Topo

Topo

quarta-feira, 31 de julho de 2013

CDL Santa Cruz do Capibaribe reúne SEBRAE e Poder Público em prol da revitalização do centro


Um projeto pioneiro no Estado de Pernambuco. A CDL Santa Cruz do Capibaribe reuniu na manhã desta terça-feira (30), representantes do SEBRAE Pernambuco na pessoa da gerente da unidade do SEBRAE de Caruaru, Débora Florêncio e do Coordenador de Projetos do Departamento de Comércio e Serviços do SEBRAE, Gilson Gonçalves.

A reunião teve como objetivo a apresentação de um projeto elaborado pelo SEBRAE, onde na oportunidade o mesmo foi demonstrado ao presidente da CDL, Fábio Lopes, que convidou o Poder Público municipal, representado pelos Secretários de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, Bruno Bezerra, de Mobilidade Urbana, José Cueca e de Planejamento, Luciano Bezerra.

Os objetivos da revitalização são de aumentar a competitividade dos empreendimentos situados no local a ser revitalizado, de modo que traga para o mesmo, as características de shopping center, capaz de atrair e influenciar consumidores, aumentando a competitividade e atratividade do espaço, além de aumentar a percepção de valos dos negócios que são comercializados na rua revitalizada e promover o aumento de renda e geração de empregos.

Para o presidente da CDL, a entidade tem muito boa vontade em contribuir para o desenvolvimento da cidade, e a revitalização de ruas comerciais dará uma maior visibilidade tanto para o comércio como para a cidade como um todo.

A diretora do SEBRAE, Débora Florêncio, falou que esse projeto de revitalização só foi implantado no Sul do País, e que o SEBRAE tem interesse sim em auxiliar na implantação do projeto em Santa Cruz do Capibaribe, desde que haja empenho das partes envolvidas.


Bruno Bezerra ressaltou que o projeto é de fundamental importância, e que o que estiver ao alcance da secretaria de Desenvolvimento Econômico, tudo será viabilizado. A CDL deverá identificar empresários de uma determinada rua, onde será desenvolvido o projeto, onde a mesma será utilizada como modelo para as demais. O projeto deve acontecer nos moldes de parceria entre o público e o privado.

Empresários brasileiros irão participar da Missão Clube de Compras do Setor Têxtil no Peru

Empresários do setor têxtil para participar de uma missão empresarial para o Peru. A iniciativa é da CDL de Belo Horizonte e do SEBRAE-MG que estendeu o convite a empresários do Polo de Confecções de Pernambuco, tendo em vista os empresários de Santa Cruz do Capibaribe, ligados ao setor têxtil, através da Câmara Setorial de Atacadistas Têxteis da CDL Santa Cruz do Capibaribe. Empresários da cidade já estão confirmando presença.

A missão tem como objetivo principal visitar e negociar com empresas peruanas do setor têxtil que configuram como novo fenômeno de expansão empresarial do setor de confecções no país. A missão vai acontecer de 15 a 19 de setembro. O governo do Peru projeta o país ao nível de exportador mundial, permitindo a competição com os tradicionais mercados produtores da Ásia como China, Bangladesh e Indonésia.

Os empresários para a missão terão a oportunidade de conhecer as instalações dos polos de produção em Lima, visitando empresas de destaque, além de participar de um evento com mais de 150 empresas locais previamente selecionadas, com apoio direto do governo federal do Peru, incluindo desfiles de moda e rodadas de negócios exclusivo para o grupo.

Todos os participantes da missão terão uma agenda de reuniões customizadas conforme área e produtos de interesse. Os fornecedores estarão divididos em 4 áreas distintas:

1. Insumos têxteis: tecidos de malha de ponto e planos em algodão;
2. Têxteis especiais: Cama, Mesa, Banho e decoração;
3. Confecções 1: produtos acabados para revenda;
4. Confecções 2: produtos de moda customizado.

Antes da viagem haverá uma reunião técnica no Brasil para alinhamento e inicio dos trabalhos.

Mais informações, entre em contato com a CDL Santa Cruz do Capibaribe: (81) 3731-2850

Veja toda programação.































Veja vídeo de missões já realizadas por empresários brasileiros ao Peru.

Cadastro positivo começa a valer a partir de quinta-feira

Fonte: Zero Hora

Com a promessa de transformar as relações de crédito, entra em vigor nesta quinta-feira no país o cadastro positivo. Diferente dos sistemas atuais, que reúnem os nomes de maus pagadores, o novo banco de dados registrará também quem paga as contas em dia.
A ideia da proposta é de que quem aceitar integrar este cadastro positivo de bom pagador possa negociar, na busca de crédito, taxas de juros mais baixas no varejo e em bancos. O presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior, faz uma analogia com o seguro do carro, no qual o valor pago varia conforme a cidade, o bairro e o perfil do motorista.
– Cada um paga de acordo com o risco a que está submetido. Com o crédito, a mesma coisa: o cadastro positivo servirá para reduzir ou aumentar as taxas de juros de acordo com o risco que a pessoa apresenta – explica.
Os interessados em fazer parte do banco de dados vêm se cadastrando desde o ano passado, quando o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou a resolução que regulamenta a prestação de informação por parte das instituições financeiras.
O cadastro só poderá ser ativado, entretanto, a partir desta quinta-feira, quando passa a vigorar a norma. As administradoras de consórcio tiveram o prazo estendido até o dia 1º de julho de 2014. Na prática, nada deve mudar imediatamente para o consumidor.
– Tem de se levar em conta o prazo de maturação. Para ter o nome no cadastro, a pessoa precisa autorizar previamente. O processo será lento porque a legislação exige que essa autorização seja dada pessoalmente, a menos que seja com certificação digital – afirma.
O volume de dados também deve tornar o processo moroso, já que leva tempo para formar um histórico que gere segurança na proteção do crédito – só serão incluídos dados a partir da inclusão no cadastro positivo.
Ricardo Loureiro, presidente da Serasa Experian, uma das empresas cadastradas para gerenciar as informações, aposta que o cadastro, na medida em que for implementado, impedirá que se perca tanto dinheiro com a inadimplência. O executivo diz que o acesso às informações não fere os sigilos fiscal e bancário das pessoas.
Com a visão de que só as empresas serão beneficiadas, a economista Ione Amorim, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), contesta:
– O sigilo fica em risco, pois um nível muito grande de instituições terão acesso aos seus dados, e não há segurança de que não serão usados posteriormente para vender serviços.
Entenda o cadastro positivo
O que é?
É uma lista de bons pagadores, com o propósito de criar um banco de dados que ficará à disposição de empresas de concessão de crédito, como bancos e lojas. Esse cadastro poderá servir de base para transações comerciais, como vendas a prazo. Cada pessoa decide se quer integrar o banco de dados.

Objetivo
A medida pretende diminuir o custo da concessão de crédito e oferecer juros mais baixos para o consumidor, com bom histórico de crédito.

A data
Os bancos brasileiros têm até esta quinta-feira para iniciar a operação do cadastro positivo. As administradoras de consórcios tiveram o prazo estendido até 1º de junho de 2014.

Duração
O prazo de permanência das informações nos bancos de dados é de 15 anos.

Cancelamento
A qualquer momento, o consumidor poderá cancelar seu cadastro.

Como funciona
Em bancos de dados, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), o Serviço Central de Proteção Crédito (SCPC) e a Serasa Experian, principais empresas especializadas no país, irão registrar todas as informações sobre o histórico de pagamentos do consumidor – pessoa física ou jurídica – colhidas com instituições financeiras e comércio e serviços.

Para fazer parte do cadastro positivo, o consumidor precisa autorizar a inclusão por meio de um documento ou de uma cláusula à parte em um contrato de financiamento, ambos assinados presencialmente, ou pelo dispositivo de certificação digital pela internet.
O cadastrado tem direito de saber quais os bancos de dados que compartilharam seus arquivos e quem consultou as informações.
A inclusão pode ser feita também nas câmaras de dirigentes lojistas (CDLs).
Uma vez autorizada a abertura do cadastro, as anotações no banco de dados não dependerão de nova autorização.
SPC, SCPC e Serasa Experian serão obrigados a fornecer ao cadastrado todas as informações que houver no cadastro.
Tire suas dúvidas
E se eu estiver no cadastro de inadimplentes?
Assim que quitar o débito em aberto, a pessoa pode autorizar a inclusão de seu nome no cadastro positivo e esta quitação passa a ser uma referência positiva.

É preciso pagar para fazer parte?
Não. O acesso é gratuito.

Se eu sou um bom pagador, sou obrigado a fazer parte?
Não. Você escolhe se quer participar.

Posso me prejudicar se eu não integrar o cadastro positivo, mesmo tendo o nome limpo? 
Você é bom pagador até que entre na lista de inadimplentes. Então, em princípio, o consumidor não pode ser prejudicado caso decida não se cadastrar, segundo o Idec. Conforme o Banco Central, o consumidor que não desejar fazer parte do cadastro positivo apenas pode ficar sem as possíveis vantagens que aqueles que optaram por entrar no sistema terão, como redução na taxa de juro. Por exemplo: um cartão de crédito cobra 30% de juro ao ano para todos os clientes. Com o cadastro, quem paga em dia ganha poder de barganha ao comprovar um histórico de quitação de contas sem atrasos, e que, por isso, não merece pagar o mesmo valor de juro que um mau pagador.

O que muda na vida dos consumidores?
Neste primeiro momento, nada. Os dados começarão a ser acessados nesta quinta-feira. A lei não permite que sejam usados dados anteriores à autorização do consumidor. Por isso, vai levar um tempo até que todas as instituições repassem as informações dos clientes.

terça-feira, 30 de julho de 2013

A Campanha Liquida Santa Cruz está chegando ao fim. Você que ainda não aproveitou passe nas lojas sinalizadas e tenha benefícios de grandes descontos


Capacitação: instrumento de mudança e transformação

Por: Roque Pellizzaro Jr.

Numa época de mudanças cada vez mais aceleradas, a preparação dos lojistas é uma condição fundamental para a sobrevivência e crescimento  no mercado.  Mais do que a aquisição pura e simples de conhecimentos, um fator diferencial de evolução do empresário e de seus colaboradores é a capacitação profissional.

Treimamentos, palestras, workshops, convenções e encontros entre os lojistas são instrumentos indispensáveis para acompanhar as mudanças e principalmente para tomar as decisões acertadas rumo ás transformações.  O sistema CNDL e seus associados vem fazendo um trabalho incansável  no objetivo de qualificar a classe do varejo. E nesta trajetória, busca a inovação e as melhores condições para o desenvolvimento do lojista.


Um dos grandes exemplos desta tendência em oferecer ferramentas práticas para análise e debate dos temas fundamentais que interessam diretamente o comércio varejista é a realização do Fórum Nacional do Comércio que ocorrerá entre os dias 10 e 12 de outubro, em Brasília.  Neste encontro que envolverá o Movimento Lojista de todo o país, vamos discutir os grandes gargalos, os inadiáveis projetos e as principais iniciativas do comércio no  Brasil e no exterior.

O fórum vai revelar o perfil do novo consumidor, as relações de consumo, o crescimento do comércio eletrônico e dos meios de pagamento, além de mostrar o atual cenário econômico, fazendo ao mesmo tempo um diagnóstico da realidade das micro e pequenas empresas. Acertadamente, o tema central do Fórum Nacional do Comércio é “Mudança, Crescimento e Desenvolvimento passam por aqui”. E é neste local, o fórum, que devem estar todos os empresários de visão e empreendedorismo que desejam ser agentes da sua própria mudança. Os participantes e convidados do encontro, todos do mais alto nível de especialização e experiência em suas áreas de atuação, garantem antecipadamente a qualidade dos debates.

Outra grande ação que une o Movimento Lojista em torno da capacitação e atualização é o Seminário de Comércio, Negócios Eletrônicos e Meios de Pagamento, ECOM 2013. O seminário, como acontece habitualmente,  vai trazer as  informações mais recentes  sobre as melhores práticas para junto do meio empresarial brasileiro, com destaque para  os Negócios Eletrônicos e Meios de Pagamentos. No ECOM, os maiores especialistas e autoridades vão  compartilhar experiências profissionais, orientar e prover suporte técnico aos interessados.  Ao todo serão 14 eventos em todo o país e mais de 30 mil empresários capacitados, com inscrições gratuitas.

O futuro é repleto de desafios, mas com a preparação adequada, capacitação profissional e fortalecimento do Movimento  Lojista, teremos condições para interferir positivamente no cenário que nos será apresentado e, assim, conduzirmos o nosso próprio destino em direção aos melhores resultados e ao sucesso.

* Roque Pellizzaro Junior | Presidente da CNDL 

Veja a evolução do IDH dos municípios brasileiros

Fonte: com informações do Uol Notícias

Em 20 anos, o índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) evoluiu de muito baixo para alto, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice cresceu em torno de 47,5%, indo de (o,493 em 1991), muito baixo para (0,727 em 2010), alto.

O índice de Desenvolvimento Humano Municipal engloba três dimensões do desenvolvimento humano: longevidade, educação e renda. O índice varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento.

No entanto, mesmo tendo essa evolução, os dados não são tão animadores para grande parte do Brasil. Em Santa Cruz do Capibaribe, agreste de Pernambuco, esses índices são desanimadores.

Em 20 anos, a longevidade das pessoas teve o melhor índice e acompanhou os resultados do País.

No tocante a educação, o índice não foi animador. De acordo com a pesquisa, é preciso melhorar e muito. Os números, que em 1991 era de 0,207 (muito baixo) subiu para 0,506 (baixo).


A renda em 1991 era baixo, contabilizando 0,597 e em 2010 esse índice subiu para 0,667 sendo elevado para médio, não obtendo um resultado tão positivo.

Dia dos Pais: comércio espera o pior resultado dos últimos três anos

Fonte: Ascom CNDL

As vendas a prazo do comércio brasileiro na semana que antecede o Dia dos Pais (3 a 8 de agosto) devem passar por uma desaceleração e crescer 4% em relação ao ano passado. Nos anos anteriores, as expansões foram de 4,75% (2012); 6,86% (2011) e 10% (2010), segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). Se as expectativas se confirmarem, será o pior resultado dos últimos três anos.

Vendas Dia dos Pais
Ano
Crescimento
2012
4,75%
2011
6,86%
2010
10%

Na avaliação do presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, o varejo este ano não conta com fatores macroeconômicos que ajudavam a aquecer o setor no passado, como os altos índices de empregabilidade e a larga oferta de crédito a juros baixos. “O cenário econômico é desfavorável. A inflação e a alta dos juros inibem o poder de compra do brasileiro. Prova disso é a queda de praticamente todos os índices de confiança do consumidor”, diz Pellizzaro.

Além disso, na avaliação dos lojistas, o ato de presentear no Dia dos Pais representa uma homenagem e não tem o mesmo apelo emocional de datas como o Dia das Mães ou o Natal, quando há um compromisso do consumidor com gastos maiores.

A data será comemorada no dia 11 de agosto, um domingo. Entre os produtos mais procurados estão os itens de vestuário, calçados, perfumes, bebidas e artigos eletrônicos.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Supermercado supera shopping center nas compras por impulso, aponta pesquisa SPC Brasil

Fonte: SPC Brasil

Conhecidos como templos do consumo, que despertam desejos em mulheres e homens de qualquer idade ou classe social, os shopping centers perderam espaço para os supermercados como o lugar onde as pessoas mais fazem compras por impulso. Segundo levantamento encomendado em junho pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) para avaliar como o brasileiro lida com as ferramentas de crédito, 34% dos entrevistados admitem gastar mais do que o planejado quando estão em supermercados contra 25% em shopping centers. As lojas online, como ecommerces e sites de compras coletivas, apareceram em terceiro lugar, com 19%.

De acordo com o estudo, as compras sem planejamento nos supermercados são uma prática comum na maior parte das classes sociais, mas demonstram ser mais recorrentes entre as famílias da classe C. Em cada dez entrevistados da classe C, pelos menos quatro responderam que são mais impulsivos nos supermercados contra 29% dos consumidores das classes A e B. Os shopping centers são responsáveis pelas compras por impulso para 27% dos entrevistados das classes A e B enquanto que na classe C o percentual é de 22%.

A avaliação do gerente financeiro do SPC Brasil, Flávio Borges, a transformação dos supermercados em estabelecimentos amplos e com maior variedade de produtos é uma das razões que explicam o porquê de tantos consumidores perderem o controle do orçamento quando visitam esses lugares. “Hoje os supermercados oferecem em suas gôndolas produtos que vão além de itens básicos.

Razões do descontrole

A emergência da classe C é outro fator citado pelos economistas do SPC Brasil para explicar a liderança dos supermercados como o estabelecimento mais comum nas compras não planejadas. “As classes de menor poder aquisitivo sempre destinaram parte maior de seus orçamentos para o supermercado, como alimentação e itens de necessidade da casa. Com a recente ampliação do poder de consumo no Brasil, essa parcela da população passou a incorporar novos produtos em suas compras”, esclarece Borges.

Na avaliação dos economistas do SPC Brasil alguns hábitos inapropriados podem contribuir para a impulsividade nas compras, como não fazer uma lista de planejamento antes de sair de casa ou até mesmo levar filhos pequenos para os supermercados. Pelo menos 26% dos entrevistados afirmam que não resistem às pressões dos filhos e acabam enchendo o carrinho com mais produtos do que deviam. Entre os pais que tem crianças de até seis anos de idade o percentual aumenta para 37% e para os que tem filhos entre sete e 15 anos é de 35%.

“Na faixa etária dos seis, sete anos de idade é realmente difícil para os pais demonstrarem aos filhos a importância do planejamento financeiro, mas é necessário que ele seja ensinado desde pequeno, pois essa é a maneira mais saudável da criança crescer e se tornar um adulto financeiramente responsável”, enfatiza Borges.

Quando perguntados sobre os produtos que menos conseguem resistir, os mais citados pelos entrevistados foram roupas (56%), calçados/ acessórios (43%) e perfumes/ cosméticos (29%), mas Borges destaca que muitas das compras por impulso nos supermercados são imperceptíveis para o consumidor. “Os supermercados são verdadeiros paraísos para as pequenas compras e é comum o consumidor supor que uma compra supérflua de baixo valor não vai pesar no orçamento ou que ele não está agindo impulsivamente no ato da compra”, alerta Borges.




Projeção para crescimento do PIB fica em 2,28%, e para de cair

Fonte: Agência Brasil

Depois de dez quedas seguidas, a projeção para o crescimento da economia, este ano, estabilizou-se em 2,28%. A estimativa foi feita por instituições financeiras consultadas todas as semanas pelo Banco Central (BC).
Para 2014, a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, também ficou estável em 2,60%.
A estimativa para a expansão da produção industrial também não foi alterada: 2,10% para este ano e 3%, em 2014.
A projeção das instituições financeiras para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB segue em 35% para este e foi ajustada de 34,90% para 35%, no próximo ano.
A expectativa para a cotação do dólar subiu de R$ 2,24 para R$ 2,25, no final de 2013, e segue em  R$ 2,30, ao fim de 2014.
A previsão para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) passou de US$ 5,85 bilhões para US$ 5,70 bilhões, este ano, e de US$ 8 bilhões para US$ 8,92 bilhões, em 2014.
Para o déficit em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior), a estimativa foi alterada de US$ 75 bilhões para US$ 76,15 bilhões, este ano, e de US$ 80 bilhões para US$ 79,5 bilhões, em 2014.
A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) foi mantida em US$ 60 bilhões tanto para 2013 quanto para o próximo ano.

I Fórum Nacional do Comércio vai acontecer de 10 a 12 de outubro, em Brasília

Convite do presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Jr

O Evento

É um prazer convidá-lo para o primeiro Fórum Nacional do Comércio que o Movimento Lojista realizará entre os dias 10 e 12 de outubro, aqui em Brasília, no Distrito Federal. Neste encontro, serão discutidos os grandes gargalos, os grandes projetos e as grandes iniciativas do comércio no nosso país.

Temos vivido um momento diferente. Mudanças socioeconômicas no Brasil e fora daqui, mudanças no perfil do nosso consumidor, na tecnologia que farão a diferença entre o sucesso e o insucesso da atividade comercial. Além disso, mudança na legislação que regula todo o nosso processo de relacionamento, sem esquecer o crédito e a forma de concedê-lo.

E é por isso, que esperamos você, comerciante brasileiro, agente de desenvolvimento, a estar conosco para discutirmos com o Congresso Nacional, com deputados e senadores, com o Governo, com o Banco Central, com empresários e técnicos, todo este processo para que consigamos ver um Brasil e projetar um país para os próximos 5 / 10 anos.

Conto com a sua presença. Espero você, em Brasília, no Fórum Nacional do Comercio, de 10 a 12 de outubro.


Roque Pellizzaro Junior – Presidente da CNDL



Desemprego tem primeira alta desde 2009 na comparação anual

Fonte: CNDL

Para o IBGE, os dados de junho do mercado de trabalho são "frustrantes", embora não se possa falar em alta do desemprego de maio para junho, quando a taxa oscilou dentro da margem de erro --de 5,8% para 6%.

Cimar Azeredo Pereira, coordenador do IBGE, disse que o pequeno aumento "não significa um aumento do desemprego, mas estabilidade". A frustração, afirma, advém do fato de que é esperado para junho uma melhora de cenário, com abertura de vagas após a dispensa de temporários no começo do ano.

Quando comparado com junho de 2012, a taxa de desemprego interrompeu uma tendência de queda na comparação anual e pela primeira vez desde 2009 ficou numericamente um pouco acima (estável para o IBGE) dos 5,9% de junho do ano passado.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Novas cédulas de R$ 2 e R$ 5 começam a circular segunda-feira

Fonte: G1 - Portal de Notícias da Globo

economia; cédulas (Foto: Divulgação)
Cédulas da nova família do real
(Foto: Divulgação)
Começam a circular, na segunda-feira (29), as novas cédulas de R$ 2 e R$ 5, da segunda família do real, informou o Banco Central (BC). Com isso, o BC antecipa o cronograma, queprevia o lançamento dessas notas no segundo semestre.
De acordo com comunicado do Departamento do Meio Circulante, as notas de R$ 2 mantém o padrão de cor predominante azul, mas terá novas dimensões. A nota de cinco segue com o tom predominante lilás e passa a apresentar um tamanho diferente do atual.
As novas cédulas do real têm tamanhos diferenciados, marcas táteis em relevo e novos itens de segurança. (Clique para conhecer, no site do BC, os itens de segurança das notas)
Os principais itens de segurança nas duas cédulas são a marca d'água, o "quebra cabeças", no qual o valor da cédula aparece quando examinada contra a luz, marcas em alto relevo e elementos fluorescentes, visíveis sob a luz ultravioleta.
Em julho de 2012, o BC colocou em circulação as novas cédulas de R$ 10 e R$ 20 – que deverão substituir as notas antigas, destes valores, até meados de 2014 – antes da Copa do Mundo. As cédulas de R$ 50 e R$ 100 da nova família do real já estão em circulação, e espera-se que as notas antigas, destes valores, sejam trocadas até o fim de 2013.
A previsão, anunciada em 2012, é que as novas notas de R$ 5 e R$ 2 sejam substituídas até meados de 2015, completando a troca para a segunda "família" do real. Desde 2010, a substituição das notas da primeira família do real ocorre gradualmente, à medida que elas são retiradas em decorrência de seu desgaste natural. As notas da primeira "família", no entanto, seguem válidas.

Lembrete CDL

Você sabia que desde o ano de 2010, a Lei 12.291/10 torna obrigatória a presença do Código de Defesa do Consumidor - CDC em todos os estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços em território nacional?

Conforme consta no artigo 1º, o documento deve estar em local visível e de fácil acesso aos clientes. A CDL Santa Cruz do Capibaribe disponibiliza em seu site cópia do exemplar do Código de Defesa do Consumidor – CDC, onde o lojista pode acessar e imprimir para disponibilizar aos seus clientes.


Criação de empresas no país supera a média do G-7

Fonte: Fenacon

A taxa líquida de criação de empresas no Brasil mostra que o país, ao lado de seus pares emergentes, conseguiu se recuperar rapidamente da crise de 2008. A taxa se manteve em um nível três vezes maior do que a média dos países do G-7, segundo pesquisa inédita da RSM, sétima maior auditoria e consultoria tributária do mundo.

Entre 35 países, o Brasil tem a oitava maior taxa de criação de novos negócios no período abordado pela pesquisa - de 2007 a 2011 -, com crescimento de 993, 2 mil novos negócios, ou alta de 5,2% ao ano. No G-7 (Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Canadá e Japão) essa alta foi bem menor, de 0,8% ao ano. No entanto, quando a comparação é feita com os Brics (além de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), saltam os entraves burocráticos do Brasil: a taxa de criação de novas empresas do país só ficou acima da Índia, cuja expansão foi de 4,7% ao ano, e da África do Sul.

Na avaliação de Wesley Figueira, sócio da RSM ACAL (braço da RSM no Brasil), a expansão local foi favorecida pelo período de alta dos preços das commodities, mas com a redução da demanda da China esse ritmo pode cair. "Um sistema tributário complexo e falta de financiamento adequado podem sufocar o empreendedorismo", diz. "Com o recente esfriamento da economia, o governo precisa reduzir a burocracia com urgência."

Dos 35 países pesquisados, Hong Kong exibe a maior taxa de criação de novos negócios, de 9,9% ao ano, passando de 655 mil para 956 mil novas empresas. A África do Sul mostra o maior declínio no número de empresas ativas, com queda de 3,8% ao ano, de 956 mil empresas ativas para 817,6 mil. Na Europa, Portugal é o país onde o número de negócios ativos declinou mais fortemente, com recuo anual de 0,8%, de 616 mil para 596 mil negócios. Ainda assim, os países europeus conseguiram superar EUA e Canadá no período.

Nos 12 países da União Europeia incluídos na pesquisa, a taxa de criação de novas empresas cresceu, em média, 1,4% ao ano, com expansão de 1,2 milhão de novos negócios. EUA e Canadá adicionaram apenas 158 mil novas empresas, com alta anual de 0,4%. Segundo Figueira, os números mostram que as empresas europeias são favorecidas não só por juros baixos, mas também pela percepção de que essas empresas estarão à frente da retomada do crescimento. "Essa é a principal mensagem da pesquisa: nutrir pequenas e médias empresas, porque, sem elas, a retomada será mais difícil", diz.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Em Pernambuco, lei adverte: parcelar pode prejudicar o bolso

Fonte: Diário de Pernambuco
Associados da CDL Santa Cruz do Capibaribe
receberão este adesivo para dispor em suas empresas


Os consumidores dos estabelecimentos comerciais de Pernambuco terão agora um novo lembrete de como manter a saúde financeira em compras no crediário. A Lei nº 15.040, publicada ontem no Diário Oficial do Estado, obriga os estabelecimentos a repassarem por escrito, de forma visível, a seguinte advertência: “O parcelamento em excesso poderá ocasionar o comprometimento da sua renda familiar”. A nova exigência de caráter preventivo sobre os riscos do parcelamento a longo prazo pegou o comércio de surpresa. Mas os empresários não acreditam que haverá dificuldades em adequar os estabelecimentos à nova lei.

“Os lojistas desconheciam a vigência da legislação, mas passaremos rapidamente a atender, mesmo achando que não trará grandes vantagens ao consumidor”, frisou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife (CDL-Recife), Eduardo Catão. O descumprimento está sujeito a penalidades como multa, suspensão da atividade e, em caso de reincidência grave, a própria cassação do alvará de funcionamento, em cumprimento à Lei Federal nº 8.078, de 1990.

De acordo com o coordenador geral do Procon-PE, José Rangel, trata-se de apenas uma mensagem incentivando o consumo moderado para manutenção do poder de compra. “Caso ainda não tenha a comunicação definitiva, o estabelecimento pode mandar confeccionar algo provisório e permanecer respeitando a legislação”, sugeriu. “É importante que os fornecedores e lojistas entendam que educar o consumo, como a lei sugere, é importante para toda a cadeia do comércio. Muitos consumidores não estão preparados para tantas ofertas de crédito e possibilidades de pagamento e isso resulta em endividamento, impactando no faturamento do próprio fornecedor, que tem o consumidor sem poder de consumo”, afirmou.

Rangel garante, inclusive, que a fiscalização permanente do Procon-PE vai incluir esse item nos critérios a serem atendidos pelos lojistas de todo o estado e o descumprimento pode levar à multa inicial de R$ 2 mil a R$ 3 mil. “Caso outros condicionantes não estiverem de acordo com a legislação, esse valor vai aumentando.”

A coordenadora institucional da Associação Proteste, Maria Inês Dolci, desconhece lei similar em outros estados. “A iniciativa é muito boa e precisa de um ponto agregador, que é uma campanha informativa. É interessante que receba mais educação de consumo, que compras com mais parcelas geram mais juros, que prendem o orçamento e podem causar endividamento”, pontuou.

Dilma veta projeto que acabaria multa de 10% sobre FGTS

fonte: R7.com

A multa foi instituída em 2001, para compensar perdas econômicasWilson Dias/3.jul.2013/ABr
A presidente Dilma Rousseff vetou projeto de lei que acabava com a contribuição social de 10% sobre o saldo total do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), paga pelos empregadores ao governo em caso de demissões sem justa causa, segundo edição desta quinta-feira (25) do Diário Oficial da União.
O projeto havia sido aprovado pela Câmara em 3 de julho e era defendido por empresários que afirmam que a contribuição não pode ser mantida de forma permanente. A multa foi instituída em 2001, para compensar perdas do FGTS por conta dos Planos Verão, em 1989, e Collor 1, em 1990.
No veto, Dilma argumenta que o projeto de lei vai contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, ao gerar impacto superior a R$ 3 bilhões por ano no FGTS sem dar "indicação das devidas medidas compensatória".
— A sanção do texto levaria à redução de investimentos em importantes programas sociais e em ações estratégicas de infraestrutura, notadamente naquelas realizadas por meio do Fundo de Investimento do FGTS. Particularmente, a medida impactaria fortemente o desenvolvimento do Programa Minha Casa, Minha Vida, cujos beneficiários são majoritariamente os próprios correntistas do FGTS.
Segundo a CNI (Confederação Nacional da Indústria), entre julho de 2012 e abril deste ano, os empregadores pagaram cerca de R$ 2,7 bilhões relativos à contribuição.

Têxtil House Fair vai acontecer no Expor Center Norte em São Paulo


A Têxtil House Fair é uma feira profissional e dirigida ao setor de artigos têxteis para casa.

Durante os quatro dias em que é realizada, a Têxtil House Fair apresenta moda e tendências, promove negócios, incrementa vendas de produtos e permite a ampliação dos canais de comercialização. A Têxtil House Fair reúne o mercado para promover a integração de toda a cadeia produtiva do setor focada na formação de conceitos mercadológicos.

Em sua segunda edição, a Têxtil House Fair aumentou em 50% sua área de exposição em relação à primeira, se posicionando dessa forma como a principal vitrine de negócios do setor.

Em 2013, a Têxtil House Fair trará mais uma inovação, sendo realizada em duas edições, com foco nas temporadas outono-inverno e primavera-verão.

Os expositores da Têxtil House Fair são fabricantes, importadores e distribuidores de produtos e serviços dos mercados de Cama, Mesa, Banho, Colchões e Travesseiros, Aromatizantes, Cortinas e Acessórios, Tapetes e Carpetes, Tecidos e Revestimentos para Decoração.

Realizada na principal cidade brasileira, São Paulo, que oferece toda a infraestrutura de hotelaria e serviços para eventos de grande porte, a Têxtil House Fair é a feira certa no lugar e data certos.

A Têxtil House Fair é organizada e promovida pela Grafite Feiras e Promoções, empresa nacional com mais de 30 anos de tradição na organização de eventos profissionais.

Utilizando-se de várias ferramentas de mídia nacional e internacional em suas estratégias de divulgação a Grafite Feiras e Promoções maximiza a visibilidade da sua marca, oferecendo uma completa estratégia de marketing para seus negócios.

A Têxtil House Fair é mais do que uma feira: é o grande acontecimento do setor de artigos têxteis para casa.

Uniagreste 2013: Colaboradores e empreendedores são qualificados com cursos de férias em Santa Cruz do Capibaribe

Gestão de Pessoas, Controle Financeiro, Oratória, Gestão de Estoques, Técnicas de Negociação e Vendas, Gestão de Créditos e Cobrança e Marketing Visual são cursos que o público de empreendedores e colaboradores de Santa Cruz do Capibaribe está participando no decorrer desta semana. O projeto é do SENAI em parceria com a CDL local, SEBRAE e CESAC que oferece cursos de férias através do Uniagreste, que este ano está em sua terceira edição e recebeu apoio do Moda Center, Sindiloja, Ascap e Ascont. Ao todo foram oferecidas cerca de 530 vagas divididas em 21 cursos.


quarta-feira, 24 de julho de 2013

Empresários pernambucanos do setor de serviços estão mais confiantes

Fonte: Unicred Empresarial

Os empresários pernambucanos estão mais otimistas quanto à economia do mercado. Pelo menos no que se refere aos serviços. O Índice de Confiança do Setor de Serviços de Pernambuco (ICS/PE) recuou 4,9% em junho, em relação ao mesmo período de 2012. No mês de maio, a redução foi de 8,9%, segundo dados divulgados pela Agência Condepe/Fidem, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Boa notícia também no cenário nacional, quando o ICS/BR passou de -4,5% para -3,3%, em junho.

Contribuiu para a melhora na taxa a avaliação dos empresários em relação ao momento presente e as expectativas futuras. O Índice da Situação Atual (ISA/PE) caiu 5,2%, enquanto o Índice de Expectativas (IE/PE) apresentou melhora relativa ao passar de -8,6% para -4,7%, no mês de comparação. Melhorou também o Volume de demanda Atual, chegando a -4,2%, ante -10,1%. A proporção de empresas que avaliam a demanda como forte foi de 17,5% (ante 20,4%, no ano anterior) e como fraca 20,3% (18,9%). O quesito Situação atual dos negócios apresentou melhora relativa, ao passar de -8,8% para -6,1%, com 25,2% das empresas avaliando a situação dos negócios como boa (ante 31,2%) e 16,1% considerando-a ruim (ante 15,0%).

No que se refere às expectativas, houve melhora relativa em junho, no comparativo com o ano anterior. O indicador de Demanda Prevista saiu de -5,2% para 0,4%. A proporção de empresas prevendo uma demanda maior ficou em 51,5% (ante 46,2% no ano anterior) e a parcela das que esperam por uma demanda menor foi de 8,4% (ante 3,7%). O quesito Tendência dos negócios também melhorou relativamente em relação ao mês anterior, passando de -11,8% em maio para -9,5%, em junho. A proporção de empresas que projetam uma situação melhor ficou em 47,7% (ante 56,8%) e aquelas que projetam uma piora chegam aos 8,8% (ante 3,4% há um ano).

Faltam poucos dias para acabar! Aproveite os preços baixos das lojas participantes do Liquida Santa Cruz


Rodada de Negócios da Moda deve movimentar R$ 21 mi

Fonte: Agência SEBRAE

Sebrae em Pernambuco e a Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic) realizam a 16ª edição da Rodada de Negócios da Moda Pernambucana na cidade de Caruaru, a partir desta quarta (24) até a sexta-feira (26). A Acic estima que esta edição vá superar a marca de R$ 15 milhões de negócios registrados no último evento. A rodada tem como objetivo o fortalecimento de Pernambuco como um importante centro fornecedor de moda e vestuário no país.
Ao todo, 120 expositores vão oferecer mais de 4,5 mil itens em oito segmentos: moda masculina, feminina, infantil, jeanswear, bebê, íntima, surfstreetwear e praia e fitness. O evento atrai grandes magazines do Brasil, principalmente da Bahia, Ceará, Piauí, São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A 16ª edição da Rodada de Negócios da Moda Pernambucana pretende receber 1,3 mil visitantes por dia e gerar aproximadamente em R$ 21,5 milhões em negócios. O carro-chefe dessa rodada é o jeanswear, que engloba diversos tipos de peças e estilos, fabricados a partir do jeans. As apostas também passeiam pela moda masculina, com ênfase às camisas T-Shirt, polo e o segmento da moda infanto-juvenil.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Dados da Receita mostram que arrecadação de tributos caiu em junho

Fonte: Agência Brasil

O governo federal arrecadou R$ 85,68 bilhões em impostos e contribuições em junho. O resultado representa queda real de 0,99% em relação ao mesmo período de 2012, descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os dados foram divulgados, hoje (22), pela Receita Federal.
No acumulado do ano, a arrecadação federal somou R$ 543,98 bilhões, alta de 0,49% na comparação com o primeiro semestre do ano passado, também descontado o IPCA. Em termos nominais, a arrecadação aumentou R$ 35,43 bilhões de janeiro a junho deste ano, ou seja, sem a correção, pela inflação, dos valores arrecadados no mesmo período do ano passado.
De acordo com a Receita, os principais fatores que impulsionaram a arrecadação, em junho, foram o aumento da receita extraordinária, em maio, de R$ 3 bilhões referentes a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do Programa de Integração Social (PIS); e de R$ 1 bilhão do recolhimento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (IRPJ/CSLL), em decorrência de depósito judicial e venda de participação societária. Também contribuiu para o saldo, o recolhimento semestral do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) rendimentos de capital.

Sebrae participa da 8ª Super Mix com espaço Comércio Brasil

Fonte: Jornal Extra


A 8ª Feira das Indústrias, Atacadistas, Distribuidores e Supermercadistas de Pernambuco (Super Mix) acontece de 24 a 26 de julho, no centro de Centro de Convenções de Pernambuco (Cecon-PE), em Olinda. O evento é realizado pela Associação Pernambucana de Atacadista e Distribuidores (Aspa) e Associação Pernambucana de Supermercados (Apes).
O Sebrae em Pernambuco mais uma vez apoia a Super Mix com o espaço “Comércio Brasil”. A área abrigará 17 micro e pequenas empresas, participantes do programa homônimo. O intuito é a exposição de produtos e serviços, para o aumento da visibilidade desses empreendedores perante o mercado consumidor e empresarial.
A Super Mix é o principal evento, do Norte e Nordeste, de cadeia de abastecimento comercial. Em termos de Brasil, é a terceira maior feira setorial, objetivando estreitar o relacionamento empresarial, lançar tendências, atrair público especializado e promover o network entre empresários.  A feira segue com 20 mil m² disponíveis para que os investidores possam colocar em prática suas ações.

Governo reduz previsão oficial de alta do PIB deste ano de 3,5% para 3%

Fonte: G1 - Portal de Notícias da Globo

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou nesta segunda-feira (22) que a previsão oficial de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, dado que consta na revisão da peça orçamentária de 2013, divulgada hoje, recuou de 3,5% para 3%. No mesmo documento, foi anunciado um bloqueio extra de R$ 10 bilhões em gastos do orçamento.

"Continuamos trabalhando com um cenário internacional adverso. Podemos ver o resultado no crescimento da economia global, que vem caindo. Depois de 2010, que foi um alívio frente a 2009, estamos em trajetória descendente da economia mundial. Estamos até que indo bem, dado o cenário adverso", declarou Mantega.
Apesar da revisão para baixo da estimativa oficial de crescimento do PIB deste ano, o número ainda segue bem acima da previsão do mercado financeiro, que está em 2,28%, e também do Banco Central – que divulgou, no fim de junho, uma expectativa de alta de 2,7% para o PIB de 2013.
O próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, já havia avaliado, na semana passada, em entrevista à Reuters, que a economia brasileira pode crescer entre 2,5% e 3% em 2013diante de um cenário de instabilidade que abateu os mercados recentemente e depois das manifestações populares que eclodiram em todo o país.
Questionado nesta segunda-feira (22) porque o PIB não foi revisto para um patamar mais baixo ainda, Mantega respondeu: "Não podemos trocar de PIB como trocamos de roupa. Tem que dar um tempo. Se essa questão do FED daqui a pouco se acalma, você vai ver uma mudança de rumo", explicou ele.
Corte de gastos
Ao informar que está sendo feito um corte adicional de R$ 10 bilhões no orçamento de 2013, Mantega acrescentou que as contas públicas estão sob controle.

"O déficit da Previdência está caindo há vários meses e anos consecutivos. É a maior despesa do governo, no valor de R$ 350 bilhões no ano. O gastos com pessoal soma R$ 200 bilhões e as despesas com juros também vêm caindo no percentual do PIB. Essas são as três maiores despesas do governo, que somam de R$ 740 a 750 bilhões por ano. É o grosso das despesas da União que estão sob controle", afirmou o ministro.
De acordo com dados oficiais, a expectativa de receitas totais recuou R$ 600 milhões, passando para R$ 1,18 trilhão, ao mesmo tempo em que a estimativa para as receitas administradas (oriundas de impostos e contribuições federais) recuou de R$ 706 bilhões para R$ 702 bilhões.
A previsão de arrecadação com as concessões e permissões, por sua vez, subiram de R$ 15,7 bilhões para R$ 23,1 bilhões por conta da inclusão, na estimativa, do campo de Libra, informou o ministro Mantega. A expectativa de ingresso de dividendos de estatais, por sua vez, passou de R$ 24 bilhões para R$ 22 bilhões.