Topo

Topo

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Janeiro Branco: Bate Papo entre profissionais da Moda

O evento Janeiro Branco é alusivo a saúde mental e teve programação toda especial na CDL de Santa Cruz do Capibaribe, na noite da última quinta-feira (23). A idealização foi do publicitário Rodolfo Alves, ele que integra a Câmara Setorial de Moda e Criatividade. 

Rodolfo reuniu amigos, parceiros e especialistas para um bate papo sobre saúde mental e a primeira meta, é cuidar de si mesmo. Estiveram no bate papo a psicóloga Dra. Wagna Cristiane e a pedagoga Dra. Sandra Roberta. O evento ocorre em janeiro, pois trata-se do primeiro mês do ano, onde as pessoas estão mais propensas a refletir sobre as suas vidas e alguns pontos como:  Estar bem consigo mesmo e com seus familiares, colegas, amigos e qualquer outro; Entender os desafios da vida; Saber lidar com as boas emoções e também com aquelas desagradáveis, mas que fazem parte da vida e reconhecer o próprio limite e buscar ajuda quando necessário, faz toda diferença para seguir em frente.

Confira nas imagens como foi a movimentação do evento.






Feriados 2020


Faça seu certificado digital na CDL


segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Inadimplência perde fôlego e país abre 2020 com 61 milhões de brasileiros negativados, revelam CNDL/SPC Brasil

Fonte: Ascom CNDL e SPC Brasil

A melhora gradual da conjuntura econômica somada a algumas ações pontuais, como campanhas de renegociação de dívidas e a liberação dos recursos do FGTS contribuíram para aliviar o bolso do brasileiro neste início de ano. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que o volume de brasileiros com contas em atraso caiu pelo segundo mês seguido e encerrou o ano de 2019 com uma pequena queda de -0,2% na comparação com o ano anterior. A título de comparação, em 2018 o indicador havia encerrado o ano com uma alta expressiva de 4,4% no número de inadimplentes.
A estimativa é que aproximadamente 61 milhões de brasileiros tenham começado o ano de 2020 com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas.
Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a inadimplência mais bem-comportada neste início de ano reflete um cenário de recuperação de crédito, impulsionado pelas campanhas de renegociação promovidas no fim do ano passado. “A expectativa é de que a inadimplência siga em queda pelos próximos meses, mas a passos lentos. A aceleração desse quadro passa pela continuidade da melhora econômica e, em especial, daquilo que toca diretamente o bolso do consumidor: emprego e renda. Mesmo com a inadimplência caindo aos poucos, as famílias ainda enfrentam dificuldades para honrar seus compromissos em dia, tanto é que há um estoque elevado de pessoas com contas sem pagar”, explica Pellizzaro Junior.
Nordeste lidera queda da inadimplência; 53% dos inadimplentes possuem dívidas em atraso que não ultrapassam 1 mil reais
Somando todas as pendências, cada consumidor inadimplente deve, em média, R$ 3.257,91. Já descontando os efeitos da inflação, os valores observados agora são 30% menores do que no início da série histórica, em 2010 (R$ 4.238,32). De modo geral, pouco mais da metade (52,8%) dos brasileiros inadimplentes têm dívidas em atraso de até R$ 1.000 e 47,2% acima desse valor.
Em dezembro, o recuo mais expressivo da inadimplência na comparação anual se deu nas dívidas com o setor de comunicação, que englobam contas de telefonia, internet e TV por assinatura: queda de -16,4%. As dívidas bancárias, que levam em conta cartão de crédito, cheque especial, empréstimos e financiamentos, caíram -1,9%. Já o as dívidas contraídas no comércio via crediário subiram 0,9%, enquanto as pendências básicas com água e luz cresceram 2,1%. No geral, considerando todos os tipos de dívidas em atraso, houve queda de -3,3% na comparação anual.
Analisando os resultados por região, o Nordeste apresentou a queda mais expressiva na quantidade de inadimplentes, um recuo de 3,2% na comparação entre dezembro de 2019 e dezembro de 2018. No Sudeste, a variação foi pequena e ficou em 0,7%, ao passo que houve um avanço de 4,8% no Norte e de 3,8% no Centro-Oeste.
De modo geral, o Norte é a localidade mais inadimplente em termos proporcionais: a estimativa é que 47,2% dos residentes adultos da região estejam com o CPF negativado, ou 5,9 milhões de consumidores nessa situação. Em seguida aparece o Centro-Oeste (42,4% ou 5,1 milhões de inadimplentes), Nordeste (40,2% ou 16,6 milhões de negativados), Sudeste (37,4% ou 25,2 milhões de pessoas com contas em atraso) e Sul (35,5% ou 8,2 milhões de inadimplentes.
Inadimplência cresce 3,7% entre idosos, mas cai na faixa dos 18 anos 39 anos
O indicador ainda mostra que a inadimplência tem apresentado comportamentos distintos, conforme a faixa etária. No último mês de dezembro, houve queda expressiva na parcela mais jovem da população, enquanto observou-se uma alta entre os mais velhos na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Considerando a população de 18 a 24 anos, houve queda de 21% na quantidade de inadimplentes. Já entre os idosos de 65 a 84 anos, a alta foi de 3,7%.
O número de devedores também caiu entre os que têm de 25 a 29 anos (-11,2%) e de 30 a 39 anos (-3,2%). Considerando as pessoas de 50 a 64 anos, houve uma alta de 1,8% na inadimplência, ao passo que ela ficou em apenas 0,8% entre os de 40 a 49 anos.
“A permanência maior dos idosos no mercado de trabalho e, portanto, mais ativos no mercado de consumo, assim como a renda menor este estágio da vida, são fatores relevantes que impulsionam a inadimplência neste público. Há ainda o hábito que alguns idosos possuem de emprestar o nome a terceiros, geralmente familiares, principalmente diante da facilidade de acesso ao crédito consignado. Com o desemprego alto, em muitas famílias o idoso que recebe a aposentadoria é a única fonte de renda”, analisa a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Em Santa Cruz do Capibaribe-PE oito em cada 10 empresários acreditam que 2020 será melhor do que foi 2019

Otimismo para começar bem o ano novo. Segundo pesquisa realizada pela CDL Santa Cruz do Capibaribe e ASCONT (Associação dos Contabilistas de Santa Cruz do Capibaribe), a maior parte dos empresários acredita que 2020 será um ano melhor para os negócios. Oito em cada dez empresários estão esperançosos que 2020 seja um ano com vendas melhores do que foi 2019. 

O estudo foi feito com base na reabertura das empresas no início de janeiro de 2020. Participaram da pesquisa empresários dos segmentos de comércio atacadista de tecidos, indústria e comércio de confecções e do comércio em geral. 

Para o presidente da CDL, Bruno Bezerra, "O empreendedor de Santa Cruz segue fazendo a sua parte que é acreditar, trabalhar duro e torcer para ninguém atrapalhar". É a esperança e o pensamento positivo fortalecendo o cenário econômico da cidade-mãe do polo de confecções do agreste pernambucano.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

Em cada dez brasileiros, apenas um tem renda suficiente para pagar despesas de início de ano, mostra pesquisa CNDL/SPC Brasil

Fonte: Ascom CNDL SPC Brasil

Passada a euforia das compras de Natal e das comemorações de Réveillon, chega o momento de reflexão e de organização com o pagamento das tradicionais contas de início de ano. Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que apenas 11% dos consumidores brasileiros têm condições de pagar as despesas sazonais deste período, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) e material escolar, com os próprios rendimentos, sem que seja necessário fazer uma economia ou reserva financeira ao longo do ano. A pesquisa ainda mostra que 22% dos entrevistados não fizeram qualquer planejamento para pagar esses compromissos em 2020.
De acordo com o levantamento, para este novo ano, a maior parte (26%) dos entrevistados teve de economizar nas festas e com as compras de Natal para conseguir pagar as despesas de início de ano. Outros 21% guardaram ao menos parte do 13º salário para honrar os compromissos, ao passo que 17% disseram ter montado uma reserva ao longo de 2019 para cobrir os gastos no futuro. Outra descoberta é 14% passaram a fazer algum bico para acumular uma renda extra.
Na avaliação da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, quem já se organizou para este momento está em situação mais confortável do que aqueles que terão de parcelar as despesas. “O recomendável é que o consumidor já tenha traçado no final do ano passado um planejamento das suas despesas sazonais, separando mensalmente uma quantia para essa finalidade.  Mas quem ainda não teve tempo ou nem pensou nisso, precisa agilizar a organização para não passar sufoco e manter a disciplina para que as prestações não desajustem o orçamento”, afirma a economista.
De acordo com um levantamento do SPC Brasil, na média, o brasileiro que parcelou suas compras natalinas vai terminar de pagar essas prestações somente no mês de abril, o que sinaliza um orçamento comprometido para além do primeiro trimestre do ano.

IPTU e IPVA: pagar à vista ou parcelado?

Os especialistas do SPC Brasil explicam que para se livrar de compromissos como IPTU e IPVA o mais cedo possível, o recomendado é sempre pagá-los à vista, geralmente, com alguma reserva montada especificamente para esse tipo de gasto. No entanto, se o consumidor for mais organizado e quiser avaliar se o desconto no pagamento único é vantajoso em vez do parcelamento, ele deve fazer um cálculo mais criterioso.
O primeiro passo é avaliar se o desconto oferecido é maior do que o valor que esse dinheiro renderia caso estivesse em alguma aplicação financeira, como a poupança, por exemplo, que rende 0,3% ao mês e é isenta de taxas. No caso do IPTU, considerando um parcelamento em 10 meses, o pagamento à vista será vantajoso se o desconto for superior a 1,5%. No caso do IPVA, supondo um parcelamento em 3 vezes, para o pagamento ser realmente vantajoso, basta que o desconto supere os 0,5%.
Já quem não tem dinheiro guardado deve inevitavelmente pagar a prazo e iniciar um planejamento para quitar essas despesas sem passar por sufoco, dica que vale para todos os consumidores. A sugestão da economista do SPC Brasil é que para os próximos anos, o consumidor faça uma programação automática ou vá separando todo mês um determinado valor para quitar os compromissos sazonais.

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Moda Center realiza sua primeira feira do ano


Nesta segunda e terça (7), acontece a primeira feira de 2020 no Moda Center Santa Cruz. Milhares de clientes realizaram suas compras, tendo como principal objetivo a reposição dos estoques após a alta temporada de vendas no último final de ano, em que o parque recebeu mais de 900 mil compradores vindos de várias partes do país.

As expectativas do síndico José Gomes Filho e dos diretores do Moda Center é que a movimentação siga aquecida até a proximidade do Carnaval, muito disso impulsionado pela busca, por parte dos clientes, de artigos de moda e vestuário alinhados com as tendências que marcam o Verão 2020. 
Esta semana marca a volta dos dias habituais da feira no centro de compras: segundas e terças, das 6h às 18h.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Governo de Pernambuco aumenta carga tributária de tecido e artigos de armarinho


O Polo de Confecções do agreste de Pernambuco é um dos ambientes de negócios que mais gera oportunidades para empreender, criação de emprego e distribuição de renda no estado. Contudo, a Lei Complementar nº 420, de 18 de dezembro de 2019, aumentou a carga tributária do tecido e armarinho para os distribuidores atacadistas.

Tecidos e artigos de armarinho são os principais insumos na produção de roupas. O aumento da carga tributária vai elevar o custo desses insumos e, consequentemente, vai aumentar o custo das roupas produzidas no Polo de Confecções e fazer o setor perder competitividade no concorrido mercado da moda.

Para Bruno Bezerra, presidente da CDL Santa Cruz do Capibaribe-PE, é lamentável um aumento de carga tributária diante das muitas dificuldades que temos passado para manter as empresas em funcionamento num mercado com uma crise que persiste ano após ano. O trabalho do governo deveria ser no sentido de ajudar, e não de atrapalhar tornando a carga tributária ainda mais difícil de suportar.

O atacadista de tecidos, Robson Ferreira, lamenta mais um aumento da carga tributária para o segmento. “Nós atacadistas sofremos há cinco anos com uma crise que, infelizmente, não quer passar. Além disso, nós já temos uma das mais altas cargas tributárias do mundo, isso nos fragiliza diante da concorrência das confecções importadas, diminuindo as vendas das confecções locais, o que tem afetado muito os atacadistas de tecidos", disse.

Para o contador Luciano Bezerra, outro ponto que precisa ser levado em consideração nessa questão tributária é que esse tipo de obrigação fez com que algumas empresas de confecções amargassem autos de infrações milionários.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Você vai pagar taxa do cheque especial mesmo sem usar; saiba o que fazer


Fonte: Uol Economia

Muita gente viu a notícia de que o Banco Central limitou os juros do cheque especial a um teto de 8% ao mês. Mas muitos outros não perceberam uma outra regra criada junto: os bancos vão poder cobrar uma tarifa mesmo de quem não usa o cheque especial. A partir do dia 1º de junho, basta ter um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar essa tarifa. Ou seja, mesmo que você não entre no cheque especial, o banco poderá cobrar uma taxa de você. Só não pagarão essa tarifa os clientes que tiverem até R$ 500 de limite. Acima disso, todos pagarão. O valor máximo dessa taxa será de 0,25% do limite por mês. O que você deve fazer com isso? Cancelar o seu limite? Reduzir para R$ 500? Esperar para ver o que o banco vai oferecer? Entenda a seguir.

Como funciona a nova taxa

Se você tiver um limite de até R$ 500,00, o banco não pode cobrar nenhuma tarifa. Apenas os juros sobre o que você utilizar. Mas se você tiver um limite além de R$ 500 no cheque especial, o banco poderá tarifar você. Por exemplo: se seu limite for de R$ 1.000,00, a parcela isenta é de R$ 500. Os outros R$ 500 que sobram vão permitir que o banco cobre R$ 1,25 por mês (0,25% de R$ 500). Se você entrar no cheque especial, essa tarifa deverá ser descontada dos juros. Ou seja, se você passou um mês no cheque especial, com um crédito de R$ 1.000,00, sendo a taxa de juros de 8%, você vai pagar R$ 80 de juros, menos R$ 1,25 que havia sido pago de tarifa.

Banco tem que avisar antes

Na regra criada pelo Banco Central, está determinado que os clientes têm que ser avisados até um mês antes de começar a cobrança da tarifa. "O banco tem que entrar em contato com todos os clientes para avisar sobre a nova cobrança, caso resolva adotá-la. Assim, é o consumidor quem fará a escolha", afirma Guilherme Farid, chefe de gabinete do ProconSP. Segundo o Banco Central há 80 milhões de clientes de bancos que têm um limite acima de R$ 500. Outros 19 milhões de consumidores têm o limite de crédito no cheque especial abaixo dos R$ 500. Então, há um universo grande de consumidores que precisam ser avisados.

Devo reduzir meu limite para R$ 500?

Alguns consultores dizem que o melhor é antecipar-se e pedir ao banco a retirada do limite caso a instituição decida cobrar a tarifa sobre o cheque especial. Outros dizem que é bom negociar antes. Pode ser que o banco não cobre a tarifa no seu caso ou cobre menos. E um limite especial mais alto, que você já tenha, pode ser útil em alguma emergência. Se o banco começar a cobrar a tarifa sem avisar, cabe até uma ação. Se o consumidor não contratou um serviço e foi cobrado sem sua clara solicitação, fica caracterizada prática abusiva, prevista no artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, diz o Procon-SP.

"Sem dúvida, o cliente tem que se antecipar e pedir o ajuste no limite do cheque especial para até R$ 500, ou negociar para que não haja a cobrança da tarifa. Afinal, existe o risco de o cliente começar a pagar sem sequer a perceber a cobrança da tarifa no meio dos juros", afirma a educadora financeira da Dsop Educação Financeira, Ana Rosa Vilches.

Limite não pode virar parte do salário

A mesma consultora alerta que abrir mão do limite no cheque especial exige mais atenção com as contas. "Cheque especial é, como o nome diz, algo especial. Infelizmente muitos brasileiros consideram o cheque especial um complemento de renda. Acabam esquecendo de contabilizar os custos dos juros e, quando vão ver, entraram em uma dívida grande", diz Ana Rosa. "Se a pessoa não consegue nem sequer administrar as contas, como vai perceber a tarifa e os juros que o banco está cobrando?", diz ela.

Melhor pagar multa por atraso ou juros do cheque?

Entre as dicas, está a de reduzir opões no débito automático. Assim, se aquela fatura mais pesada cair no dia em que sua conta estiver com pouco saldo, o boleto vai voltar. É melhor pagar a multa do que cair nos juros do cheque especial, dizem os consultores. O que é mais barato: crédito pessoal ou cheque especial? Se faltar dinheiro, é melhor pedir um crédito pessoal porque as taxas de juros são inferiores à metade das cobradas no cheque especial. Para se ter uma ideia, a taxa média cobrada no cheque especial é de 12,4% ao mês. Vai cair para 8% a partir de janeiro do ano que vem, de acordo com a regra criada pelo Banco Central. 

A taxa média no crédito pessoal é de 5,9% ao mês. Se for uma linha de crédito consignado, ou seja, vinculada a salário, esse custo cai para 2,5%, no caso do trabalhador do setor privado, e a 1,4%, para o funcionário público.

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Amigo secreto deve movimentar R$ 7,5 bilhões na economia

Fonte: Ascom CNDL/SPC Brasil

Quatro em cada dez consumidores pretendem participar da brincadeira; gasto médio com cada presente deve ser de R$ 68
Cada vez mais, os brasileiros têm se rendido ao famoso ‘Amigo Secreto’, também conhecido como ‘Amigo Oculto’, para comemorar as festas de fim de ano. Um levantamento feito em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que, este ano, 42% dos consumidores que vão presentar no Natal devem aderir à brincadeira — um aumento de 9 pontos percentuais em relação a 2018. Com isso, a previsão é de que cerca de R$ 7,5 bilhões sejam injetados na economia.
Estima-se ainda que 66,3 milhões de pessoas participem de pelo menos algum `Amigo Secreto´ no trabalho ou na família. As principais motivações apontadas pelos entrevistados foram o fato de gostar desse tipo de celebração (59%) e considerar a brincadeira uma boa maneira de se economizar com presentes (36%). Há ainda aqueles que, apesar de entrar na brincadeira, sinalizaram não gostar desse tipo de comemoração: 12% disseram que participam para não serem vistos como antissociais.
Praticamente metade (49%) dos entrevistados pretendem participar de apenas um evento e outros 39% de dois. Em média, os consumidores pretendem participar de quase dois eventos de amigo secreto. A maioria (72%) realizará a brincadeira entre os familiares, seguidos daqueles que farão o amigo secreto entre amigos (38%) e colegas de trabalho (29%).
Em média, os consumidores ouvidos pretendem gastar R$ 67,70 com cada presente, sendo que 44% planejam desembolsar até R$ 50,00 — o que aumenta para 53% entre as mulheres e 49% nas classes C e D. “O amigo secreto parece nunca sair de moda entre os brasileiros. É uma brincadeira democrática e uma ótima alternativa em tempos de orçamento apertado”, explica o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.
Aqueles que optaram por ficar de fora desse tipo de evento somam 40% dos entrevistados, ao passo que 17% ainda não decidiram. Considerando os que não participarão desse tipo de confraternização, 48% garantem não gostar da brincadeira. Outros 35% disseram que parentes, amigos e colegas de trabalho não têm costume de fazer `Amigo Secreto´ e 17% alegam não ter dinheiro.
Apesar de a brincadeira ter seu lado positivo, Vignoli alerta para os cuidados com orçamento. “O que à primeira vista parece vantajoso, pode ficar caro se o consumidor decidir entrar em todos os amigos secretos do seu círculo de convivência. A dica é participar apenas de comemorações em que o preço é estipulado com antecedência. Também vale analisar se esse dinheiro não fará falta no fim do mês, comprometendo assim o pagamento das contas”, orienta.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Moda Center registra grande movimentação de clientes neste final de semana



Cerca de 120 mil pessoas estiveram no Moda Center Santa Cruz, neste final de semana, para realizar suas compras. Com a antecipação da chegada de clientes ao parque, os comerciantes atenderam à demanda extra, o que garantiu uma intensa movimentação já no sábado e que continuou no domingo (15).

Até o final da alta temporada, no 30 de dezembro, mais de 900 mil clientes devem passar pelo gigante comercial, números que se alinham com a estimativa de crescimento para a venda de artigos de vestuário, que gira em torno de 8% em relação ao mesmo período do ano passado. 

Programe-se:

A partir de 6 de janeiro de 2020, as feiras no Moda Center Santa Cruz voltam a ser realizadas às segundas e terças, das 6h às 18h.

Confira imagens:





quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Agreste Tex abre inscrições gratuitas para visitantes em Caruaru


Estão abertas as inscrições gratuitas para os visitantes que quiserem ir ao Agreste Tex. O evento vai ser realizado de 24 a 27 de março de 2020, no Polo Caruaru, no Agreste de Pernambuco, e vai contar com a participação de mais de 300 marcas.

O intuito do evento é trazer para o município todas as novidades relacionadas à produção têxtil. Os participantes vão poder conferir bordadeiras ultramodernas e máquinas de costuras de última geração, além de participar de uma programação de palestras gratuitas. São esperados em Caruaru profissionais do setor, empresários de todo o Nordeste, compradores, professores e estudantes interessados na indústria da moda. 

Os primeiros 100 inscritos na feira, e que visitarem o evento, vão concorrer ao sorteio de uma máquina de costura. Segundo a organização o evento tem a expectativa de gerar mais de R$ 300 milhões em negócios, um acréscimo de 20% em comparação com a edição anterior.

Serviço
Agreste Tex
Data: 24 a 27 de março de 2020
Horário: das 16h às 22h
Local: Polo Comercial.
Inscrições aqui.

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Moda Center registra sua maior feira do ano


Neste domingo (8), cerca de 150 mil pessoas estiveram no Moda Center Santa Cruz. Esta é considerada a maior feira do ano até o momento, desde que a alta temporada começou oficialmente em 3 de novembro.

Com a feira deste domingo, somam-se mais de 650 mil pessoas que já passaram pelo gigante comercial nesse período. De acordo com as estimativas da administração, até o final do ano cerca de 900 mil pessoas deverão passar pelo centro atacadista.

O público, formado por atacadistas em busca de mercadorias para reabastecer os estoques das lojas Brasil afora, sacoleiros e clientes que vieram comprar presentes de Natal e garantir o look para as festas de réveillon, lotou os corredores de boxes e lojas do Moda Center, que segue até o dia 30 de dezembro realizando suas feiras aos domingos e segundas, das 6h às 18h.

A estimativa de crescimento gira em torno de 8% em relação ao mesmo período do ano passado.

Confira imagens registradas neste domingo:





sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Projeto Bichos da Caatinga conquistou o maior prêmio ambiental de Pernambuco na categoria inovação tecnológica

Estamos muito felizes com essa conquista, o maior prêmio da área ambiental em Pernambuco. Na sua 30ª edição, o Prêmio Vasconcelos Sobrinho bateu recorde de inscrições: foram mais de 70 projetos, distribuídos em sete categorias.

O Prêmio, criado no ano de 1990, é o reconhecimento do Governo do Estado de Pernambuco, por meio da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), às empresas e pessoas físicas que desenvolvam práticas de destaque em defesa do meio ambiente. Na categoria Inovação Tecnológica o grande vencedor foi o projeto Bichos da Caatinga.

Agradecemos a todos que fazem parte da nossa rede de atitudes para preservação da fauna e flora da Caatinga. Vamos em frente com foco no nosso maior propósito: inspirar cada vez mais pessoas a cuidar da natureza, através do único bioma exclusivamente brasileiro: a Caatinga.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

CDL, Sicoob e Igreja Católica montam árvore da gratidão

Com a recente transformação do comércio de rua, cada vez mais crescente no País, a Avenida 29 de dezembro, em Santa Cruz do Capibaribe tornou-se um ponto essencial de reposicionamento para o comércio da cidade. Com essa visão, a CDL, em parceria com o SICOOB e a Igreja Católica, cria mais uma vez um clima natalino na cidade.

Com o tema, “árvore da gratidão”, uma árvore foi ornamentada e iluminada, dando um efeito muito belo todas as noites. A ação é parte um trabalho integrado e que visa fortalecer o comércio local, como explica o presidente da CDL, Bruno Bezerra. “A continuidade do nosso trabalho de organizar, valorizar e unir o comércio com propósito de fortalecer a economia local”, explicou.
a avenida ganhou o reforço da união dos  lojistas para melhorar os negócios na principal avenida da cidade.

Em Tempo: Para tanto, torna-se necessária uma conscientização das pessoas, a fim de que não tirem as bolas que ornamentam a árvore. Afinal, a beleza pode ser contemplada por todos, se alguns colaborarem e não retirar as bolas da árvore da gratidão.


segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Moda Center supera expectativa e atrai mais de 140 mil pessoas neste domingo


Dezembro começou superando as expectativas dos comerciantes no maior centro atacadista de confecções do país. Neste domingo (1º), mais de 140 mil pessoas estiveram no Moda Center Santa Cruz.

Nas primeiras horas da manhã, o centro de compras já estava repleto de clientes, entre atacadistas e pessoas que vieram aproveitar para comprar roupas para dar de presente de Natal ou para montar o look para as festas de Fim de Ano.

Muito dessa grande movimentação foi motivada pelo pagamento da primeira parcela do 13º, cuja data limite foi o último sábado (31). Com esse “dinheiro a mais” aquecendo a economia, na moda e vestuário não poderia ser diferente. Para este ano, estima-se que o setor cresça cerca de 8% em relação ao ano passado.

Confira as imagens deste domingo: