas típicas, roupas estravagantes e bem acabadas. Tudo isso reflete nos costumes dos povos que chegavam ao Brasil. A dança foi influência da França e adaptada a cada recanto do país. Nos quatro cantos do Brasil, o São João é comemorado e traz consigo o consumo em todos os segmentos. No entanto, é na moda onde o consumo aumenta, em decorrência das festas populares. Na Região Nordeste, o São João tem uma expressividade muito grande, pois a cultura de homenagear os santos do ciclo junino é muito forte na região.


Nordeste torna-se em um grande “arraiá”


Quem se aventurar nestas festas, certamente vai deparar-se com uma multiculturalidade muito grande. Praticamente em todas as cidades nordestinas, o São João é festejado em todo mês de junho. No eixo Caruaru-PE, Capina Grande-PB, o público se divide nas cidades que comemoram o maior São João do mundo. É nesse eixo onde os palcos tornam-se uma grande passarela de moda. As pessoas vestem-se como podem, mas como a moda é muito eclética, o bom gosto de cada um é atendido, de acordo com o seu bolso.


O mês junino é considerado pelos comerciantes como uma das datas comemorativas mais expressivas para a economia. Alguns até chamam os festejos juninos de “a boa época”. Neste eixo entre os dois estados, além do maior São João do mundo, o turismo junino se confunde com o turismo de negócios, pois é exatamente entre as duas cidades, onde se encontra o Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco. Considerado o segundo maior Polo de Confecções do Brasil, as cidades que compõem este Polo, Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, produzem moda com qualidade e preço acessível a todos os gostos. A economia regional, que já é bastante aquecida, ganha um fôlego maior com a chegada do mês junino.


Aquecimento da economia


Os lojistas da região esperam um incremento em torno dos 10% em vendas. Esses números são confirmados em todo Brasil, pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) que prevê crescimento de 10% nas vendas do varejo. A projeção é maior que a variação verificada na passagem de 2009 para 2010, quando as vendas do comércio registraram alta de 7,23%, segundo números do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).



A CDL de Santa Cruz do Capibaribe, cidade inserida no Polo, espera um aumento nas vendas para o São João, de 8% a 10%. "Os festejos juninos, aliado ao dia dos namorados é de grande importância para as empresas da região, esperamos um incremento nas vendas, principalmente para podermos recuperar um pouco do baixo desempenho deste primeiro semestre, em Pernambuco espera-se um aumento entre 8% a 10% nas vendas", ressaltou Fábio Lopes, presidente da CDL.


A economia no período junino ganha uma dinamicidade tão grande que tudo se torna grandioso. A oferta de trabalhos temporários aumenta, o fluxo de turistas triplica e o mercado hoteleiro, assim como todos os outros segmentos de serviços cresce consideravelmente. São inúmeras renovações.

A costureira Maria da Graça Ferreira, enxerga no São João uma oportunidade de ganhar um pouco a mais. Ela é confeccionista e quando se aproxima o mês de junho, a costureira inova em sua produção. “Todos os anos eu produzo bem mais. Este ano eu além de aumentar a minha produção, eu implementei e comecei a fazer vestidos, pois nesta época, a venda de vestidos estampados é muito grande e eu sempre aproveito o São João para ganhar mais dinheiro”, explicou a costureira.


Seja ganhando dinheiro, ou se divertindo, o São João favorece a todo mundo que arrisca cair na folia dos festejos juninos. O que não pode é deixar de entrar na moda e arrastar o pé.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

As inscrições para os cursos do Projeto Uniagreste começam hoje




O Projeto Uniagreste do SENAI, lançando em Santa Cruz do Capibaribe na última quinta-feira (16), começa a receber inscrições a partir de hoje. São 22 cursos, todos voltados para a necessidade local.

O projeto faz parte de uma parceria do SENAI com a CDL local, a Associação Empresarial (ASCAP), Associação dos Contabilistas (Ascont), SEBRAE, Centro de Ensino Superior (CESAC), empresa Tintas Quimilson, Moda Center, além do apoio do Banco do Brasil.

As inscrições estão sendo feitas na sede do SENAI (3705-1767), CDL (3731-2850), ASCAP (3731-2818) e no Departamento de RH do Moda Center (3759-1024), ao preço de 40 reais. Os interessados devem ter acima dos 16 anos e comparecerem munidos de RG e CPF.

Confira a lista dos cursos oferecidos:

Área de Gestão
Organização de Estoques
Técnicas de vendas
Telemarketing
Contabilidade na prática
Desenvolvimento de Líderes
Gestão e Representação Comercial
Relações Humanas nas Organizações
Qualidade no atendimento público
Qualidade no atendimento em hotéis
Rapport – criando uma relação de confiança entre clientes e vendedores
Técnicas para encarregados de produção

Área de Vestuário
Técnicas de vitrines temáticas
Comportamento do Consumidor
Gestão estratégica de Design na empresa
Trend Hunter – Caçadores de Tendências na moda
Adaptação de modelagem de peças íntimas
Noções de manutenção de máquinas para costura
Noções de estamparia no Corel Draw

Área diversa
Boas práticas para serviço de alimentação
Serviços de garçom
Segurança do trabalho: formação e aperfeiçoamento de membros da CIPA
Eficiência energética: Dicas para redução do desperdício de energia na empresa

Comissão vai fiscalizar abusos de operadoras de cartões de crédito



Fonte: Agência Câmara

A Comissão de Defesa do Consumidor criou um grupo de trabalho para fiscalizar abusos cometidos pelas operadoras de cartões de crédito, bem como analisar as medidas que estão sendo tomadas pelo Banco Central e pelos ministérios da Justiça e da Fazenda para controlar o setor.

A criação do grupo integra relatório do deputado Roberto Santiago (PV-SP) sobre Proposta de Fiscalização e Controle (PFC 10/03), aprovada pela comissão na quarta-feira (15).

Em discussão desde 2003, a proposta visava saber como o governo federal está controlando a atuação das empresas de cartão de crédito. Apesar de, nesses oito anos, os órgãos do Poder Executivo responsáveis pela regulação do setor terem enviado informações à Comissão de Defesa do Consumidor e criado novos limites para as operações de crédito, o deputado Roberto Santiago considera que ainda há pendências.

Santiago cita o entendimento do Banco Central de que operadoras de cartões de crédito não ligadas a bancos não são instituições financeiras e, portanto, ficam fora da esfera de fiscalização do órgão. O deputado lembra, no entanto, que o Superior Tribunal de Justiça já editou uma súmula em sentido contrário (Súmula 283).

"Hoje os supermercados estão lançando cartão de crédito e não estão sujeitos à fiscalização”, observa o parlamentar. “Eles vendem a comida, financiam as compras, e os juros custam 568% ao ano dos cartões de crédito de supermercados que não têm a bandeira oficial dos bancos."

O relatório de Roberto Santiago gerou bastante polêmica e acabou aprovado por margem estreita, de 10 votos a 9.

Avanços
Autor de um voto em separado sobre o tema, o deputado Vilalba (PRB-PE) considera que o Poder Executivo já tomou e continua tomando as medidas necessárias para regular o setor de cartões de crédito. "Nós não podemos pegar um problema de 2003 e querer trazer para agora, 2011, como se não tivesse acontecido nada. Houve avanços."

O parecer aprovado será encaminhado ao Ministério Público, para que também verifique a atuação do Poder Executivo quanto à regulação e fiscalização do setor de crédito.

Comunicado

A CDL Santa Cruz do Capibaribe comunica aos associados e lojistas em geral, que em virtude do feriado das festas juninas, nos dias 24 (sexta-feira) e 25 (sábado), a entidade estará fechada. Caso os lojistas precisem fazer alguma consulta pode ligar para o atendimento eletrônico em Recife, através do telefone (81) 3418-1122 ou fazer sua consulta via internet no site do SPC.

A CDL deseja a todos um São João de muita paz.

Santa Cruz do Capiabribe sedia Seminário de Educação Cristã



E-Commerce: Segmento atrai empreendedor jovem

Fonte: Fenacom

Luciano Huck, apresentador da Rede Globo, diz que comprou 5% do Peixe Urbano, seis meses atrás, "porque é uma revolução no e-commerce, um site onde todos saem ganhando". E, "além disso, gosto muito dos fundadores".



A imagem que cerca o setor de compras coletivas no Brasil reflete aquela dos empreendedores de internet dos EUA. Julio Vasconcellos, 30, fundou o Peixe Urbano ao lado de Emerson Andrade e Alex Tabor depois de se encontrarem, os três, na Universidade de Stanford.



Vasconcellos passou cinco anos na Califórnia, parte deles trabalhando no Facebook, em Palo Alto, até voltar em 2010, como representante da rede social. "Mas eu queria empreender."



Até pelas relações formadas no Vale do Silício, acabou trazendo 15 americanos, parte deles engenheiros. "Recrutei amigos. Algumas capacitações são mais difíceis de encontrar aqui."
Foi também o que o aproximou de Huck. "O principal, ao trazê-lo para a sociedade, foi o conhecimento estratégico. Antes da televisão, ele foi empreendedor bem-sucedido, agrega muito."



Vasconcellos diz ter deixado de assistir TV há tempos e que se informa por e-mail ou pelo iPhone, em sites. Flamenguista, joga futebol semanalmente com os colegas.
O alemão Florian Otto, 31, presidente do Groupon no Brasil, mas médico de formação, vai pela mesma linha ao relatar sua trajetória até se estabelecer no país.



"Ninguém vai acreditar, mas existem também "geeks" [aficionados por tecnologia] entre os médicos. Por isso procurei um modelo de negócio na internet e fundei o Groupon no país."
Nascido em Bremen e formado em Freiburg, na Alemanha, ele veio ao Brasil pela primeira vez em 2004, como intercambista de medicina.



"Viajei por dois meses como mochileiro no país e trabalhei por um mês num hospital em Salvador. Foi então que me aproximei e entendi que o Brasil é muito mais do que Carnaval, futebol e churrasco. Entre 2004 e 2008, fiz, a cada ano, alguns meses de serviço social em hospitais públicos como cirurgião."



Apesar da concorrência por vezes agressiva no mercado em formação, os líderes das duas maiores empresas de compras coletivas, Groupon (2,5 milhões de visitantes) e Peixe Urbano (2,1 milhões), se encontram de tempos em tempos e são elogiosos um ao outro.
"O relacionamento de todo mundo é calmo", diz Vasconcellos.



Henrique Iwamoto, 33, do espanhol Groupalia, tem perfil um pouco diverso. Engenheiro mecânico, é veterano da internet brasileira, com dez anos no site Submarino.
Ele diz que "o Brasil é muito desenvolvido em internet, com um grande repertório de sites", e evita falar da concorrência. "A gente tem uma linha de trabalho de olhar pouco para o lado", afirma.

BOAS IDEIAS


Luciano Huck, depois do primeiro investimento, diz que pode realizar outras incursões em mídia e tecnologia. "Estou sempre pronto a ouvir boas ideias."
Ele continua "100% focado na televisão", mas tem um fundo pessoal de investimento. "Prefiro investir na cadeia produtiva, gerando empregos, gerando valor e produzindo, a deixar meu dinheiro em mercados, fundos etc.". (NELSON DE SÁ)