Topo

Topo

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Fórum Permanente das MPEs aprova plano de trabalho 2012

Fonte: CNDL

O Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) realizou, nos dias 8 e 9 de fevereiro, na Confederação Nacional do Comércio (CNC), a 13ª Reunião Ordinária dos Comitês Temáticos e do Grupo de Assessoramento Técnico. Neste primeiro encontro do ano, estiveram representadas mais de sessenta entidades e instituições dos setores público e privado. Mais de cem pessoas, entre empresários, lideranças representativas e autoridades relacionados ao segmento das micro e pequenas empresas participaram da reunião.

O ponto alto do encontro foi a aprovação do plano de trabalho para 2012, incorporando uma nova dinâmica de atuação para os comitês temáticos de compras governamentais; investimento e financiamento; comércio exterior; desoneração e desburocratização; rede de disseminação; informação e capacitação; e de tecnologia e inovação.
Nova dinâmica
O Fórum Permanente inaugurou uma nova metodologia de planejamento estratégico e do trabalho de atuação dos coordenadores e dos comitês temáticos. De acordo com o diretor do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas da Secretaria de Comércio e de Serviços (SCS) do MDIC, Sergio Nunes de Souza, o novo programa permitirá um maior engajamento das Instituições habilitadas do Fórum, com mais dinamismo e foco na busca de resultados concretos e efetivos para as MPE’s.

“A nova forma de trabalho permitirá dar mais qualidade às discussões e proporcionará um acompanhamento sistemático das ações que vem sendo feitas em prol do segmento. Com isso, as atividades de cada Comitê Temático serão caracterizadas por uma nova dinâmica de trabalho que potencializará a contribuição de cada integrante do Fórum ao processo de desenvolvimento e fortalecimento do empresário da micro e pequena empresa brasileira”, afirmou Nunes.

Na reunião, foram discutidos também outros temas relevantes para o segmento como a cédula de crédito, o cadastro positivo, as tarifas e custos de cartão de crédito, os fundos garantidores, a estruturação de uma rede de disseminação de informação para MPEs, a simplificação do acesso das MPEs à justiça, a contabilidade simplificada, a fiscalização orientadora, o ponto eletrônico, a lei de licitações, as compras governamentais, além de assuntos como inovação, Drawback, Programa de Financiamento às Exportações (Proex), redução dos documentos exigidos pelas instituições financeiras para análise de crédito das MPEs, dentre outros.

Nenhum comentário: