Topo

Topo

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Mercado estima queda da inflação após oito semanas em alta

Fonte: Agência Brasil

Banco CentralApós oito semanas de projeções em alta, as instituições financeiras estimam inflação em queda em 2016. Desta vez, o cálculo para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 7,62% para 7,57%.

Para 2017, a estimativa segue em 6%, de acordo com o boletim Focus, publicação divulgada semanalmente às segundas-feiras pelo Banco Central (BC), com base em projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos.

Os cálculos sobre a inflação estão distantes do centro da meta de 4,5%, e neste ano superam o teto de 6,5%. O limite superior da meta em 2017 é 6%.

Mesmo com a expectativa de alta da inflação, as instituições financeiras não esperam que o BC suba a taxa básica de juros, a Selic, neste ano de retração da atividade econômica. A projeção para o final de 2016 permanece em 14,25% ao ano e, para 2017, a expectativa é de redução da Selic para 12,50% ao ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

A pesquisa do BC divulgada hoje (29) também traz a projeção para a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que caiu de 7,84% para 7,83% este ano. O cálculo para 2017 segue em 5,50%.
Para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a estimativa passou de 7,75% para 7,99% este ano, e permanece em 5,50% em 2017.

A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), foi mantida de 7,04% para 7,04%, e no próximo ano, em 5,40%. A projeção para os preços administrados permanece em 7,50% este ano e em 5,50% em 2017.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016


Confiança do comércio atinge maior nível desde agosto: 69,1 pontos

Fonte: Agência Brasil

shopping, lojas, comercio varejista

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 0,7 ponto em fevereiro deste ano, atingindo 69,1 pontos, o maior nível desde os 69,3 pontos de agosto último. O indicador foi divulgado hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) que, no entanto, vê “acomodação da confiança do comércio em um patamar historicamente baixo”.

Segundo a FGV, a alta da confiança do comércio em fevereiro atingiu apenas 4 dos 13 principais segmentos pesquisados. Ainda na avaliação da entidade, em termos de horizonte de tempo dos quesitos da pesquisa, a melhora de fevereiro também foi concentrada, com o Índice de Expectativas subindo 2,1 pontos e indo a 75,3 pontos.

O Índice de Situação Atual, que retrata a percepção dos empresários em relação ao momento atual, caiu 0,7 ponto em relação ao mês anterior, após subir 3,6 pontos em janeiro.

Acomodação

Na avaliação do superintendente adjunto para Ciclos Econômicos da FGV, Aloisio Campelo Junior, a alta acontece após o índice ter atingido o menor valor da série em dezembro (65,4). Explica que a confiança do comércio parece que está se “acomodando em um patamar historicamente baixo” neste início de ano, mas continua “com tendência incerta” para os próximos meses.

“O setor vem enfrentando uma demanda enfraquecida pela piora do mercado de trabalho e da situação financeira das famílias, pelos baixos níveis de confiança do consumidor e pela instabilidade no ambiente político”. Para Campelo Junior, “como reflexo do cenário negativo,  as perspectivas para o emprego no setor continuaram piorando na sondagem de fevereiro”.

Os dados divulgados pela FGV indicam, ainda, que o quesito que mais contribuiu para o avanço do Índice de Expectativa do Comércio foi o que capta o grau de otimismo com as vendas previstas para os próximos três meses, que chegou a crescer 4 pontos, atingindo 76,5 pontos em fevereiro.

Já a maior contribuição para a queda do Índice de Situação Atual do Comércio veio do quesito que mede o grau de satisfação com o volume atual da demanda, que caiu 0,9 ponto em relação ao mês anterior, alcançando 65 pontos. Para a edição de fevereiro do Índice de Confiança do Comércio, a FGV coletou informações junto a 1.219 empresas nos primeiros 23 dias deste mês.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Definindo ações: Presidente da CDL se reúne para definir ações para o 2º Moda e Negócios



O presidente da CDL, Valdir Oliveira, reuniu-se na tarde dessa quarta-feira com o consultor da Câmara setorial dos representantes comerciais, Sérgio Ramos, juntamente com a secretaria executiva da CDL, Katyane Amaral, para definir ações voltadas para a segunda edição do Moda e Negócios, prevista para acontecer no final do mês de julho.

No primeiro momento, o presidente recebeu o diretor da Anron Software, André Pedrosa,
para apresentação do projeto do evento Moda e Negócios, para o desenvolvimento de um software para o mesmo. Logo após, o diretor-presidente da GT Com, empresa de publicidade e propaganda, Tássio Moreira, conversou com o presidente da CDL, sobre a questão das peças publicitárias do evento. 

Parabéns


Hoje faz idade nova o 1º diretor financeiro da CDL Santa Cruz do Capibaribe, Gustavo Bezerra. Receba os mais sinceros votos de felicidade de todos que fazem a CDL da Capital das Confecções.

À ele queremos desejar os mais sinceros votos de saúde e paz, hoje e sempre. Parabéns Gustavo, que você continue sendo essa pessoa exemplar que és. Receba as felicitações de todos da CDL Santa Cruz do Capibaribe.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016


87% DOS MICRO E PEQUENOS EMPRESÁRIOS NÃO TÊM A INTENÇÃO DE TOMAR CRÉDITO, MOSTRA INDICADOR SPC BRASIL

Fonte: Ascom SPC Brasil

O começo de 2016 segue demonstrando a mesma baixa disposição dos micro e pequenos empresários (MPEs) para contratar crédito percebida em 2015. O desinteresse pelo empréstimo de recursos reflete o cenário econômico adverso no Brasil. Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que 86,7% desses empresários não têm a intenção de procurar crédito pelos próximos três meses. O indicador mensal registrou em janeiro apenas 12,15 pontos e, na comparação com o mês anterior, ficou abaixo dos 13,14 pontos do mês anterior.

O resultado é considerado baixo, visto que a escala do indicador varia de zero a 100. Quanto mais próximo de 100, maior é a probabilidade de os empresários procurarem crédito e, quanto mais próximo de zero, menos propensos eles estão para tomar recursos emprestados para os seus negócios.

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a forte desaceleração da economia e o ciclo recente de alta dos juros são dois fatores que contribuem para o cenário atual. “O primeiro fator afeta a confiança dos empresários, ao tornar mais arriscado assumir compromissos de longo prazo, e o segundo eleva o custo do capital, de modo que o tomador de crédito pague um ‘preço’ maior, na forma de juros”, analisa Pinheiro. O presidente também destaca o fato de os micro e pequenos empresários nem sempre realizarem investimentos de grande valor.

Para 43,1% dos MPEs que não pretendem tomar crédito, é possível manter seu negócio com recursos próprios. Outros 31,4% se justificam dizendo que no momento não pensam em fazer investimentos que exijam a contratação de crédito.

Entre os empresários que manifestam a intenção de contratar crédito nos próximos 90 dias, a modalidade mais citada foi o microcrédito, mencionada por 32,8% desses entrevistados. Já o cartão de crédito empresarial é citado por 13,1%. O crédito contratado deverá destinar-se principalmente à compra de maquinário e computadores (41%) e para capital de giro (31,1%).

70% dos MPEs não pretendem investir

O Indicador de Propensão a Investimentos MPE também registrou um baixo patamar, o que demonstra que a recessão econômica também afeta os planos de expansão dos micro e pequenos empresários. Na comparação entre novembro e dezembro, o indicador caiu de 25,16 pontos para 24,68 pontos, sendo que quanto mais próximo de 100, maior é a propensão ao investimento.

Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, os resultados mostram que a intenção de investir é baixa entre os micro e pequenos empresários. “O fato pode ser explicado pelo mau momento da economia brasileira, que atravessa o segundo ano consecutivo de recessão e pelo abalo da confiança dos empresários e consumidores. Em termos percentuais, 71,7% não pretendem realizar nenhum investimento nos próximos três meses”, explica Kawauti. Os que pretendem investir somam apenas 21,25%.

O principal investimento a ser realizado pelos entrevistados que pretendem investir é a reforma da empresa, mencionada por 41,2%. Também aparecem com destaque investimentos em mídia e propaganda (31,8%) e a ampliação dos estoques (31,2%). Entre eles, a maioria pretende usar capital próprio (66,5%) e outros 25,3% pretendem recorrer a empréstimos em bancos e financeiras.

Incerteza política também afeta decisão de investir

O reflexo da crise econômica sobre a decisão de investir fica evidenciado quando 81% dos micro e pequenos empresários dizem não considerar que este é um bom momento para ampliar o seu negócio. Entre aqueles que fazem essa avaliação, a principal justificativa é a incerteza política, mencionada por 40,3%. Outros 31,0% dizem que este é um mau momento porque a recessão econômica irá continuar. Há ainda 11,9% que constatam que suas vendas estão diminuindo.

E a inadimplência dos clientes também pode ser um fator a mais para fazer os MPEs esperarem mais tempo para fazer investimentos e aumentar seus negócios. Questionados sobre o comportamento de sua carteira de clientes, 40,9% dos micro e pequenos empresários dizem ter clientes com contas em atraso – 36,8% dizem não tê-los porque só vendem com cartão ou dinheiro. Entre os que possuem clientes com dívidas em atraso, 60% afirmam que a inadimplência aumentou na comparação entre 2014 e 2016.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Calendário CDL 2016. Em breve a CDL estará entregando o impresso aos associados


Imposto de Renda 2016: veja quem deve declarar

Fonte: G1 - Portal de notícias da Globo


  • As pessoas físicas residentes no Brasil que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.123,91 em 2015 (ano-base para a declaração do IR deste ano).
  • Os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado.
  • Quem obteve, em qualquer mês de 2015,ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.
  • Quem tiver a posse ou a propriedade, em 31 de dezembro de 2015, de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil, também deve declarar IR neste ano. Este é o mesmo valor que constava no IR 2015 (relativo ao ano-base 2014).
  • Contribuintes que passaram à condição de residente no Brasil, em qualquer mês do ano passado, e que nesta condição se encontrassem em 31 de dezembro de 2015.
  • Quem optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja destinado à aplicação na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias contados da celebração do contrato de venda.
  • Quem teve, no ano passado, receita bruta em valor superior a R$ 140.619,55 oriunda de atividade rural. No IR de 2015, relativo ao ano-base 2014, este valor era de R$ 134.082,75.
  • Quem pretenda compensar, no ano-calendário de 2015 ou posteriores, prejuízos relativos à atividade rural de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2015, informou a Receita Federal.

Empreendedores é que vão salvar o Brasil’, diz Jorge Paulo Lemann

"Eu vejo o Brasil atual como um lugar de muitas oportunidades”, defendeu Jorge Paulo Lemann em evento organizado pela Endeavor, do qual o Na Prática participou. Falando para uma audiência de cerca de oitocentos empreendedores, além dos que acompanhavam o evento online, o empresário disse acreditar que vão se sobressair aqueles que souberem enxergar oportunidades nos momentos de dificuldade.

Para ele, o contexto econômico atual no Brasil proporciona um aprendizado intenso para o mercado e a indústria. “Dificuldade gera a necessidade de melhorar”, explica. Na sua opinião, são os empreendedores brasileiros que vão salvar o país da crise.

Como exemplo de dificuldade tornada em oportunidade, ele menciona o Banco Garantia, que por anos foi considerado um dos mais prestigiosos e inovadores bancos de investimentos do país. A verdade é que, quando ele foi comprado – ainda como uma pequena corretora – a intenção de Jorge Paulo era fazer dela a melhor corretora de bolsa do Brasil. Acontece que, um mês depois da compra, a bolsa brasileira quebrou. Foi a dificuldade que obrigou o empresário a buscar por novidades. Assim, a empresa se reinventou e acabou aproveitando uma oportunidade surgida pouco depois, com as ORTNs (Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional), tornando-se a maior operadora desse tipo de papel. “A coisa nunca é uma linha reta”, conclui.
Além de ser capaz de aproveitar essas oportunidades, o empreendedor que vai ser bem-sucedido em tempos de crise também precisa ser resiliente. “Vocês não podem desanimar na primeira dificuldade, na primeira volta para trás. Vai se dar bem quem continuar”, disse. Ele usou a própria trajetória como exemplo de que os altos e baixos fazem parte da carreira de qualquer empresário, e ressaltou a necessidade de aprender e melhorar a cada erro.
Errando que se aprende Com a falência de seu primeiro empreendimento, uma financeira que montou junto com outros egressos de faculdades norte-americanas, aprendeu que o empreendedor deve buscar sócios com perfis diversos e diferentes dele próprio. “A empresa faliu porque não tinha quase nenhuma administração, todos os sócios eram parecidos só queriam saber de fazer negócios, daí ninguém cuidava da retaguarda administrava”, reconheceu. Com a venda e posterior fechamento do icônico Banco Garantia, ele aprendeu a importância da visão a longo prazo. “No Garantia, estávamos muito focados nos resultados a curto e médio prazo, e então nos meus próximos negócios comecei a mudar essa visão, olhar mais longe”, explica Jorge Paulo, fazendo referência aos empreendimentos que está a frente hoje, como a cervejaria AB Inbev e a Kraft Heinz.
Para ele, setenta por cento do esforço do empreendedor deve estar voltado para o sonho grande, enquanto os trinta por cento restantes devem estar focados em aprender com as decisões erradas e melhoras.
O hábito de esquadrinhar um ou mais aprendizados diante de cada erro ou fracasso é uma herança das quadras de tênis, como ele gosta de dizer. Foi a necessidade de aperfeiçoar sua técnica diante de cada partida perdida que fez o empresário apostar sempre na possibilidade de melhoria e crescimento. “É simples: sem esforço você não tem resultado”, diz. Ele começou a praticar o esporte desde cedo e, aos nove anos, perdeu para seu principal rival. Aos doze, sofreu uma derrota para um jogador boliviano. “O tênis foi muito importante pra me habituar a não ganhar sempre, me preparou para perder. Toda vez que eu perdia tentava analisar por que, ou o que não tinha dado certo e o que melhorar na próxima vez.”
Focar no essencial Segundo o empresário, outra habilidade que faz o empreendedor se sobressair é a capacidade de distinguir o que é fundamental daquilo que é secundário – e focar os esforços naquilo que realmente importa. Quando estudava em Harvard, tinha o objetivo de acabar a graduação no menor tempo possível e, para isso, acabava acumulando diversos cursos em um mesmo semestre. “Eu reduzia cada uma das disciplinas às cinco coisas básicas que eu tinha que aprender com elas, e desenvolvi essa técnica de focar em cinco pontos principais”, explica. Hoje, suas empresas possuem cinco metas básicas e essenciais, assim como os funcionários.
A seguir, veja depoimento de Jorge Paulo Lemann ao Na Prática, no qual o empresário fala sobre liderança e compartilha algumas das lições que aprendeu em sua carreira:


Benefícios para sócios da CDL


Dra. Patrícia Braga: exames com até 20% de desconto para associados da CDL Santa Cruz do Capibaribe. Só na CDL você encontra benefícios feito esse. Venha para a CDL!



Dica SPC Brasil

É importante ter algo a oferecer para atrair clientes potenciais (por exemplo: uma amostra grátis ou um período gratuito pelo serviço). 
A gratuidade promove a experimentação, e pode ser um grande aliado na conquista de novos clientes.
Foto de SPC Brasil.

CNDL inscreve para 55ª Convenção Nacional do Comércio Lojista


Artigo

TODO MUNDO PRECISA CEDER
Por: Francisco Honório Pinheiro

O Brasil que nos chega por meio das mais variadas mídias respira a palavra crise. É uma ausência de valores básicos tão descarada e desmedida, uma banalização tão eloquente de tudo aquilo que desvirtua a nossa cidadania e a nossa capacidade de sobreviver e de crescer nesse cenário, que só nos restam duas opções: ou acreditamos em terra arrasada (que nem de longe assim está, embora o queiram fazer parecer), ou entendemos esse momento como o da sacudida necessária para que analisemos o país que temos e o país que queremos, a fim de mudar seus rumos em todas essas instâncias que hoje são de crise.

E isso só será possível por meio do diálogo construtivo, utopia que precisa dos que nela acreditem. Bem, meu amigo, eu sou um homem que crê no utópico, na necessidade de edificar soluções sob as sólidas bases do dito popular: “Muitas vezes é perdendo uma batalha que se ganha a guerra”, ou seja, todos precisam ceder, para que essa disputa política que sangra o país seja estancada.

Enquanto os interesses de poucos preponderam sobre o sofrimento de muitos, toda a cadeia produtiva do país padece neste momento. É chegado o momento de inverter a ordem, de o sofrimento de muitos preponderar sobre os interesses de poucos.   Recentemente, a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, em parceria com o SPC Brasil, divulgou o indicador de inadimplência. Como já era esperado, houve crescimento desse indicador em todas as regiões do Brasil, o que comprova a forte chegada da crise aos bolsos do consumidor.

A aprovação de medidas econômicas necessárias ao fim da crise exige negociação. A recuperação da credibilidade do Governo exige o apoio da sociedade civil. É papel dos que neste momento estão envolvidos numa verdadeira “briga de foice” nas altas instâncias do poder privilegiar a nação e os eleitores.  Chega dessa picuinha no  Congresso  e  no  Senado.  Chega  desse  empurra-empurra de responsabilidades, dessa disputa pós-eleitoral sem data para acabar. Engana-se quem pensa que o povo não sabe votar. Aguardem as urnas e verão que em nenhum dos lados desse cabo de guerra o eleitor estará. O que conta para o empresariado e para o cidadão comum, ambos integrantes da força de trabalho que sustenta o país, é o fim dessa disputa que paralisa o país.

Se por um lado o governo precisa apresentar uma proposta para a abertura do diálogo e se colocar disponível para eventuais mudanças, por outro lado é preciso que a oposição esteja aberta às possíveis negociações. O Congresso retornou aos trabalhos. É tempo de baixar a guarda e fazer com que 2016 seja melhor do que 2015. Ambas as  partes precisam ceder. Como disse o  Nobel  de Literatura Bjornstjerne Bjornson, “Na política, a verdade e a ação devem esperar o momento em que todos precisem dela”. Se nossos homens públicos ainda não sabem, informo-lhes de que esse momento é chegado. Mais diálogo, mais ação e menos confusão!

*Francisco Honório Pinheiro é presidente da CNDL

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Parabéns



Quem fez idade nova nesta segunda-feira (22), é o Diretor de 

Marketing e Comunicação da CDL Santa Cruz do Capibaribe, 

Gustavo Mestre. À ele, os mais sinceros votos de muita saúde 

e muita paz. É o que deseja toda a diretoria, associados e 

colaboradores da CDL da Capital das Confecções.

Taxa de empreendedorismo é a maior dos últimos 14 anos

Fonte: Agência SEBRAE

De cada dez brasileiros adultos, quatro já possuem ou estão envolvidos com a criação de uma empresa. É o que revela a nova pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2015, patrocinada pelo Sebrae no Brasil. No ano passado, a taxa de empreendedorismo no país foi de 39,3%, o maior índice dos últimos 14 anos e quase o dobro do registrado em 2002, quando a taxa era de 20,9%.

O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, destaca que o empreendedorismo é uma alternativa dos brasileiros para contornar as dificuldades que a economia vem passando. Para ele, é necessário promover ações que reduzam a burocracia, simplifiquem a legislação, facilitem o crédito e incentivem a educação empreendedora.

“Precisamos facilitar a vida de quem empreende ou quer empreender. Quanto mais crédito e menos tempo o empresário perde com entraves burocráticos, mais ele pode se dedicar ao seu negócio, o que gera mais emprego e renda para os brasileiros”, diz Afif. Quando comparada internacionalmente, a taxa de empreendedorismo brasileira é superior a dos Estados Unidos, México, Alemanha e dos países que compõem o Brics.

A pesquisa também revela que 56% dos empreendedores que estão criando ou já abriram uma empresa identificaram uma oportunidade. Esse número sofreu uma queda em relação aos últimos anos e voltou ao mesmo patamar de 2007, quando a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa entrou em vigor. “Com a melhoria do ambiente legal no Brasil, presenciamos um boom no empreendedorismo. O aumento de incentivos influenciou o forte crescimento do empreendedorismo por oportunidade, que pode ter voltado a um patamar mais equilibrado quando comparado com o empreendedorismo por necessidade”, destaca o presidente do Sebrae.

Inscrições abertas para o Empretec


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Dica SPC Brasil

O fluxo de caixa deve ser um companheiro do dia a dia de todo empreendedor. Ele permite acompanhar a lucratividade da empresa, além de manter as contas em ordem. Atualize as informações diariamente e garanta um bom controle financeiro da sua empresa.
Foto de SPC Brasil.

STF: Receita pode acessar dados bancários sem autorização judicial

Fonte: Agência Brasil

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) (6 a 1) votou hoje (18) pela manutenção da validade da Lei Complementar nº 105/2001, que permite à Receita Federal acessar informações bancárias de contribuintes sem autorização judicial. O julgamento foi interrompido e será retomado na semana que vem, com os votos dos quatro ministros que ainda não votaram.

Até o momento, votaram a favor de continuidade do acesso os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber e Dias Toffoli. Somente o ministro Marco Aurélio votou pela inconstitucionalidade da norma, por entender que o compartilhamento dos dados entre o Fisco e as instituições bancárias trata-se de quebra de sigilo fiscal. “No Brasil pressupõe-se que todos sejam salafrários, até que se prove o contrário. A quebra de sigilo não pode ser manipulada de forma arbitrária pelo poder público”, disse.

A Receita Federal defende o acesso aos dados fiscais para combater a sonegação fiscal. De acordo com o órgão, o acesso a informações bancárias junto do Banco Central e às instituições financeiras não é feito de forma discriminada e ocorre somente nos casos estabelecidos pela lei. Segundo nota técnica divulgada pela Receita, os dados financeiros do contribuinte são acessados após abertura de procedimento fiscal e com conhecimento dele. 

A Corte julgou um recurso de um contribuinte que defendeu a necessidade da autorização judicial prévia para que a Receita possa acessar os dados bancários.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Câmara Setorial de Representantes planeja 2º Moda e Negócios

Em reuniões contínuas com o Consultor Empresarial Antônio Sérgio, os diretores da Câmara Setorial de Representantes Comerciais da CDL Santa Cruz do Capibaribe já planejam a segunda edição do Projeto Moda e Negócios do Agreste Pernambucano.


De acordo com o consultor, Antônio Sérgio, a próxima edição será ainda melhor. “Nós estamos trabalhando para oferecer muito mais e fomentar mais negócios para os participantes, além de melhor estrutura e novidades que visam fortalecer o Polo de Confecções do agreste pernambucano”.



Benefícios CDL - Qual a importância de ter um plano de saúde?

Em nosso país muitas pessoas não têm um plano de saúde por acharem que não há necessidade. Mas, só vão ver a verdadeira importância quando precisam de um atendimento médico ou algo referente a saúde, pois é aí que se lamentam por não terem um. Ter um plano de saúde, principalmente hoje em dia, é sinônimo de maior segurança ao associado e toda sua família, pois garante a todos um atendimento de maior qualidade no momento de precisão, assim como descarta a hipótese de ter de ficar esperando por meses uma consulta e ainda mais para realizar um exame.
Os planos de saúde na vida de uma pessoa são de suma importância, pois hoje como há muito tempo, o atendimento da saúde pública em nosso país é bastante precário, infelizmente. Por conta disso, é que muitas pessoas estão morrendo em filas de hospitais a todo o momento, sem ao menos ter a oportunidade de saber o que realmente tinham e sem o direito de um tratamento digno. Já com o auxílio de um plano de saúde o atendimento é muito mais rápido e ainda oferece mais opções do local de atendimento. Ter um plano de saúde ainda nos traz maior tranquilidade na hora de realizar tratamentos médicos, pois esses são bastante custosos, e não é sempre que estamos preparados financeiramente para arcar com essas despesas em um momento de emergência.
A CDL Santa Cruz do Capibaribe oferece esse benefício para quem é associado. Para isso, basta se associar, entrar em contato com uma das Consultoras Comerciais da Unimed e ver o percentual de desconto que você poderá obter! Mais informações: (81) 3731-2850.

Parabéns

Quem esteve fazendo idade nova foi a nossa colaboradora Kelly Daiane, ela que é assistente administrativa da CDL Santa Cruz do Capibaribe e recebeu os parabéns de todos os colaboradores da entidade, em uma festividade na tarde desta quarta-feira (17). À Kelly, todos nós que fazemos a CDL desejamos votos de muita saúde, paz e harmonia, por todos os cantos onde ela estiver. Parabéns!



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Serviços caem 3,6% em 2015, revela pesquisa do IBGE

Fonte: Agência Brasil

As atividades do setor de serviços continuam em queda. Em todo o país, em dezembro, o volume de serviços recuou 5% na comparação com o mesmo período de 2014, um pouco menos do que em novembro (6,4%) e outubro (5,8%)

A informação foi divulgada hoje (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Março foi o único mês de 2015 com desempenho positivo. No ano e no acumulado de 12 meses, as perdas atingem 3,6%.

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), entre os cinco setores analisados para compor o indicador, o item outros serviços teve a maior queda: 10%. Em seguida, estão os serviços profissionais, administrativos e complementares (-8,8%), serviços de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correios (-6.7%), além de serviços prestados às famílias (7%).

Já o desempenho do segmento serviços de informação e telecomunicação teve um resultado um pouco melhor: -0,4%, depois de quedas de 4,3% em novembro e 3,2% em dezembro. O movimento é reflexo do crescimento de serviços em tecnologia da informação: 8,2%.

Com os dados de dezembro fechados, o IBGE constata o “desaquecimento do setor entre 2014 e 2015, com reduções seguidas das taxas de crescimento de volume, atingindo -5,7% no 4º trimestre de 2015”. O índice é o menor nessa comparação, indica a pesquisa.

A receita nominal do setor serviços aumentou 0,3% em dezembro em relação a dezembro de 2014, depois de cair 0,9% em novembro e 0,4% em outubro. A taxa acumulada da receita nominal, no período de um ano e também no de 12 meses, subiu 1,3%.

Entre as regiões, na comparação entre dezembro de 2015 e de 2014, o resultado do setor é positivo em Roraima (12,6%), Mato Grosso (10,5%) e Rondônia (3%). Já em as menores taxas foram identificadas no Amapá (-16,8%), Maranhão (-13,8%) e na Bahia (-12,7%).

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Todos contra o mosquito Aedes Aegypti


Abono do PIS fica disponível a partir de hoje para nascidos em março e abril

Fonte: Agência Brasil

Os trabalhadores nascidos em março e abril podem sacar o abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) a partir desta terça-feira (16). O saque pode ser feito nas agências da Caixa Econômica Federal. Quem possui o Cartão do Cidadão também pode recorrer aos canais de autoatendimento do banco, casas lotéricas e correspondentes Caixa Aqui. Quem tem conta na instituição financeira só precisa aguardar o depósito do dinheiro, previsto para quinta-feira (18).

O abono salarial equivale a um salário mínimo, atualmente em R$ 880. Têm direito ao benefício os trabalhadores que estejam cadastrados no programa há pelo menos cinco anos, tenham recebido remuneração mensal média de até dois salários mínimos e trabalhado pelo menos 30 dias em 2014 e que tenham tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), entregue ao Ministério do Trabalho e Emprego.

O trabalhador que desejar informações adicionais sobre o abono pode ligar para 0800 726 0207 ou consultar o site da Caixa Econômica Federal. Neste mês, também serão pagos os rendimentos do saldo de cotas do PIS para trabalhadores cadastrados no programa até 4 de outubro de 1988. Os valores não sacados retornam ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Em março, os pagamentos do abono salarial do PIS serão feitos a partir do dia 17, para trabalhadores nascidos nos meses de maio e junho.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Usuários da UNIMED se mobilizam para impedir fechamento de posto de atendimento em Santa Cruz do Capibaribe

Fonte: Blog do César Mello

Assustados diante da real possibilidade de fechamento do posto de atendimento existente em Santa Cruz do Capibaribe, os usuários do plano de saúde UNIMED, convocaram parra a próxima quarta-feira, dia 17, uma audiência pública, que ocorrerá na nas dependências da Câmara de Vereadores e que deverá contar com a participação de diretores do plano, que serão indagados sobre vários pontos de insatisfação dos conveniados, que vêm a quantidade e qualidade dos serviços piorarem mais e mais a cada dia.

O empresário Renato Junior, usuário do plano de saúde, falou ao Blog sobre o objetivo da audiência e também sobre a participação de alguns segmentos de classe no encontro. “A audiência tem como principal objetivo tratar dos serviços prestados pela UNIMED Caruaru em Santa Cruz do Capibaribe, como também, falaremos sobre uma ‘carta aberta’ que os usuários estão recebendo, comunicando a redução do pronto atendimento pra o período diurno, passando a funcionar apenas das sete da manhã às sete da noite. O encontro contará com presença de representantes da UNIMED Caruaru, promotor público, representantes do poder público de nossa cidade, conveniados da UNIMED e sociedade civil organizada”.

Edeirton Queiroz, também empresário, se mostra inconformado com o tratamento que os usuários têm recebido do plano de saúde. “Isso foi um absurdo, temos que nos unirmos para trazermos outro plano para nossa cidade, tendo em vista que por lei, podemos fazer a portabilidade para outro plano sem perder a carência”, disse Edeirton, que emendou, “milhares de santa-cruzenses pagam mensalmente suas mensalidades, que não são baratas, e hoje têm que conviver com um tratamento de indiferença e desrespeito”.

A CDL acredita nessa luta



Dica SPC Brasil

É de extrema importância saber os custos fixos e variáveis da sua empresa. Só assim você terá consciência de quanto é necessário faturar por mês para manter o seu fluxo de caixa equilibrado.
Segundo o Sebrae, 26,9% das empresas quebram até o segundo ano de existência, e a falta de acompanhamento das finanças é o principal motivo.

Foto de SPC Brasil.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Parabéns



Os parabéns de hoje vão para a jovem empresária, Diana Santana, ela que compõe a Diretoria da CDL Jovem de Santa Cruz do Capibaribe, onde assume a direção de Responsabilidade Social e tem colaborado para o desenvolvimento de boas ações junto a entidade de jovens lojistas da Capital das Confecções. Todos nós que fazemos a CDL Jovem, a parabenizamos com os votos de muita saúde e paz para você Diana Santana. Parabéns!

CDL parabeniza os sócios aniversariantes de fevereiro de 2016


Os Perigos da Zona de Conforto

Fonte: Endeavor
Artigo escrito pela consultora Sandra Betti

A zona de conforto pode ser sedutora, irresistível, “familiar” e desastrosa. Pode ser definida como a nossa tendência a fazer o que é fácil, cômodo e conhecido, sem intenção de interromper ciclos viciosos e improdutivos ou de começar algo novo ou desafiador, que demande autodisciplina, motivação e comprometimento e que cause dispêndio extra de energia e nos tire da inércia.
A origem da palavra conforto vem do latim, cumfortare, e significa aliviar a dor ou a fadiga. Está associado a “um estado prazeroso de harmonia fisiológica, física e psicológica entre o ser humano e o ambiente”. É a nossa tendência de evitar os medos, a ansiedade ou algum tipo de desgaste. Tendemos a ficar num território onde podemos predizer e controlar os acontecimentos. Que pode garantir um desempenho constante, porém limitado e com uma pseudo sensação de segurança.
As causas mais frequentes que nos fazem ficar na zona de conforto são:
· Preguiça: Quando o indivíduo sente cansaço, falta de energia, apatia, desinteresse, depressão, ansiedade, culpa, desmotivação ou tudo ao mesmo tempo…
· Soberba: Quando ele não sente necessidade de aprender nada ou de aprimorar-se, por achar-se pronto, “brilhante” e perfeito (“síndrome do copo cheio”).
· Medo: Quando tem receio de enfrentar os próprios medos: medo do desconhecido, dos riscos, das incertezas, do que pode acontecer, de perder controle ou do que os outros possam pensar.
· Miopia: Quando não se têm claros os impactos e as consequências de algumas atitudes e comportamentos em nossas vidas, no médio e longo prazos.
E quais as consequências de ficarmos neste estado letárgico, reativo e confortável? Várias…
· Desperdício do próprio talento: que é um processo de auto-sabotagem… Apesar da pessoa ter muito potencial, não consegue otimizá-lo nem transformá-lo em performance (como uma mina de diamantes lacrada, inexplorada e improdutiva).
· Impactos negativos na carreira, na imagem e na empregabilidade: ao invés da pessoa ter uma carreira ascendente e bem sucedida, fica estagnada ou até involui profissionalmente.
· Pode acarretar prejuízos à saúde (sedentarismo, obesidade ou dependência química), ao intelecto (perda de memória, de raciocínio e de agilidade mental), à psique (imaturidade, dependência, insegurança e áreas cegas) e à dimensão espiritual (falta de altruísmo, de senso de propósito e da capacidade de ajudar as outras pessoas).
· Pode fazer com que invistamos pouco no nosso autodesenvolvimento, que está ligado a aprender, a mudar nossos comportamentos, a evoluir e a buscar nosso sucesso.
Para finalizar, algumas dicas para não ficarmos na nossa zona de conforto e sermos pessoas realizadas, equilibradas e bem-sucedidas :
· Sonhem grande!
· Sejam muito competentes e comprometidos em tudo que fizerem.
· Sejam muito curiosos, nunca parem de estudar e aproveitem ao máximo os cursos que fizerem;
· Leiam MUITO;
· Façam intercâmbio no exterior (trabalho ou estudo);
· Façam parte de alguma entidade na sua área/ faculdade/ sociedade;
· Fiquem completamente fluentes em inglês e espanhol;
· Preocupem-se com a imagem que projetam para os chefes, clientes, fornecedores, colegas, professores, etc;
· Pratiquem esportes coletivos/ aventura;
· Façam trabalhos voluntários;
· Administrem seu tempo e sua energia com sabedoria (prazer + dever);
· Tenham lazer muito saudável e gratificante.
Sandra Betti é sócia-diretora da consultoria MBA Empresarial, especialista em Assessment Center, Identificação de Talentos, Desenvolvimento Gerencial  e Team Building.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Vagas de emprego em Santa Cruz do Capibaribe

Você que está desempregado e em busca de emprego, nesta última segunda-feira do ano, a Agência do Trabalho de Santa Cruz do Capibaribe está com várias vagas de trabalho. Fique atento a documentação necessária para o atendimento para vagas que são Carteira de Trabalho, Identidade e CPF.

Confira as vagas de emprego para hoje em Santa Cruz do Capibaribe:


  • Pizzaiolo -1º Grau Completo
  • Costureiro(a) - 1º Grau Completo
  • Garçom - 2º Grau Completo
  • Gerente comercial - Superior Incompleto

A Agência do Trabalho fica na Rua Maestro Alexandre,93, Nova Santa Cruz - FONE: 3731-3006. Lembrando que o horário de atendimento ao público é de 8hs até 13hs.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Docente de Santa Cruz participa de missão internacional



Fonte: SENAI

Não é difícil saber onde a maioria dos pernambucanos vai estar na segunda-feira (8) de Carnaval. Opções de points pra folia não faltam, mas um deles terá um destino diferente nesse período de festa. Cléber Lima, gestor do programa Inova Moda em PE, está de malas prontas para viajar pela Alemanha e França entre os dias 8 e 17 de fevereiro.

O docente da Escola Técnica Santa Cruz representará o estado numa missão de pesquisa de moda, design, comportamento e inovação. Outros cinco técnicos dos Departamentos Regionais (DR) do Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e Distrito Federal também pisarão em solo europeu para visitar feiras têxteis, showrooms, museus, lojas e institutos de pesquisa das cidades de Berlim e Paris.

A ação faz parte do processo de desenvolvimento da 6ª edição do Caderno Inova Moda, com publicação prevista para outubro deste ano. O SENAI Pernambuco e mais 26 DRs colaboram para a construção do Inova Moda, fazendo uso de sua expertise no segmento de têxteis e confecções.
“Nosso Departamento Regional tem buscado elevar o nível de suas contribuições para compartilhar com outras regiões informações, técnicas e métodos que possam facilitar a promoção da inovação dentro da indústria”, afirma Cléber. 

Fiquem atentos aos dias e horários da feira livre

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Meio Ambiente, através da Gerência de Feiras e Mercados informa aos comerciantes e população, que em virtude das festividades carnavalescas, o calendário de feiras em Santa Cruz do Capibaribe foi ajustado.

Confira os detalhes na imagem abaixo:

Calendario de Feiras

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016


Receita Federal aumenta controle sobre as movimentações financeiras

Fonte: Jornal Nacional - Globo.com



Receita Federal aumentou o controle sobre as movimentações financeiras dos brasileiros.
A nova norma está valendo desde dezembro. No caso das pessoas físicas, qualquer movimentação mensal acima de R$ 2 mil terá de ser informada à Receita Federal pelos bancos e outras instituições, como seguradoras e administradoras de consórcio.
Vale para conta corrente, poupança e também para aplicações em fundos de investimento, ações, consórcios, previdência complementar, seguros.
No caso das empresas, serão informadas as movimentações a partir de R$ 6 mil por mês. Antes, os limites eram calculados a cada seis meses e só ia para o fisco o que passasse de R$ 5 mil para pessoas físicas e de R$ 10 mil para empresas.
Um exemplo: se uma pessoa pagar um seguro de um automóvel de mais de R$ 2 mil em um mês, essas informações serão enviadas para o fisco. Se ela aplicar ou retirar mais de R$ 2 mil da poupança, também.
Com essas mudanças, a Receita Federal passa a ter um controle bem mais rigoroso da vida financeira dos contribuintes. As informações ficam armazenadas à disposição da fiscalização. Mas especialistas questionam: a Receita tem respaldo legal para isso?
No Supremo Tribunal Federal, há pelo menos cinco ações de entidades como a Confederação Nacional do Comércio sobre o assunto. Elas alegam que só o juiz pode autorizar o acesso a esses dados financeiros.
O advogado tributarista Raul Haidar critica a medida que ele considera exagerada.
“A secretaria da Receita Federal pensa que tem poderes para regulamentar a vida das pessoas com instrução normativa. A Constituição é muito clara: ninguém é obrigado a fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, diz.
Outro tributarista afirma que a nova regra acaba substituindo o controle que havia com a CPMF, que registrava cada transação bancária. E que nada garante que o sigilo dos dados dos contribuintes será preservado.
“O contribuinte hoje não tem a menor garantia de que a Receita não use a informação que terá na movimentação financeira para investigar a vida dele e as atividades que ele tem, mesmo que o valor não seja de grande interesse para a Receita e também que a Receita não veja uma incompatibilidade imediata entre o valor movimentado e a declaração de Imposto de Renda”, explica Fernando Zilveti, advogado tributarista.
A Receita afirma que a nova regra respeita o sigilo das operações. Porque continua sendo proibido identificar a origem ou o destino do dinheiro que foi informado pelas instituições.

Essa identificação, segundo a Receita, só acontecerá em um segundo momento, com o cruzamento de dados, se as movimentações não forem compatíveis com a declaração do Imposto de Renda.

“A Receita passa a ter um maior volume de informações, ou seja, o nosso gerenciamento de risco sobre o contribuinte que cumpre as suas normas é mais efetivo em relação aquele que não cumpre as suas normas e permite que a fiscalização da Receita possa fazer um planejamento, uma identificação mais certeira daqueles que não cumprem a norma tributária”, diz Iágaro Martins, subsecretário de fiscalização da Receita Federal.