Topo

Topo

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017


Mudanças no Simples Nacional garantem sobrevivência dos negócios

Fonte: Fenacon

As mudanças no Simples Nacional, principalmente o aumento do limite de faturamento para poder optar pelo regime, têm garantido a sobrevivência das empresas de menor porte no Brasil.

Estudo realizado pela BigData Corp, obtido com exclusividade pelo DCI, revela que entre 12,72 milhões de negócios ativos cadastrados no Simples Nacional, 24,34% estão em operação de cinco a dez anos. Outros 11,94% atuam de dois a três anos, mais 10,8%, de três a quatro anos, e 9,60% estão na ativa de quatro a cinco anos.

Ou seja, esses negócios continuaram a operar mesmo na recente recessão econômica, considerada a pior da história brasileira, com redução do consumo e escassez de crédito tanto público, quanto privado.

“O Simples Nacional foi uma grande aposta já que, como o próprio nome diz, simplifica a obrigação tributária. O empresário busca o melhor regime para reduzir a quantidade impostos a ser pagos. Ao aumentar o limite do faturamento [nos últimos anos], houve uma migração para esse regime [favorecendo a consolidação desses negócios]”, aponta Thoran Rodrigues, fundador e ceo da BigData Corp .

O empresário pode optar por três regimes tributários no Brasil (Simples, Lucro Presumido ou Lucro Real) a depender das características do negócio. No caso do sistema simplificado, este pode ser escolhido pelas companhias cujo faturamento anual for de até R$ 3,6 milhões. E no ano que vem, esse limite deve subir para R$ 4,8 milhões, beneficiando ainda mais companhias.

Assim como a sobrevivência, com a vigência do programa Bem Mais Simples, a abertura de empresas ficou mais fácil e ágil. “Em cinco a dez minutos, é possível abrir um negócio”, comenta Rodrigues, ao mencionar que essa iniciativa tem como objetivo a formalização dos profissionais autônomos.

Dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que, com a crise econômica, a informalidade cresceu no País. Em outubro, quase 100% das vagas geradas (868 mil) eram informais (780 mil). E, em comparação com o trimestre encerrado em outubro do ano passado, trabalhadores por conta própria aumentaram em 1,208 milhão, o que capta também os informais.

Apesar desse cenário ter sido gerado pela recessão – desemprego forçou os brasileiros a procurarem formas de obter renda, ocasionando o empreendedorismo por necessidade –, o ceo da BigData Corp, avalia que as mudanças no Simples, incluindo o Microempreendedor Individual (MEI), promovem um novo ambiente de relações do trabalho. “Praticamente 50% dos 12 milhões cadastrados no Simples são MEIs, isto é, cerca de 10% da população economicamente ativa, um percentual considerável. O governo e a sociedade terão que avaliar essa situação”, entende.

Por outro lado, o estudo mostra que essa facilidade de abrir um negócio é maior nas regiões Sul e Sudeste, fazendo com que os negócios menores se concentrem nessas localidades. Das mais de 12 milhões companhias analisadas, 27,21% estão no estado de São Paulo, seguido por Minas Gerais (10,90%), Rio de Janeiro (9,39%), Rio Grande Sul (6,72%) e Paraná (6,43%).

Perfil

Ainda conforme o levantamento, essas 12,72 milhões de empresas cadastradas no regime simplificado de tributação representam 60,73% das companhias ativas na Receita Federal do Brasil.

Um pouco mais de 30% (31,43%) delas está no comércio varejista. “A maior atividade neste setor é a de vendas de roupa, artigos do vestuário e acessórios, sapato, por exemplo. É um negócio mais fácil de ser aberto, há menos burocracia se comparar com um restaurante ou lanchonete”, cita Thoran Rodrigues.

Segundo o executivo, porém, por conta dessa facilidade, é um mercado saturado, o que exige uma pesquisa de mercado se uma pessoa quiser começar a empreender.

Depois de comércio, os setores que se destacam são o de alimentação (8,66%) e o de serviços especializados para construção (5,96%).

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Confiança do comércio avança e atinge maior nível desde julho de 2014

Fonte: Agência Brasil

Depois de ligeira estabilização em novembro, o Índice de Confiança do Comércio (Icom) avançou 2,4 pontos em dezembro, para 94,8 pontos, atingindo o maior nível desde julho de 2014 (95,8 pontos), na série dessazonalizada. Em médias móveis trimestrais, o índice subiu 1,8 ponto pelo quarto mês consecutivo.

As informações fazem parte da Sondagem do Comércio e foram divulgadas hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV). Os dados indicam que a alta do Icom de novembro para dezembro ocorreu em 8 dos 13 segmentos pesquisados.

Para o resultado, no entanto, foi determinante a melhora no Índice de Expectativas (IE-COM), que chegou a avançar 4,9 pontos, atingindo 104,8 pontos, o primeiro valor acima dos 100 pontos desde março de 2014 (102 pontos).

Já o Índice de Situação Atual (ISA-COM) caiu 0,4 ponto no mês, para 85 pontos. Na avaliação do coordenador da Sondagem do Comércio da FGV, Rodolpho Tobler, a queda desse índice, que ocorre pelo segundo mês consecutivo, “mostra que a recuperação das vendas continua sendo um processo gradual”.

Ele ressalta o fato de que, após a acomodação verificada em novembro, o Índice de Confiança do Comércio voltou a subir em dezembro, sustentado pela melhora das expectativas. “A alta do Índice de Expectativa sugere que o setor está otimista em relação à sustentação da fase de recuperação das vendas ao longo do primeiro semestre de 2018”.

Para Tobler, “entre os fatores que vêm impulsionando o otimismo do setor estão a inflação baixa, o ciclo da redução da taxa de juros, as perspectivas de recuperação do mercado de trabalho e a evolução recente da confiança dos consumidores”.

Crescimento anual

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) cresceu, ao longo dos 12 meses deste ano, 15,9 pontos, ao passar de 78,9 pontos, em janeiro, para 94,8 pontos agora em dezembro.

O crescimento de janeiro a dezembro reflete resultados positivos em todos os segmentos que definem o comportamento do Icom, com o Índice de Expectativa chegando a subir 14,9 pontos nos 12 meses do ano.

O crescimento ao longo do ano é ainda maior quando se analisa o comportamento do Índice de Situação Atual, que fechou dezembro em 85 pontos, depois de ter iniciado 2017 com 68,8 pontos - uma expansão de 16,2 pontos no fechamento do ano.

Para a edição de dezembro da Sondagem do Comércio, a FGV coletou informações com 1.179 empresas, entre os dias 1º e 22 de dezembro.

Você sabe como preparar a sua empresa para vender para o governo?

Pensando em abrir novos horizontes para os negócios das micro e pequenas empresas (MPE’s), o Sistema CNDL disponibiliza informações sobre como participar do mercado de compras governamentais.

Para isso, criamos este canal com conteúdo consistente desenvolvido por um parceiro especializado em expandir as atividades dos micro e pequenos empresários: o Sebrae.

Por meio de 10 vídeos explicativos, uma cartilha e todo o passo a passo para habilitar a sua empresa a participar de uma licitação, você terá a oportunidade de inteirar-se dessa oportunidade de negócio.

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Comunicado Sindilojas - Feriado 29 de Dezembro

O Sindicato das Empresas do Comércio de Bens e Serviços de Santa Cruz do Capibaribe (Sindilojas) informa a todos os empresários que no dia 29 de dezembro, próxima sexta-feira, é feriado municipal, alusivo a emancipação de Santa Cruz do Capibaribe, aniversário da cidade. O Sindilojas informa ainda que, caso o empresário deseje abrir sua loja deverá fazer o acordo coletivo de trabalho. Basta se dirigir até a sede do sindilojas, que funciona na CDL para solicitar autorização de funcionamento até as 15 horas da quinta-feira (28).

Para funcionar neste dia, o empresário precisa fazer solicitação junto ao SINDILOJAS, fazer o preenchimento do requerimento e pagar a taxa da contribuição sindical. Mais informações: (81) 3731-7162.

Confiança do Consumidor estabiliza e atinge 41,9 pontos em novembro, mostra indicador do SPC Brasil e CNDL

Fonte: Ascom CNDL e SPC Brasil

80% dos brasileiros ainda avaliam negativamente as condições da economia. Custo de vida alto é o que mais pesa na vida financeira

O nível de confiança do consumidor brasileiro com a economia e suas próprias condições financeiras ficou praticamente estável na comparação entre outubro e novembro de 2017, passando de 42,1 pontos para 41,9 pontos. Os dados são do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Resultados abaixo de 50 pontos mostram que a maior parte dos consumidores segue pessimista com a economia e com a vida financeira.
“Para os próximos meses, espera-se que o processo de recuperação da economia produza efeitos mais perceptíveis para o consumidor, melhorando sua avaliação do momento atual e, consequentemente, a confiança”, afirma o presidente da CNDL, Honório Pinheiro. “A mais aguardada mudança é a redução do desemprego, que já registrou queda nos últimos meses, mas ainda permanece elevado, atingindo número próximo dos 13 milhões.”
O Indicador de Confiança é composto pelo Subindicador de Expectativas, que marcou 53,0 pontos e pelo Subindicador de Condições Atuais, que registrou 30,7 pontos em novembro.
Desemprego é a principal explicação entre quem avalia a economia como ruim
De acordo com o levantamento, 80% dos consumidores avaliam negativamente as condições atuais da economia brasileira. Para 17%, o desempenho é regular e para apenas 2% o cenário é positivo. Entre aqueles que avaliam o clima econômico como ruim, a principal explicação é o desemprego elevado, citado por 42% dos entrevistados. Mesmo com a inflação em queda, a alta de preços de produtos e serviços é causa principal da percepção negativa da economia para 30% dos consumidores, enquanto 11% citam os altos juros.
Já quando se trata de responder sobre a própria vida financeira, 40% dos brasileiros consideram a atual situação como ruim ou péssima. Outros 46% consideram regular e um percentual menor, de apenas 12%, avalia como boa.
O orçamento apertado e a dificuldade de pagar as contas são as principais razões para considerar a vida financeira ruim, apontadas por 37% desses consumidores. Os entrevistados mencionam também o desemprego (29%), a queda da renda familiar (20%) e o fato de terem lidado com algum imprevisto que desorganizou as finanças (6%). Já o percentual de consumidores que veem a sua vida financeira como boa é de 12% e, dentre estes, para 45% as coisas vão bem por causa do controle que fazem do seu orçamento.
“O dado revela a importância de colocar a organização financeira como prioridade, sobretudo em um momento de crise como o que vivemos atualmente”, afirma a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. “Muitos consumidores negligenciam a prática do controle orçamentário e evitam confrontar, na ponta do lápis, o valor dos seus ganhos e dos seus gastos. Isso pode estar na raiz do endividamento, da inadimplência, além de constituir, no longo prazo, um impedimento à realização de sonhos”, diz.
Apenas 10% dos consumidores estão pessimistas com própria vida financeira
A sondagem também procurou saber o que os brasileiros esperam do futuro da economia do Brasil para os próximos seis meses e descobriu que 35% estão declaradamente pessimistas. Quando essa avaliação se restringe à vida financeira, no entanto, o volume de pessimistas cai para apenas 10%. Os otimistas com a economia são apenas 17% da amostra, ao passo que para a vida financeira, o percentual sobe para 53% dos entrevistados.
Para justificar a percepção majoritariamente pessimista com os próximos seis meses da economia, os recentes escândalos políticos surgem com força: 30% citam a corrupção com dinheiro público como a principal razão de seu desalento, seguido pelas discordâncias com as medidas econômicas (19%) e o desemprego (17%).
Tanto entre os otimistas com a economia do pais quanto com a própria vida financeira não sabe explicar ao certo a razão desse sentimento: apenas dizem esperar que coisas boas devem acontecer. Para a economia esse percentual é de 42%, ao passo que para a vida financeira é de 34%.
Ainda com relação ao otimismo com a economia, 12% disseram que já notaram que a pior fase da crise ficou para trás e outros 12% acreditam que as pessoas estão mais otimistas que há alguns meses, razões explicam as boas perspectivas com a economia brasileira. Do lado da vida financeira, 27% veem chances de conseguir um emprego ou uma promoção na carreira, 11% acreditam na melhora da economia e 9% acreditam que fazem uma boa estão de seus recursos, fatos que explicam o comportamento mais esperançosos desses brasileiros.
Custo de vida alto é o que mais pesa na vida financeira
Ainda que os dados de inflação tenham mostrado, de forma recorrente, índices baixos, para 48,0% dos consumidores, o que mais tem pesado na vida financeira familiar é o alto custo de vida. Também pesa sobre o orçamento das famílias o desemprego, citado por 18% dos entrevistados e o endividamento, mencionado por 12%. Além desses, 11% citam a queda dos rendimentos mensais.
Se o custo de vida prejudica o orçamento familiar, a energia elétrica é o item das despesas da casa mais citado quando se fala em aumento dos preços: 81% notaram que os preços desse item aumentaram. Para 75%, houve aumento de preços nos supermercados e para 71%, houve aumento do preço dos combustíveis. Além de se preocupar com o custo de vida, o indicador do SPC Brasil mostra que, dentre os entrevistados que exercem alguma atividade remunerada (62%), 42% não têm receio de serem demitidos. Para 23% o risco é médio e para 27% baixo.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

I Seminário de Gestão da Produção para Indústria de Confecções


Ascont promove workshop de gestão de carreira para associados


Os associados e diretores da Associação Santacruzense de Contabilidade vivenciaram na manhã desta quinta-feira (21), uma verdadeira maratona de conhecimento. A entidade promoveu o workshop “Gestão de Carreira e de Escritório Contábil”, com foco na atuação para obter melhor performance e resultados. A facilitadora foi a Madellon Leite, ela que é professora e atua na área de coaching desenvolvendo pessoas através de palestras, treinamentos e cursos.


O treinamento aconteceu no auditório da CDL e contou com profissionais da contabilidade. Para o presidente da ASCONT, Jacks Barros, o objetivo do workshop é promover um ambiente de capacitação para todos os profissionais que atuam na área contábil do município e região.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Economia brasileira cresceu 0,29% em outubro, aponta Banco Central

Fonte: Jornal O Globo

A economia brasileira avançou 0,29% em outubro, frente a setembro, de acordo com o Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br). O resultado reforça a ideia dos economistas de que o país segue em uma recuperação gradual, após a maior recessão da História. Frente a outubro de 2016, a alta foi de 2,33%.

De acordo com o Banco Central, a atividade cresceu 0,85% desde janeiro até outubro. Nos últimos 12 meses, a economia brasileira chegou ao campo positivo. Por isso, o IBC-Br acumula alta de 0,26%.

O resultado foi melhor do que a expectativa em pesquisa da Reuters, que apontava recuo de 0,15%, na mediana das projeções dos especialistas consultados.

DIFERENÇAS NA METODOLOGIA

Tanto o IBC-Br quanto o PIB são indicadores que medem a atividade econômica, mas têm diferenças na metodologia. O IBC-Br foi criado pelo Banco Central para ser uma referência do comportamento da atividade econômica que sirva para orientar a política de controle da inflação pelo Comitê de Política Monetária (Copom), uma vez que o dado oficial do PIB é divulgado pelo IBGE com defasagem em torno de três meses.

O indicador do BC leva em conta trajetória de variáveis consideradas como bons indicadores para o desempenho dos setores da economia (indústria, agropecuária e serviços).

Já o PIB é calculado pelo IBGE a partir da soma dos bens e serviços produzidos na economia. Pelo lado da produção, considera-se a agropecuária, a indústria, os serviços, além dos impostos. Já pelo lado da demanda, são computados dados do consumo das famílias, consumo do governo e investimentos, além de exportações e importações.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Parabéns


A CDL Santa Cruz do Capibaribe parabeniza a 1ª Diretora de Eventos, Madellon Leite. Ela que ao longo desses anos vem desenvolvendo um bom trabalho como diretora cedelista, trabalhando e fortalecendo o associativismo entre as empresárias do Capital da moda.

A Madellon Leite, nossos sinceros desejos de muita paz, saúde e muito sucesso. São o que desejam todos os colaboradores e diretores da CDL Santa Cruz do Capibaribe.

Venha fazer o seu MBA na CDL de Santa Cruz do Capibaribe. A parceria é com a Faculdade da Indústria - IEL


Comércio de rua aquecido

Em época de final de ano é comum o comércio ficar aquecido. Afinal, são tantas comemorações, amigos secretos, que demanda presentes e por falar em presente, em Santa Cruz do Capibaribe tem uma infinidade de opções para você presentear quem gosta. Dessa forma, a Rua Cabo Otávio e Av. João Francisco Aragão.


A empresária Cinthia Valéria, da Trakids, espera um aumento de 15% em relação ao ano passado. “As expectativas são boas. Embora nessas semanas que antecedem o natal, a gente tenha observado um fluxo de pessoas menor, a gente sabe que muita gente deixa para última hora, mas essa semana do Natal, creio que o fluxo aumenta e iremos superar as expectativas”, disse.


Os clientes que visitaram a Rua Cabo Otávio e Av. João Francisco Aragão puderam ver uma ornamentação natalina em frente as lojas parceiras da Campanha de Natal, além da banda de música, com canções natalinas. Tudo isso para aquecer o comércio de rua e atrair os consumidores para essas duas importantes ruas de comércio em Santa Cruz do Capibaribe.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Refinanciamento de dívidas para micro e pequenas empresas é aprovado no Senado

Fonte: CNDL

O projeto que institui o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional (PERT-SN) foi aprovado nesta quarta-feira (13), no Plenário do Senado Federal. Agora o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 164/2017 segue para sanção da Presidência da República.
“O Congresso mostrou que o Simples Nacional é realmente uma das maiores alternativas na construção de um desenvolvimento equilibrado do Brasil. Ao incentivar o desenvolvimento das micro e pequenas oportunizamos o crescimento para esse universo de empresas brasileiras que estão na matriz do Simples”, avaliou o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.
Segundo o presidente do Senado, Eunício Oliveira, o projeto atende as pequenas empresas, que geram grande número de empregos no país. Segundo Eunício, o refinanciamento das dívidas será de grande ajuda para essas empresas – que respondem por 27% do produto interno bruto (PIB) nacional e empregam 70% dos trabalhadores na iniciativa privada. “É uma forma de fazer justiça para setores mais que fundamentais para a economia brasileira”, acrescentou.
O projeto de autoria do deputado Geraldo Resende (PSDB-MS) foi relatado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) pelo senador José Pimentel (PT-CE).
Adesão
Atualmente, cerca de 70% das empresas brasileiras estão submetidas ao Simples Nacional, segundo dados da Receita Federal do Brasil. Pelo projeto, o prazo de adesão ao PERT-SN será de até 90 dias após a entrada da nova lei complementar em vigor. Poderão ser inseridos no programa os débitos vencidos até novembro de 2017 e apurados na forma do Simples Nacional, independentemente de estarem constituídos, terem a sua exigibilidade suspensa, estarem inscritos na dívida ativa ou submetidos a execução fiscal.
O PERT-SN exige pagamento em espécie de, no mínimo, 5% do valor da dívida, sem descontos, em até cinco parcelas mensais e sucessivas. O débito remanescente poderá ser quitado de três formas: pagamento em parcela única, com redução de 90% dos juros, 70% das multas e 100% dos encargos legais; parcelamento em até 145 parcelas mensais e sucessivas, com redução de 80% dos juros, 50% das multas e 100% dos encargos legais; ou parcelamento em até 175 parcelas, com redução de 50% dos juros, 25% das multas e 100% dos encargos legais.
O projeto estabelece ainda que a adesão ao PERT-SN implicará a desistência compulsória e definitiva de parcelamento anterior da dívida. O texto fixa ainda a incidência de juros, calculados pela taxa Selic, sobre o valor das prestações mensais relativas a títulos federais. Caberá ao Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) a regulamentação do novo programa de refinanciamento de dívidas de micro e pequenas empresas.

Parabéns a todos os arquitetos pelo seu dia


Intenção de investimentos da indústria avança 10,9 pontos

Fonte: Agência Brasil


O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 10,9 pontos no último trimestre deste ano, em relação ao trimestre anterior. O índice, que mede o ímpeto de investimento dos empresários do setor, atingiu o patamar de 116 pontos, o maior nível desde o primeiro trimestre de 2014 (116,6 pontos).

Segundo a FGV, “apesar do bom resultado, o número elevado de empresas prevendo estabilização dos investimentos nos próximos meses sinaliza que parte do setor continua em compasso de espera e que uma aceleração mais expressiva dos investimentos dependerá da redução da incerteza econômica e política”.

As empresas que prevêem investir mais nos 12 meses seguintes passaram de 21,1% do total no terceiro trimestre para 26,6% no quarto trimestre. Já as que pretendem investir menos caíram de 16% para 10,6%. A proporção de empresas prevendo investir mais nos 12 meses seguintes superou a das que projetam investir menos, algo que não ocorria desde 2014.

A proporção de empresas, no quarto trimestre, certas quanto à execução do plano de investimentos ficou em 26,8% e superou a de empresas incertas: 25,3%. Ambos os percentuais são inferiores aos observados no trimestre anterior: certas (28,2%) e incertas (27,3%).

A FGV ainda considera elevado o percentual de empresas incertas, o que “sugere a possibilidade de que o ambiente econômico e político, ainda instável, continue atuando como fator de limitação à expansão dos investimentos nesta fase de recuperação da economia”.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017


Comunicado CDL

A CDL de Santa Cruz do Capibaribe vem através deste comunicado pedir à população que não mude as árvores natalinas que enfeitam as lojas da Rua Cabo Otávio e da Av. João Francisco Aragão. Essa decoração foi realizada com todo empenho dos lojistas das referidas ruas e o seu intuito é criar um clima de natal na cidade, a fim de movimentar ainda mais o comércio nesta época festiva. Aproveitamos ainda para pedir que não retirem os animais nem as frases que enfeitam as árvores. Lembramos que toda ornamentação é monitorada 24 horas por câmeras de segurança. A CDL deseja a todos uma Natal cheio de luz e um 2018 de muito sucesso! Boas Festas!



segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Setor têxtil cresce no Brasil e demanda novo profissional

Fonte: Portal Exame



Após um período de crise devido ao momento econômico do país, a indústria têxtil começou a apresentar sinais de recuperação em 2017. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), além de 5% de crescimento na produção, o setor conseguiu avançar na geração de empregos, com saldo positivo de 16 000 postos de trabalho entre janeiro e abril. Com o cenário positivo, aumenta o número de profissionais de olho nesse mercado. Mas, para aproveitar a nova fase, é preciso estar atento às novas exigências.
“As empresas saem mais produtivas após uma crise. Isso exige dos que ingressarão no mercado de trabalho uma capacidade de entrega maior do que em momentos anteriores”, afirma Fernando Pimentel, presidente da Abit. Por isso, o melhor caminho é investir em uma especialização que atenda às necessidades do mercado.
De acordo com estudos do SENAI CETIQT e da Abit, o aumento da utilização de novos materiais, processos, canais comerciais e técnicas de gestão e a hibridização de produtos e serviços levarão a uma transformação na estrutura industrial do setor. Da mesma forma, tecnologias inovadoras de produção e interfaces entre os consumidores e sistemas de produção deverão estimular o desenvolvimento de novos modelos de negócio.
“Nesse sentido, os profissionais precisam ter uma visão sistêmica do processo de criação, produção e comunicação, com uso de tecnologias de virtualização do desenvolvimento e fabricação. As soluções e redes orientadas pela informação e comunicação entre produtores, fornecedores e consumidores é o que garante agilidade, personalização e maior sustentabilidade ao processo”, explica Marcelo Ramos, assessor da diretoria executiva do SENAI CETIQT.
Para suprir essas demandas, o SENAI CETIQT oferecerá cinco cursos de pós-graduação lato sensu em 2018. “As exigências do mercado foram consideradas em toda a construção das disciplinas dos cursos e, por isso, as ofertas estão alinhadas às últimas tendências da tecnologia e de mercado”, diz Ramos. As aulas começam em março e as inscrições podem ser feitas no site do SENAI CETIQT. Veja, abaixo, mais detalhes dos cursos:

MBI em Indústria Avançada: Confecção 4.0 – Integração de Tecnologias para Projetar a Indústria do Futuro EAD

Pós-graduação Master in Business Innovation (MBI) forma profissionais capazes de elaborar projetos de criação de uma planta de confecção 4.0, gerando processos industriais mais eficientes, produtivos e sustentáveis. As aulas serão práticas, na primeira planta de confecção 4.0 do país, e contarão com a presença de CEOs das principais empresas do setor.

Design de Moda EAD

A pós-graduação em Design de Moda capacita o aluno para o desenvolvimento de projetos de design com foco em produtos de vestuário e de moda. As aulas teórico-práticas são direcionadas ao desenvolvimento de produtos, tendo em vista a abordagem do design para a moda. O SENAI CETIQT oferece aos alunos estreita relação com o mercado por meio da participação de empresas do setor durante a programação do curso.

Materiais e Produtos Têxteis Avançados

Primeira pós-graduação no Brasil com estudo dos produtos e materiais têxteis de alta performance. O curso possibilita o desenvolvimento de novos produtos diante da infraestrutura de plantas-piloto e laboratórios do SENAI CETIQT, como o laboratório de fibras químicas. Por meio de módulos integrados com outros cursos, alunos podem conviver com estudantes de diferentes especializações. Dessa forma, a pós-graduação proporciona conhecimento técnico mais aprofundado acerca dos materiais têxteis de alta performance com aplicações específicas nos setores automobilísticos e de construção civil, saúde, vestuário esportivo e moda.

Design de Estampas

A pós-graduação capacita o profissional para desenvolver projetos de design para o mercado da moda, com foco em estamparia. Por meio de aulas práticas, o curso aborda os processos de design, a relação com o mercado e o networking com empresas do setor. O aluno poderá aproveitar os módulos integrados com cursos da mesma área de negócio que, além da convivência com colegas de outras especializações, oferece a possibilidade de reingresso adiantado em um novo curso de pós-graduação.

Modelagem do Vestuário: Atelier

Nessa pós-graduação, o aluno será capacitado para o desenvolvimento de modelagem criativa, por meio das técnicas de moulage/draping e alfaiataria, adequando os diferentes materiais, cores e texturas. As aulas práticas são direcionadas para o desenvolvimento de produtos, tendo em vista o mercado de moda e festas.

Empresas santa-cruzenses recebem Certificado de Qualidade

 
Diz a máxima que vender serviço é mais complicado do que produto, pois o consumidor está acostumado com o que é palpável. Mas, para as empresas B&F Contabilidade, Aragão & Associados e Bezerra & Associados Assessoria Contábil, essa máxima parece não surtir efeito, pois essas empresas estão ofertando o serviço e sendo agraciadas com prêmios de reconhecimento em nível de Estado. Foi o que aconteceu na semana passada. Os empresários e contadores, Fábio Lopes, Fábio Aragão e Luciano Bezerra, respectivamente, foram até o Recife para receber o Certificado de Qualidade, do Programa de Qualidade de Empresas Contábeis (PQEC). O prêmio é concedido pelo Sindicato das Empresas de Serviços e Assessoramento de Pernambuco (SESCAP).


Em todo o Estado, apenas 27 empresas foram agraciadas, sendo três de Santa Cruz do Capibaribe. De acordo com o presidente do SESCAP, Albérico Moraes, só as empresas que atendem a uma série de exigências é que recebem o certificado. Essas exigências são atestadas em auditorias. A CDL parabeniza aos empresários e suas equipes pelo recebimento do Certificado de Qualidade. 

Novas regras de parcelamento de dívidas de micro e pequenas empresas são aprovadas pela Câmara

Fonte: Ascom CNDL



O Projeto de Lei Complementar (PLP) 171/15 que trata das novas regras de parcelamento de dívidas das micro e pequenas empresas no Simples Nacional foi aprovado pela Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (06). O projeto de autoria do deputado Geraldo Resende segue agora para o Senado Federal.
Aprovado na forma do substitutivo do deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), o texto garante o parcelamento de débitos com o regime especial de tributação vencidos até a competência de novembro de 2017. Por meio do Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pert-SN), as empresas devedoras terão de pagar 5% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em até cinco parcelas mensais e sucessivas.
O restante poderá ser parcelado com descontos de 100% dos encargos legais e honorários advocatícios da seguinte forma:
– integralmente, com redução de 90% dos juros de mora e de 70% das multas;
– parcelado em 145 meses, com redução de 80% dos juros de mora e de 50% das multas; ou
– parcelado em 175 meses, com redução de 50% dos juros de mora e de 25% das multas.

O valor mínimo das prestações será de R$ 300,00, exceto para os microempreendedores individuais (MEI), cujo valor será estipulado pelo Conselho Gestor do Simples Nacional (CGSN).
Como ficará
Os interessados poderão aderir ao parcelamento em até 90 dias após a data de publicação da futura lei complementar. O pedido implicará a desistência de parcelamento anterior.
As prestações mensais serão acrescidas da taxa Selic e de 1% relativo ao mês de pagamento.
Segundo o deputado Otavio Leite o texto vai permitir que cerca de 600 mil empresas inadimplentes permaneçam no Simples Nacional. Ele disse que é justo estender às micro e pequenas empresas as mesmas condições de refinanciamento de dívidas concedidas às outras pessoas jurídicas, objeto de um Refis aprovado anteriormente.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Começa a funcionar o Expresso da Moda no Moda Center Santa Cruz



Já começou a funcionar no Moda Center Santa Cruz o Expresso da Moda, mecanismo que, dentre outros benefícios, dará mais segurança a milhares de clientes do Polo de Confecções de Pernambuco, com a emissão de notas fiscais especialmente das mercadorias adquiridas dos pequenos produtores.

O comerciante Ronaldo Bezerra da Silva, de Manaus (AM), foi o primeiro cliente do Moda Center a utilizar o serviço.

Ronaldo Bezerra, comerciante - Manaus (AM)
“Veio para facilitar nossas vidas, pois agora podemos emitir nota fiscal e transportarmos nossas mercadorias adquiridas aqui no Polo de Confecções para todo o Brasil, com a garantia de que não teremos problemas com o Fisco e pagando um pequeno valor. Não há mais desculpa de transportar mercadoria sem nota. Agora, temos uma alíquota que todos podemos pagar além do local para solicitarmos esse serviço”, comemorou o comerciante.

Segundo o síndico do Moda Center, Allan Carneiro, a ação resulta da união de esforços do Moda Center com as entidades representativas da indústria e comércio de Santa Cruz do Capibaribe junto ao Governo do Estado, e um dos seus diferenciais é a baixa carga tributária que é cobrada: um percentual de apenas 2% sobre o valor da mercadoria, o que representa mais praticidade e segurança para clientes e compradores, que poderão transportar suas mercadorias para outros estados sem prejuízos.

Allan Carneiro, síndico - Moda Center
“A novidade desse regime é principalmente a adequação da saída dos produtos. Com isso, o cliente ou vendedor poderá emitir uma nota avulsa, na internet ou no Expresso da Moda e poderá viajar tranquilo”, disse.

A implantação do Expresso da Moda decorre da sanção da Lei n° 1.071/2016, de 16 de dezembro de 2016, pelo Governo de Pernambuco, que modificou o regime de tributação para o setor de confecções do Polo. A dita regra antecipou a cobrança do Imposto Sobre Mercadorias e Serviços (ICMS) para o momento da compra de matéria-prima, dinamizando o mercado e simplificando o pagamento.

O Expresso da Moda atende a um anseio, especialmente dos clientes que tinham grandes prejuízos quando da apreensão de suas cargas nos postos fiscais localizados geralmente nas divisas dos estados.

Para o destinatário que possui CNPJ e Inscrição Estadual, a documentação necessária para a emissão da nota fiscal avulsa é a numeração dos referidos cadastros, o endereço completo com CEP e seguir os procedimentos de informação dos itens a serem declarados.

Já para o destinatário que não possui CNPJ e compra com CPF, bastam o número do documento, o endereço completo com CEP e seguir os procedimentos de informação dos itens a serem declarados.

Atendentes do Expresso da Moda 

No atendimento, é gerada a guia (GNRE) com o imposto de 2%, que deve ser paga em bancos, lotéricas, caixas eletrônicos ou pelo internet banking. “Deve ser paga preferencialmente em bancos, pois a compensação do pagamento é mais rápida; leva de uma a duas horas, em média”, disse a coordenadora Marília Araújo.

Com o pagamento compensado, a nota fiscal avulsa é emitida. Para facilitar esse procedimento, assim como fomentar os pequenos negócios dentro do Moda Center, a administração está conseguindo a instalação de um banco, o Sicoob, dentro do parque, ainda este ano.

O Expresso da Moda está localizado Setor Branco, bloco interno, ao lado do banheiro feminino. O serviço funciona às segundas e terças – das 8h às 16h; quartas e quintas – das 8h às 15h; e às sextas-feiras – das 8h às 14h. Acompanhando a abertura do Moda Center aos domingos, o Expresso da Moda também funcionará nesse dia, no horário das 10h às 18h. Telefone: (81) 3759-1200.

Marília Araújo, coordenadora - Expresso da Moda
“Buscamos dar mais comodidade e segurança para que quando os clientes estiverem retornando para suas cidades possam ir tranquilos, sabendo que possuem as notas fiscais dos produtos comprados”, completou Marília.

Para a instalação, tanto do Expresso da Moda quanto do banco Sicoob, o destaque vai para a união das entidades em buscar soluções, junto aos órgãos competentes, para aumentar ainda mais a satisfação dos clientes. As entidades são: Moda Center Santa Cruz, CDL Santa Cruz, Associação Empresarial de Santa Cruz do Capibaribe (ASCAP) e Associação Santa-cruzense de Contabilistas (ASCONT).

A articulação para a aprovação da lei que criou o Expresso da Moda ficou a cargo do deputado Diogo Moraes (PSB).

Natal: a vez do varejo

Por: Honório Pinheiro


Estamos chegando ao fim do ano e além da fé na renovação que preenche todo o mundo, o Natal também chega acompanhado de grandes expectativas para o comércio.
Considerada pelos lojistas a data comemorativa mais importante em faturamento e volume de vendas, em 2017 a movimentação na economia com a aquisição de presentes deverá ser de R$ 51,2 bilhões no comércio, conforme revela recente pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).
Se fizermos uma retrospectiva desde 2016, vamos nos recordar de que neste mesmo período do ano passado a conjuntura era de grandes incertezas. Com o acesso ao crédito mais difícil, juros, inflação e desemprego elevados, o poder de compras do brasileiro ficou mais limitado para compras caras.
Agora, chegando ao fim de 2017 podemos citar inúmeros avanços que aconteceram durante todo o ano, tornando o ambiente de negócios mais favorável. As quedas da inflação, do desemprego e da taxa de juros também deram a tônica do atual momento de recuperação da economia, mostrando que o País está voltando aos trilhos de uma rota de crescimento.
Diante dessa conjuntura, um próspero ano novo é realmente o que podemos esperar. Já podemos vislumbrar um crescimento de 2,5% para 2018.
Um fim de ano melhor para o varejo, para o consumidor e para o Brasil: esse é o cenário que o setor do comércio vislumbra para o Natal de 2017, com os reflexos da retomada da economia.
Este cenário de recuperação traz novos ânimos para um período tão importante para o varejo nacional. Boas vendas e boas compras!

Honório Pinheiro
Presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e diretor presidente do Pinheiro Supermercado
presidente@cndl.org.br

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Nota de Esclarecimento

Campanha de Natal, na Avenida João Francisco
Aragão e Rua Cabo Otávio Aragão
A CDL de Santa Cruz do Capibaribe vem a público esclarecer que em momento algum tem se posicionado contra quem quer que seja no comércio da cidade, pelo simples fato de o mesmo não ter aderido a uma determinada campanha. Atualmente estamos com a Campanha do Natal, na Rua Cabo Otávio e Av. João Francisco Aragão. Neste último final de semana surgiram comentários e até postagens de pessoas dizendo que não concordavam com a campanha de marketing indicando as pessoas a comprarem só nas lojas que estavam participando da campanha.

Reafirmamos o cumprimento da nossa missão que é “Unir, representar e fortalecer o comércio de Santa Cruz do Capibaribe, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do associado e da comunidade”. Repudiamos qualquer ato que venha a desfavorecer o lojista, seja ele associado ou não. No entanto, os lojistas associados à CDL e que participam de nossas ações, têm sim, o privilégio de serem divulgados como merecem, afinal, participar do associativismo em uma sociedade gera um diferencial competitivo. Sem mais, agradecemos a todos os lojistas e sociedade em geral que fazem gerar o nosso comércio pujante e cada vez mais forte. Saudações lojistas a todos!

domingo, 3 de dezembro de 2017

Moda Center Santa Cruz se prepara para suas maiores feiras do ano

A expectativa é que cerca de 300 mil clientes passem pelo empreendimento nos dias 3, 4, 10 e 11 de dezembro

O Moda Center Santa Cruz, maior centro atacadista de confecções do Brasil e coração do Polo de Confecções de Pernambuco, está se preparando para receber suas maiores feiras do ano. Nos dias 3, 4, 10 e 11 de dezembro, o espaço deve receber cerca de 300 mil clientes e mais de mil ônibus e vans, um aumento de 10% em relação ao mesmo período de 2016. As reservas dos hotéis e dormitórios do empreendimento, que possui mais de dois mil leitos, já chegam a quase 100%.

De acordo com Allan Carneiro, síndico do Moda Center, se 2016 foi um período de cautela, 2017 já mostra o começo de uma recuperação na economia. “Já visualizamos um aumento de 12% na quantidade que ônibus e vans que passaram por aqui ao longo do ano. Vários comerciantes estão ampliando seus quadros de colaboradores, o clima é de muito trabalho, para aproveitar o período de maior movimentação da cidade”, afirma.

Até o dia 17 de dezembro, as feiras estão acontecendo aos domingos e segundas, das 8h às 18h, quando as mais de dez mil unidades de vendas (boxes e lojas) estão funcionando em sua totalidade. Em janeiro, a movimentação deve continuar em alta devido à procura por moda praia. As feiras voltarão aos dias normais: segundas e terças, das 7h às 18h.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

UNECS celebra os trabalhos da Frente Parlamentar do Comércio, Serviços e Empreendedorismo

Fonte: Ascom CNDL



Os presidentes das sete entidades que compõem a União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (UNECS) promoveram um almoço de trabalho com os membros da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo (CSE). O evento aconteceu hoje (29), em Brasília.
O almoço contou com a presença do presidente da República, Michel Temer e foi prestigiado por 57 parlamentares. O evento foi acompanhado ainda pelos ministros Antonio Imbassahy, da Secretaria de Governo da Presidência da República; Torquato Jardim, do Ministério da Justiça; Ronaldo Nogueira, do Ministério do Trabalho, além do presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos.
O coordenador da UNECS e presidente da CNDL, Honório Pinheiro, destacou a importância do grupo de entidades que representa 15% do PIB nacional e 20% dos empregos formais no país. “Não há nada mais importante do que criar novas oportunidades de emprego e a estabilidade econômica. Por isso, assumimos com o Planalto o compromisso de apoiar as reformas estruturantes, principalmente a da Previdência, que não é só do governo, mas também do Brasil”, declarou Pinheiro.
Em sua fala, o presidente Michel Temer destacou a disposição do governo para o diálogo. “A palavra que foi o norte do nosso governo é ‘diálogo’. Primeiro com o Congresso Nacional e depois com a sociedade. E é o diálogo que nos permitiu avançar nas reformas, um diálogo fértil com a sociedade brasileira, pautado pelas nossas convicções”, ressaltou Temer.
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, defendeu a necessidade de continuar com as reformas no país e afirmou que as mudanças que estão em curso tem o objetivo claro de trazer condições de gerar crescimento e empregos. Maia destacou que é preciso continuar os avanços e reforçou a necessidade de mobilização pela Reforma da Previdência, defendendo que a sua aprovação irá atacar a desigualdade no país. “A previdência é um obstáculo que limita o nosso país e limita o crescimento das nossas famílias. A reforma vai garantir mais recursos para uma educação de maior qualidade, para uma saúde com mais qualidade e tenho certeza que nós teremos sucesso na sua aprovação”, declarou.

Conquistas e avanços
No evento, o deputado federal Efraim Filho foi apresentado como o novo presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo (CSE). Em seu discurso, o deputado afirmou alinhamento e continuidade dos trabalhos em conjunto com a UNECS e declarou seu compromisso com as demandas do setor de comércio e serviços. “Para que o Brasil volte a crescer de forma sustentável é preciso ter coragem para agir. Teremos essa postura, essa coragem e, junto com a UNECS, continuaremos a trabalhar na condução das medidas que o Brasil precisa”, discursou.
Ao se despedir da sua atuação como presidente da frente parlamentar, o deputado federal Rogério Marinho destacou as principais conquistas do grupo. Entre elas estão o programa Crescer sem Medo e projetos como a regulamentação da gorjeta, a lei da terceirização, a diferenciação de preços de acordo com o meio de pagamento, o reconhecimento de supermercados como atividade essencial e a aprovação da Reforma Trabalhista. De acordo com Marinho, desde sua criação, a Frente monitorou 10.895 proposições legislativas em tramitação no Congresso Nacional que dizem respeito ao setor.
Rogério Marinho destacou a representatividade alcançada com os trabalhos da Frente e reforçou a importância do setor de comércio e serviços para a geração de empregos no país. “Estamos em um momento ímpar, as oportunidades aí estão. A pauta das reformas não é desse governo, é uma pauta de Estado, da nação e é nossa responsabilidade para com o país. Hoje, aqui nesse evento, estamos de fato congraçando o Executivo, Legislativo e os empresários. A frente só teve sucesso com o apoio do parlamento brasileiro às demandas do setor”, declarou.

Encontro no Palácio do Planalto
No mesmo dia, pela manhã, os presidentes das entidades que compõem a UNECS e o presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif, tiveram uma reunião de trabalho com o presidente da República Michel Temer.
Durante o encontro no Palácio do Planalto, foram discutidos os avanços que do Governo Federal em prol de um ambiente favorável para o setor de comércio e serviços, como as medidas macroeconômicas que trouxeram estabilidade e redução da taxa de juros, favorecendo o curso da economia.
A UNECS se comprometeu a apoiar as reformas estruturadoras para consolidar as expectativas de retomada do crescimento em 2018. Além disso, se manifestou em favor de uma discussão sobre a reforma da previdência, reconhecendo que essa é uma agenda inadiável.